Novos estudos analisam derretimento do manto de gelo na Antártica

Se todo o manto de gelo da Antártica derretesse, poderia elevar o nível do mar em cerca de 57 metros

Foto: Alessandro Dahan/Getty Images

Drew Kann, da CNN

Ouvir notícia

Quando se trata de prever o quanto o nível do mar aumentará com o aumento das temperaturas globais, é muito importante avaliar o destino da Antártica.

A massa gigantesca na porção sul da Terra é o lar do maior reservatório de gelo terrestre do mundo. Se todo o manto de gelo da Antártica derretesse, poderia elevar o nível do mar em cerca de 57 metros, mais do que nove vezes mais a quantidade que poderia ser liberada pela Groenlândia.

As outras geleiras e mantos de gelo do mundo contêm água mais do que suficiente para causar grandes problemas às cidades costeiras.

No entanto, os cientistas dizem que a camada de gelo da Antártica é o que fica entre as linhas costeiras hoje existentes e, se ela entrar em colapso, o mapa do mundo ficará irreconhecível. Cerca de 600 milhões de pessoas atualmente vivendo em áreas costeiras em todo o mundo.

Ainda assim, a questão de quanto a Antártica vai derreter se os humanos continuarem aquecendo o planeta (e com que rapidez) é uma grande fonte de incerteza quando se trata de prever o aumento do nível do mar e a ameaça que o planeta enfrenta. 

Dois novos estudos publicados na mesma revista científica na quarta-feira (5) concordam em vários pontos – entre eles que o derretimento global do gelo causado pelo aquecimento causado pelo homem é uma ameaça aos litorais em todo o mundo, e que o planejamento precisa começar agora para um futuro no qual os níveis do mar são mais altos do que eles são hoje.

Mas eles chegaram a conclusões diferentes sobre como o manto de gelo da Antártica poderia se comportar em um mundo em aquecimento.

Descobriu-se que não há nenhum sinal claro de que o degelo da Antártica iria necessariamente aumentar ou diminuir em diferentes cenários de aquecimento global.

O outro mostra que o derretimento da Antártica pode acelerar drasticamente se o planeta aquecer em 3 graus Celsius, como está a caminho de fazer no final deste século com base em nossa atual trajetória de emissões de gases de efeito estufa.

No entanto, há um consenso de que limitar o aquecimento global a 1,5 ou 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais é vital para reduzir o aumento do nível do mar ao qual o mundo terá de se adaptar.

Limite crucial

Um dos dois estudos publicados na revista científica “Nature” é uma avaliação de modelagem complexa e abrangente que projeta o derretimento futuro em todas as principais regiões de gelo terrestre do mundo, incluindo não só Antártica e Groenlândia mas também as geleiras do Himalaia, Alasca e outras. O estudo envolveu 84 pesquisadores baseados em 15 países e examinou o quanto cada uma dessas fontes poderia contribuir para o aumento do nível do mar em uma série de diferentes cenários de aquecimento global.

Para os cientistas, os níveis das águas devem continuar subindo neste século, mas o quanto depende da escala e do ritmo das ações humanas para limitar o aquecimento global.

Os pesquisadores descobriram que limitar o aquecimento a 1,5 grau Celsius poderia reduzir as contribuições esperadas do aumento do nível do mar do gelo terrestre global para pouco mais de 12 centímetros até 2100. É quase a metade do que o relatório diz que poderíamos esperar se o mundo permanecesse em sua trajetória de emissões atual.

“Isso significa que as inundações costeiras ainda aumentarão, mas menos severamente se conseguirmos limitar o aquecimento a 1,5 grau Celsius”, explicou Tamsin Edwards, cientista climática do King’s College London e autora principal do estudo.

Manto de gelo na Antártica
Foto: Sean Gallup/Getty Images

Para os autores, é improvável que essa redução potencial no derretimento se espalhe uniformemente pelas principais fontes de gelo terrestre. As perdas de gelo da Groenlândia, por exemplo, cairiam 70% se os humanos conseguissem manter o aquecimento em 1,5 grau Celsius, enquanto as perdas de gelo glacial em outros lugares cairiam menos significativamente, em cerca de 50%.

Os pesquisadores chegaram a uma conclusão diferente na Antártica. O estudo diz que o manto de gelo da Antártica mostra pouca variação na quantidade que contribuirá para o aumento do nível do mar, mesmo em cenários onde as temperaturas globais sobem acima de 1,5 grau Celsius.

O estudo descobriu que a desintegração nas bordas da camada de gelo e o derretimento em sua superfície provavelmente continuarão, mas algumas simulações mostram que essas perdas podem ser compensadas por ganhos no acúmulo de neve no continente.

“O caso da Antártica é muito complexo porque um mundo mais quente pode significar mais neve durante todo o ano, mas também mais derretimento na lateral da camada de gelo, no qual a plataforma de gelo que flutua sobre o mar pode se quebrar”, disse Sophie Nowicki, cientista e professora da Universidade de Buffalo e uma das principais autoras do estudo de modelagem de gelo terrestre.

