Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    No Sudão, Hamdok renuncia ao cargo de primeiro-ministro

    Renúncia vem menos de dois meses depois de ser reintegrado como parte de um acordo político com os militares

    Premiê deposto do Sudão Abdalla Hamdok
    Premiê deposto do Sudão Abdalla Hamdok Reuters

    Alaa ElassarPierre Meilhanda CNN

    Ouvir notícia

    O primeiro-ministro sudanês, Abdalla Hamdok, renunciou ao cargo neste domingo (2). A renúncia vem menos de dois meses depois de ser reintegrado como parte de um acordo político com os militares.

    Em um discurso televisionado, ele disse que uma mesa redonda era necessária para chegar a um novo acordo para a transição política do Sudão para a democracia.

    “Eu decidi devolver a responsabilidade e anunciar minha renúncia como primeiro-ministro e dar uma chance a outro homem ou outra mulher deste nobre país a ajudar a passar pelo que sobrou deste período de transição para um país democrático”, disse Hamdok.

    O anúncio foi feito após três manifestantes serem mortos por forças de segurança sudanesas durante manifestações anti-golpe perto da capital, disse o Comitê Central de Médicos do Sudão (SCDC) aliado de civis.

    Dois dos manifestantes foram baleados no peito, enquanto o terceiro morreu de “ferimento violento direto na cabeça”, disse o SCDC.

    Vídeos que circularam nas redes sociais mostraram grupos de manifestantes passando por nuvens de fumaça branca de gás lacrimogêneo e se dispersando com o som de supostos tiros.

    As manifestações ocorreram após interrupções na Internet e na rede de telefonia móvel.

    Os protestos de domingo em Omdurman, cerca de 25 quilômetros (16 milhas) a noroeste de Cartum, foram o 14º dia de manifestações em massa contra o regime militar desde o golpe de 25 de outubro. Desde então, pelo menos 57 pessoas foram mortas pelas forças de segurança, informou o SCDC.

    O Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, divulgou um comunicado no Dia de Ano Novo, também o dia da independência do Sudão, comemorando seus 66 anos de independência e criticando os ataques violentos contra civis pelos serviços de segurança sudaneses.

    “Esperávamos que 2021 oferecesse a oportunidade de fazer parceria com um Sudão em democratização, mas a tomada do poder pelos militares em outubro e a violência contra manifestantes pacíficos lançaram dúvidas sobre esse futuro”, disse Blinken no comunicado.

    “Não queremos voltar ao passado e estamos preparados para responder àqueles que buscam bloquear as aspirações do povo sudanês por um governo democrático liderado por civis e que se opõe à responsabilidade, à justiça e à paz. ”

    Blinken exigiu que as forças de segurança “cessassem imediatamente o uso de força letal contra os manifestantes” e fizessem justiça aos responsáveis ​​pelas violações dos direitos humanos.

    A Embaixada dos Estados Unidos em Cartum também reiterou seu apoio à “expressão pacífica das aspirações democráticas e à necessidade de respeitar e proteger os indivíduos que exercem a liberdade de expressão”, em um tweet na semana passada.

    A crise do Sudão

    O Sudão era governado por uma aliança incômoda entre os grupos militares e civis desde 2019. Mas em outubro, os militares efetivamente assumiram o controle, dissolvendo o Conselho Soberano que compartilhava o poder e o governo de transição, e detendo temporariamente Hamdok, o primeiro-ministro.

    O chefe militar do país, general Abdel Fattah Al-Burhan, reintegrou Hamdok em novembro como parte de um acordo entre as lideranças militar e civil.

    Sob o acordo acordado por Hamdok e Al-Burhan, Hamdok se tornaria novamente o líder do governo de transição, que foi estabelecido pela primeira vez depois que o presidente Omar al-Bashir foi deposto em 2019.

    O Conselho de Ministros, dissolvido em 25 de outubro, seria restaurado e as lideranças civil e militar dividiriam o poder. A constituição seria emendada para delinear a parceria entre civis e militares no governo de transição.

    Mas o acordo também incluiu uma reestruturação não especificada, de acordo com Mudawi Ibrahim, um oficial proeminente da National Forces Initiative (NFI), que ajudou a mediar as negociações, e que encontrou resistência no Sudão.

    Os cidadãos que protestam contra o regime militar foram recebidos com brutalidade e os meios de comunicação enfrentaram esforços violentos para interromper a cobertura dos eventos.

    Na quinta-feira, as forças de segurança sudanesas tentaram censurar algumas emissoras, de acordo com relatos de vários meios de comunicação.

    As autoridades invadiram os escritórios da emissora saudita al-Arabiya e de sua filial al-Hadath, confiscando equipamentos e agredindo a equipe em Cartum na quinta-feira, disse a al-Arabiya em uma série de tweets.

    Os serviços de Internet também foram seriamente interrompidos desde o golpe, e a cobertura telefônica permanece irregular. Embora a vida cotidiana tenha quase paralisado quando o golpe aconteceu, lojas, estradas e alguns bancos foram reabertos.

    Texto traduzido. Clique aqui para ler o original. 

    Tópicos

    Mais Recentes da CNN