Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Exclusivo: CNN viaja a bordo de missão de bombardeiro dos EUA às portas da China

    CNN obteve acesso a um voo épico em um B-52, um dos veneráveis jatos de oito motores que servem como um símbolo instantaneamente reconhecível do poder aéreo americano

    O último B-52 saiu da linha de produção em 1962. Os bombardeiros estratégicos são décadas mais velhos que as suas tripulações e alguns jatos mostram a sua idade
    O último B-52 saiu da linha de produção em 1962. Os bombardeiros estratégicos são décadas mais velhos que as suas tripulações e alguns jatos mostram a sua idade Oren Liebermann/CNN

    Oren Liebermannda CNN*

    À beira do Mar da China Oriental, a CNN esteve a bordo de um bombardeiro B-52 conforme ele virava para nordeste – em direção ao Alasca, aos EUA e à Base Aérea de Barksdale, em Louisiana – quando o manômetro de pressão do óleo de um dos seus motores começou a piscar erraticamente.

    Dezenove horas depois de uma das missões militares mais longas realizadas pelos EUA, a tripulação já havia enfrentado problemas de comunicação e teve que fazer cálculos precisos de combustível enquanto navegava em sua jornada de 21 mil quilômetros da Louisiana ao Japão e vice-versa.

    Mas isso era algo diferente. Na frente, os dois pilotos começaram a trabalhar em suas listas de verificação.

    A capitã Jinan Andrews leu cada passo em voz alta, enquanto o capitão Tramaine “Omaha” Barnett pilotava o jato.

    Sentado no único beliche do bombardeiro, o terceiro piloto da tripulação de voo, capitão Sabin “Jett” Park, os apoiou, se certificando de que não perdessem nenhum item.

    Com 14 horas de voo e quase 11 mil quilômetros separando o bombardeiro estratégico de sua base, os pilotos tomaram a decisão de desligar o motor.

    O B-52 que nos acompanhou através do Oceano Pacífico e pousou no Japão. Agora, nosso voo, MYLAR11, voltaria sozinho e com motor desligado.

    Felizmente, o B-52 tem vários motores, mas é um lembrete de que os militares dos EUA ainda dependem de uma aeronave que voou pela primeira vez na década de 1950 e que sobreviveu à Guerra Fria por mais de 30 anos.

    O Boeing B-52H Stratofortress é o principal avião bombardeiro estratégico dos Estados Unidos, tendo participado em todas as guerras dos EUA desde o Vietnã.

    A CNN obteve acesso exclusivo a um voo épico em um dos veneráveis jatos de oito motores que servem como um símbolo instantaneamente reconhecível do poder aéreo americano.

    Esse jato específico foi fabricado em 1961 e, embora sejam décadas mais velhos que os seus tripulantes, os B-52 continuam a ser a pedra angular da frota de bombardeiros dos EUA, enviando uma mensagem importante aos aliados e adversários dos EUA.

    “Se voltarmos atrás e olharmos tanto para a liderança nacional da Rússia como para a liderança nacional da China, a que eles reagem?”, pergunta o major-general Jason Armagost, comandante da Oitava Força Aérea.

    “Vemos que eles comentam publicamente sobre as missões da nossa força-tarefa de bombardeiros, especialmente quando envolvem outros (países) de forma muito conjunta e pública”.

    Nosso voo decolou na madrugada de 1º de abril para uma das missões mais longas do mundo.

    O B-52 voaria do território continental dos EUA, descendo pelas Ilhas Aleutas do Alasca, ao longo da costa leste da Rússia e descendo pela China e pela Coreia do Norte até um bloco de espaço aéreo ao longo da Península Coreana.

    Então, sem pousar, o MYLAR 11 voaria em formação com caças da Coreia do Sul e do Japão antes de voltar para casa.

    O coronel Michael Maginness, comandante da 2ª Ala de Bombas, mostra a Oren Liebermann da CNN, à direita, a cabine de um B-52H / CNN

    O voo levaria 33 horas e percorreria mais de 21 mil quilômetros. O jato entrou em cruzeiro a cerca de 8.500 metros, principalmente sobre as águas geladas do norte do Oceano Pacífico, onde as ondas estavam previstas para exceder seis metros.

