Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nobel da Paz volta a ser vista e recebe nova acusação em protestos em Mianmar

    Aung San Suu Kyi recebeu dos militares a terceira acusação contra o seu governo

    Policiais atiram contra manifestantes em Mianmar
    Policiais atiram contra manifestantes em Mianmar Foto: Getty Images

    Helen Regan , CNN

     

    A líder civil deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, recebeu um novo golpe da junta militar nesta segunda-feira (1), quando manifestantes voltaram às ruas após o dia mais sangrento desde o golpe, em 1º de fevereiro. 

    Suu Kyi apareceu em uma audiência por videoconferência, onde foi acusada de acordo com o código penal da era colonial de Mianmar, que proíbe a publicação de informações que possam “causar medo ou alarme”, disse seu advogado, segundo informações da Reuters.

    Suu Kyi, que não foi vista pelo público ou por seus advogados desde que foi detida, parecia estar bem de saúde, disse o advogado Min Min Soe à Reuters. Ele acrescentou que ela pediu para ver sua equipe jurídica durante a audiência.

    Isso marca a terceira acusação contra Suu Kyi, cujo Partido da Liga Nacional para a Democracia (NLD) ganhou uma vitória esmagadora nas eleições de novembro de 2020, que os militares usaram como pretexto para tomar o poder. Ela também foi acusada em relação a uma lei nacional de desastres e uma acusação anterior sob a lei de importação e exportação do país.

    Min Min Soe disse à Reuters que a próxima audiência de Suu Kyi será em 15 de março.O reaparecimento de Suu Kyi ocorreu enquanto os manifestantes reconstruíam barricadas e encaravam as forças de segurança após a violência de domingo. O vídeo mostrou muitos manifestantes marchando no sudeste da cidade de Dawei, onde pelo menos três pessoas foram mortas no domingo.

     

    Em Yangon, os manifestantes arrastaram andaimes de bambu, pneus e outros detritos para as estradas para formar barricadas enquanto gritavam palavras de ordem. A mídia local Myanmar Now informou que as forças de segurança usaram granadas de atordoamento e gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes em dois municípios na segunda-feira.

    O ativista de direitos humanos Thinzar Shunlei Yi disse que a violenta repressão não deteria os manifestantes.

    “O derramamento de sangue tornou a resistência mais forte, determinada e unida mais do que nunca. Portanto, é realmente contraproducente”, disse ela.

    O Relator Especial da ONU para os direitos humanos em Mianmar, Tom Andrews, disse no Twitter: “Palavras de condenação são bem-vindas, mas insuficientes. Devemos agir”.

    “Enquanto a junta intensifica seus ataques brutais contra manifestantes pacíficos em Mianmar, o mundo deve intensificar sua resposta”, disse ele.

     (Texto traduzido. Clique aqui para ler a versão original em inglês)