Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Netanyahu apresenta primeiro plano oficial de Israel para Gaza após a guerra

    Documento foi apresentado a membros do gabinete de segurança de Israel na quinta-feira (22) e visto pela Reuters nesta sexta-feira (23)

    Richard Allen Greeneda CNN

    em Jerusalém

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, revelou um plano para o futuro da Faixa de Gaza após a guerra contra o Hamas.

    A proposta inclui a “desmilitarização completa” do território palestino, o fechamento da fronteira sul do território com o Egito, bem como a revisão da administração civil e dos sistemas educativos de Gaza.

    A CNN obteve uma cópia do plano, que Netanyahu apresentou aos membros do gabinete de segurança de Israel na noite de quinta-feira (22).

    A proposta foi distribuída como base para uma discussão, disse o gabinete do primeiro-ministro à CNN, em preparação para futuras negociações sobre o assunto.

    O plano surge no momento em que Israel envia uma equipe de negociação, liderada pelo diretor do Mossad, David Barnea, a Paris na sexta-feira para prosseguir negociações sobre um potencial cessar-fogo e acordo de libertação de reféns que pode pôr fim à longa guerra de quatro meses.

    Mais de 29 mil pessoas foram mortas em Gaza desde o início da guerra, segundo o Ministério da Saúde do território palestino.

    O ataque do Hamas em 7 de outubro matou 1.200 pessoas em Israel, segundo as autoridades israelenses.

    Uma série de princípios são descritos no documento, desde mudanças nos níveis de segurança e civil até planos de longo prazo sobre quem governaria o território.

    No dossiê de segurança, o plano previsto inclui Israel fechando a fronteira sul de Gaza com o Egito, dando a Israel o controle total de entrada e saída do enclave.

    Atualmente, o Egito controla o acesso de e para a fronteira sul de Gaza através da passagem de Rafah.

    O plano de Netanyahu diz que Israel cooperará “tanto quanto possível” com o Egito, em coordenação com os Estados Unidos.

    Não está claro se Israel obteve a aprovação do Egito para esse elemento do plano, ou para qualquer parte dele. Mas um oficial israelense disse à CNN que o plano estava “alinhado” com os EUA.

    Não houve reação oficial imediata dos EUA à proposta.

    O plano afirma, como Netanyahu disse antes, que “Israel terá controle da segurança sobre toda a área a oeste da Jordânia”, que inclui toda a Cisjordânia e Israel, bem como a Faixa de Gaza.

    Os palestinos há muito tempo visam a criação de um Estado independente na Cisjordânia ocupada, em Jerusalém Oriental e em Gaza.

    Israel será responsável por “realizar e supervisionar” a desmilitarização da Faixa, diz o plano, exceto pelo que for necessário para manter a ordem pública.

    A nível civil, Netanyahu detalha uma revisão da administração civil e dos sistemas educativos de Gaza, incluindo um aparente corte de financiamento do Catar para Gaza – que um governo anterior de Netanyahu aprovou e facilitou.

    As entidades locais que dirigem a função pública “não serão identificadas com países ou entidades que apoiam o terrorismo e não receberão pagamento deles”, diz o plano.

    Embora seja provavelmente uma referência ao Catar, não está claro se também se aplicaria à Autoridade Palestina (AP), uma versão revitalizada da qual os EUA disseram que deveria governar Gaza no futuro.

    O plano de Netanyahu também apela à “desradicalização” do sistema educativo, que Israel e os seus aliados acusam de promover o antissemitismo e o ódio a Israel.

    O plano repete que Israel trabalhará para encerrar a UNRWA, a principal agência das Nações Unidas que apoia os refugiados palestinos, e trabalhará para substituí-la “por agências de ajuda internacional responsáveis”.

    Israel acusa cerca de uma dúzia de funcionários da UNRWA de estarem diretamente envolvidos no ataque do Hamas em 7 de outubro. A agência emprega cerca de 13 mil pessoas em Gaza.

    Finalmente, o plano reitera a insistência de Israel de que não será forçado pela comunidade internacional a reconhecer um Estado palestino, uma possibilidade que o Reino Unido e o presidente dos EUA, Joe Biden, começaram a sugerir.

    “Israel rejeita abertamente os ditames internacionais relativos a um acordo permanente com os palestinianos”, diz o esboço de Netanyahu, afirmando que o reconhecimento de um Estado palestino agora seria “uma enorme recompensa ao terrorismo sem precedentes”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original