    No total, esperava-se que o B-52 queimasse 105 mil galões de combustível de aviação durante o voo.

    “Não somos apenas uma das partes mais visíveis e flexíveis da tríade nuclear, mas também é uma maneira muito fácil para a Força Aérea e os EUA darem garantia aos nossos aliados”, disse o capitão Bo “NATO” Cain, um oficial de sistemas de armas no voo.

    A tríade nuclear, que inclui bombardeiros estratégicos, silos de mísseis balísticos e submarinos de mísseis balísticos, constitui a dissuasão nuclear da América. O B-52 é o elemento mais móvel da tríade.

    “Temos um B-52 onde você precisar, quando precisar, em 48 horas”.

    Uma jornada épica

    Uma tripulação padrão para missões dessa duração é composta por três pilotos, três oficiais de sistemas de armas e um oficial de guerra eletrônica. A maior parte da tripulação do MYLAR11 nunca esteve em missão por tanto tempo.

    Após algumas horas de voo, uma coisa se torna dolorosamente óbvia: o B-52 nunca foi construído para oferecer conforto.

    Embora o jato tenha envergadura de pouco mais de 56 metros e comprimento de quase 49 metros, toda a tripulação está amontoada na parte frontal do jato, dividida entre o convés superior confinado e o convés inferior sem janelas.

    Os pilotos alternam os lugares, frequentemente descansando no único beliche a bordo. Para o resto da tripulação, encontrar uma posição para descansar muitas vezes requer se enrolar no chão ou se encostar na parede.

    O capitão Sabin “Jett” Park pilota o B-52 à noite, usando iluminação vermelha da cabine para proteger sua visão no escuro. A tela principal é uma das poucas adições modernas ao cockpit / Oren Liebermann/CNN

    O capitão Leo “Swabbie” Weber, oficial de sistemas de armas, descreveu seu primeiro voo de mais de 30 horas como um “passeio de montanha-russa”.

    “Você fica animado quando decola, passa por calmarias de sono e então percebe que ainda não percorreu nem um quarto do caminho”, disse ele. “Tentar manter o foco tem sido difícil, mas é um desafio que aceito e gosto”.

    Nos longos trechos de voo entre quatro reabastecimentos aéreos, a tripulação passa o tempo com conversas casuais, descanso e lanches.

    No MYLAR11, a tenente Rebecca “Vulcan” Moore, oficial de guerra eletrônica, trouxe nuggets de frango para a tripulação, prontos para aquecer no minúsculo forno situado atrás das fileiras de disjuntores.

    Bagels de minipizza e biscoitos de chocolate também são os favoritos da tripulação.

    O papel oficial de Moore é rastrear ameaças fora do jato, mas ela assume a responsabilidade de saber como todos estão dentro dele.

    “Estou tentando ter certeza de que estou prestando atenção em quem está cansado. Alguém está com fome? Existe algo em que eu possa ajudar alguém?”, disse Moore.

    “Como você viu, esse é um jato antigo e é necessária uma tripulação completa para resolver todos os problemas que vêm com ele”.

    Futuro do B-52

    A Força Aérea está planejando atualizar o B-52H para modelos B-52J mais recentes, dando motores mais eficientes, sistemas aviônicos atualizados e novos radares.

    O programa de modernização manterá os jatos voando por quase um século, desde que entraram em serviço pela primeira vez, em meados da década de 1950.

    “Nas próximas décadas, poderemos ver como um jato que existe há décadas e décadas pode continuar a evoluir com o tempo e ser tão capaz, se não mais capaz, do que nunca”, disse o tenente-coronel Jared Patterson, comandante do 20º Esquadrão de Bombardeiros.

    O aviador Avery Bulsterbaum, à esquerda, o aviador sênior Andrew Rodriguez, ao centro, e o aviador sênior Justin Joyner, à direita, praticam a montagem de bombas de precisão de 227 quilos como parte das equipes de munições / Oren Liebermann/CNN

    Esse ano, a Força Aérea iniciou a produção de baixo custo do Northrop Grumman B-21 Raider, a próxima geração de bombardeiros de furtividade.