“Há esses dois efeitos concorrentes de possível crescimento da neve e derretimento que resultam no afinamento da camada de gelo”.

Os autores afirmam que existe uma chance de que um cenário mais “pessimista” para a Antártica se concretize: o estudo descobriu que há 5% de chance de que o aumento do nível do mar devido ao derretimento do gelo terrestre ultrapasse 55 centímetros até 2100, mesmo se o aquecimento global for mantido em 1,5 grau Celsius, com a Antártica desempenhando um grande papel na condução desse aumento.

Um aumento do nível do mar dessa magnitude significaria um desastre para muitas das cidades costeiras do mundo. Os autores dizem que os legisladores encarregados de proteger a infraestrutura crítica devem considerar essa grande incerteza sobre como o gelo da Antártica se comportará em seus planos para o futuro.

“No caso de uma usina nuclear na costa ou de cidades como Londres ou Nova York, pode haver a preocupação e o orçamento para se proteger contra um nível mais alto de risco”, disse Edwards.

Uma visão alternativa

O outro estudo, também publicado na “Nature”, descobriu que o gelo da Antártica é provavelmente mais sensível a um aumento nas temperaturas, especialmente um aumento acima de 2 graus Celsius.

Em um cenário onde o aquecimento global é limitado a 2 graus Celsius ou menos, os autores projetam que o derretimento da Antártica poderia adicionar apenas 7,5 centímetros adicionais ao nível do mar em todo o mundo em 2100.

Mas se as temperaturas globais subirem mais 3 graus Celsius, a contribuição da Antártica pode quase dobrar para adicionar 14 centímetros ao nível do mar até 2100. O estudo descobriu que o derretimento da Antártica poderia representar uma ameaça ainda maior em um cenário de acréscimo de 3 graus Celsius, com 10% de chance de aumentar o nível do mar em quase 33 centímetros até o final do século.

Rob DeConto, cientista climático e glaciologista da Universidade de Massachusetts-Amherst e um dos principais autores deste estudo, explica que um ponto de inflexão para a camada de gelo da Antártica provavelmente existe em algum lugar entre 2 e 3 graus Celsius de aquecimento, mas exatamente onde é difícil para identificar.

“Não sabemos exatamente onde está esse ponto”, disse DeConto. “Eu gostaria de esperar que estejamos errados e que esteja bem acima de 3 graus (Celsius)”.

Os cientistas dizem que as diferentes projeções oferecidas pelos dois estudos são devidas em parte a um processo conhecido como instabilidade do penhasco de gelo marinho (MICI), o que sugere que enormes mantos de gelo na borda da Antártica podem desmoronar rapidamente no oceano quando enfraquecidos por temperaturas mais altas.

Os pesquisadores por trás do primeiro estudo de gelo terrestre não levaram em consideração o processo MICI em sua modelagem, enquanto o estudo de DeConto sim.

“Não está no outro estudo e consideramos que é o coringa de tudo isso”, analisou o autor. “E é a razão pela qual há um contraste entre as descobertas dos dois estudos”.

Manto de gelo na Antártica
Foto: NASA/OIB/Jeremy Harbeck

Um estudo de 2019 de autoria de alguns dos mesmos cientistas por trás do estudo do gelo terrestre também questionou se o MICI teria um grande papel na perda de gelo na Antártica no futuro.

Mas evidências recentes mostram que o aumento do nível do mar já está se acelerando e o aumento do degelo na Antártica é uma das principais razões.

As taxas de aumento do nível do mar mais do que dobraram de 0,15 centímetro por ano observada durante a maior parte do século 20 a 0,35 centímetro por ano de 2006-2015.

Além disso, em um relatório especial publicado em 2019, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU concluiu que a perda de gelo da Antártica triplicou entre 2007 e 2016 em comparação com os dez anos anteriores.

Desde 1880, os níveis globais do mar aumentaram em média cerca de 20 a 23 centímetros.

O derretimento do gelo terrestre é responsável por cerca de metade do aumento do nível do mar que o mundo experimentou desde 1993.

A outra metade se deve à “expansão térmica” nos oceanos do mundo, um processo em que a água aumenta de volume à medida que se aquece. Os oceanos do mundo ficaram muito mais quentes devido às emissões humanas de gases de efeito estufa – um estudo publicado no ano passado descobriu que os oceanos estão absorvendo cinco bombas do tamanho de Hiroshima em energia térmica a cada segundo.

Apesar da incerteza sobre o que acontecerá com a Antártica e das diferenças nas descobertas dos estudos, DeConto diz que a principal lição permanece a mesma: as comunidades costeiras precisam se preparar para um futuro em que os níveis do mar provavelmente serão mais altos do que hoje.

“Acho que uma mensagem comum entre nossos estudos é que precisamos ter medidas de adaptação flexíveis em vigor para lidar com uma ampla gama de resultados possíveis no nível do mar”, concluiu DeConto.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês).

Mais Recentes da CNN