Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Novo porta-aviões da China chega ao mar pela primeira vez

    Maior e mais avançado porta-aviões, Fujian tem deslocamento de 80 mil toneladas métricas, superando dois porta-aviões ativos da marinha chinesa; apenas os EUA operam porta-aviões maiores

    O terceiro porta-aviões da China, o Fujian, parte para os primeiros testes no mar no estaleiro Shanghai Jiangnan, em Xangai, no leste da China, em 1º de maio de 2024
    O terceiro porta-aviões da China, o Fujian, parte para os primeiros testes no mar no estaleiro Shanghai Jiangnan, em Xangai, no leste da China, em 1º de maio de 2024 Li Yun/Xinhua

    Brad Lendonda CNN Seul, Coreia do Sul

    O mais novo, maior e mais avançado porta-aviões da China, o Fujian, deu um grande passo para se juntar à maior frota naval do mundo na quarta-feira (1º), ao partir de Xangai para os seus primeiros testes no mar.

    A avaliação naval deverá ocorrer no Mar da China Oriental, a cerca de 130 quilômetros do Estaleiro Jiangnan, onde o porta-aviões está em construção há mais de seis anos, segundo a Administração de Segurança Marítima de Xangai.

    “Os testes no mar verificarão principalmente a confiabilidade e a estabilidade dos sistemas elétricos e de propulsão do porta-aviões”, dizia um anúncio da agência de notícias estatal Xinhua na quarta-feira.

    O navio de guerra foi lançado em 2022 e “concluiu os testes de amarração, trabalho de equipamento e ajustes de equipamentos” até os últimos testes no mar, disse a Xinhua.

    Com um deslocamento de 80 mil toneladas métricas, o Fujian supera os dois porta-aviões ativos da Marinha do Exército de Libertação Popular, o Shandong de 66 mil toneladas e o Liaoning de 60 mil toneladas. Apenas a Marinha dos Estados Unidos opera porta-aviões maiores que Fujian.

    “Os testes do Fujian no mar representam um marco importante para a Marinha do Exército de Libertação Popular, marcando a sua entrada no pequeno clube de marinhas com capacidade de aviação de porta-aviões de primeira classe”, disse John Bradford, membro do Conselho de Relações Exteriores e Assuntos Internacionais.

    A principal característica do Fujian é um sistema de catapulta eletromagnética que permitirá lançar aeronaves maiores e mais pesadas do que o Shandong e o Liaoning permitem, que usam um método de lançamento do tipo salto de esqui.

    Analistas dizem que a capacidade do Fujian de lançar aviões de guerra maiores que transportam mais cargas de munições para distâncias mais longas dará ao porta-aviões um maior alcance de combate do que os seus antecessores na frota chinesa, proporcionando à Marinha do Exército de Libertação Popular as chamadas capacidades de “água azul”.

    “Esses testes no mar marcam o primeiro grande passo no desenvolvimento da capacidade da China de projetar poder aéreo baseado no mar em áreas oceânicas profundas”, disse Carl Schuster, ex-capitão da Marinha dos EUA e ex-diretor de operações do Centro Conjunto de Inteligência do Comando do Pacífico dos EUA.

    Um rebocador reboca o terceiro porta-aviões da China, o Fujian, para longe de uma doca em Xangai, no leste da China, em 1º de maio de 2024 / Li Tang/Xinhua

    Comparação com porta-aviões dos EUA

    O sistema de catapulta eletromagnética coloca o Fujian no mesmo nível do mais novo porta-aviões da Marinha dos EUA, o USS Gerald R Ford, o único porta-aviões ativo no mundo com um sistema de catapulta eletromagnética. Os 10 porta-aviões mais antigos da Marinha dos EUA, a classe Nimitz, dependem de catapultas movidas a vapor para lançar aeronaves.

    Todos os porta-aviões dos EUA, no entanto, manterão duas vantagens principais sobre o Fujian: potência e tamanho.

    Os porta-aviões dos EUA são movidos a energia nuclear, o que lhes dá a capacidade de permanecer no mar enquanto durarem as provisões da tripulação, enquanto o Fujian é movido por combustível convencional, o que significa que deve fazer uma escala no porto ou emparelhar com um navio-tanque no mar para reabastecer.

    Quanto à vantagem de tamanho da Marinha dos EUA sobre o Fujian, o Ford desloca 100 mil toneladas e os 10 navios da classe Nimitz 87 mil toneladas métricas. Os navios maiores dos EUA podem transportar mais aeronaves, cerca de 75, em comparação com cerca de 60 no Fujian, segundo estimativas do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS).

    Os analistas também notaram que os porta-aviões dos EUA têm mais catapultas, uma via aérea maior e mais elevadores para permitir uma implantação mais rápida de aeronaves a partir do convés do hangar abaixo. Os porta-aviões americanos “permanecem em um escalão próprio”, disse Bradford.

    Schuster disse que a atual rodada de testes do Fujian no mar deverá durar de três a seis dias e não incluirá operações de voo.

    Porta-aviões da Marinha dos EUA USS Gerald R. Ford ancorado no Golfo de Trieste / Andrej Tarfila/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

    “Os radares e equipamentos de comunicação serão testados, mas os primeiros testes no mar sempre se concentram na integridade do casco, na propulsão e na engenharia, uma vez que os problemas impedem que todo o resto funcione bem”, disse Schuster.

    No total, os analistas esperam que os testes do Fujian no mar levem pelo menos um ano, com seu comissionamento provavelmente ocorrendo no próximo ano ou em 2026. Uma matéria no site do Ministério da Defesa chinês em janeiro observou que o Liaoning passou por 10 testes no mar e o Shandong teve nove testes antes de entrar em serviço.

    Quando se juntar à frota da Marinha do Exército de Libertação Popular, o Fujian se tornará o ícone daquela que é hoje a maior força naval do mundo, com mais de 340 navios de guerra e contando com a produção de novos navios de guerra pelos estaleiros chineses a um ritmo frenético.

    “Será o símbolo mais visível do crescente poder naval da China”, disse Brian Hart, membro do China Power Project no CSIS.

    Enquanto isso, o anúncio de um quarto porta-aviões para a frota chinesa poderá ocorrer em breve, disse o comissário político da Marinha do Exército de Libertação Popular, Yuan Huazhi, em março, de acordo com uma reportagem do jornal estatal Global Times. Quando esse anúncio for feito, a resposta sobre se a China terá um porta-aviões movido a energia nuclear será respondida, afirma a reportagem.

    A Marinha dos EUA já tem três novos porta-aviões da classe Ford em construção, os futuros John F Kennedy, Enterprise e Doris Miller.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original