    A China não fica muito atrás, com Pequim prometendo que o seu secreto bombardeiro estratégico H-20 será em breve revelado publicamente.

    Os proponentes do B-52 insistem que ele ainda tem um papel no futuro. “Essa foi provavelmente a fuselagem mais adaptável potencialmente na história da indústria aeroespacial”, disse o coronel Michael Maginness, comandante da 2ª Ala de Bombardeiros.

    “Ele começou sua vida como um bombardeiro nuclear de alto nível. Nós o transformamos em um bombardeiro penetrante de baixo nível. Nós o transformamos em uma plataforma isolada de mísseis de cruzeiro. E ao longo do caminho, captou quase todas as outras missões ar-terra definidas no Departamento de Defesa dos EUA”, disse Maginness.

    Área da missão

    Na extremidade ocidental do Oceano Pacífico, o MYLAR11 atinge a área da missão, um retângulo do espaço aéreo entre o sul do Japão e a Coreia do Sul.

    Horas antes, a Coreia do Norte disparou um teste de míssil balístico de médio alcance, um lembrete claro das ameaças na área.

    Em outubro, caças chineses interceptaram um bombardeiro B-52 durante a noite sobre o Mar do Sul da China, a sul da nossa posição.

    O jato chinês voou a 3 metros do bombardeiro muito maior, no que os EUA chamaram de “interceptação insegura”. Dessa vez, quem está próximo são combatentes aliados.

    Entre camadas de nuvens, nosso B-52 e um segundo bombardeiro que o acompanha voam em formação com caças japoneses e sul-coreanos, que assumem posições fora de nossas asas.

    Em visibilidade reduzida com múltiplas aeronaves voando próximas umas das outras, a tripulação permanece alerta. Mas os caças menores, que não têm a resistência de um bombardeiro maciço, não podem permanecer por muito tempo. A missão requer um tempo preciso.

    Sargento da equipe, Dakeeja Nelson, à esquerda, e a aviadora sênior, Veruca Plott, à direita, verificam se uma bomba de precisão de 227 quilos foi carregada corretamente no porta-bombas sob a asa de um B-52H / Oren Liebermann/CNN

    “Quanto mais aliados houver, mais complexa e interessante se tornará a missão”, disse o capitão Sabin “Jett” Park, um dos pilotos do B-52.

    Depois de tirar algumas fotos dos jatos em formação, logo voltamos para casa quando a luz de advertência do motor 5 brilha em laranja brilhante. Em poucos minutos, a tripulação desliga o motor. Não há pânico – apenas uma gestão de risco.

    Mesmo com um motor desligado, o B-52 tem sete motores para levá-lo para casa. Não é um avião inteligente como os caças modernos de 5ª geração, mas é redundante, com numerosos sistemas de backup para realizá-lo em suas missões.

    “Apesar de há quantos anos o B-52 está em operação e de ser considerado uma aeronave legada, é formidável”, disse a capitã Jinan Andrews. “Ela é uma garota durona”.

    Depois de contornar o espaço aéreo ao longo do leste da Rússia no voo de volta, nos preparamos para a longa viagem de volta para casa.

    Todos estão cansados, principalmente quando nos aproximamos da marca de 24 horas de voo, mas a missão ainda não está concluída. Pousar qualquer aeronave é um desafio que se torna ainda mais difícil pela duração do voo.

    E o B-52 traz uma última surpresa para a tripulação. Na aproximação final, com a Base Aérea de Barksdale aparecendo em nosso nariz, o trem de pouso principal direito não se estende.

    “Vá em frente e faça a extensão de emergência”, ordena o capitão Tramaine “Omaha” Barnett, comandante da missão.

    Segundos depois, pousamos após 33 horas na pista 33, abrindo o paraquedas de arrasto do jato enquanto desaceleramos na pista.

    *Com informações de Jeremy Harlan, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original