Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    ‘O governo do Líbano não tem feito nada’, diz brasileira que teve casa destruída

    Para a bancária Carla Tarraf, "a união se fez novamente no Líbano”

    Da CNN

    A bancária Carla Tarraf se machucou e teve sua casa destruída durante a explosão em um porto de Beirute, no Líbano, na última terça-feira (4).

    Em entrevista à CNN na tarde desta quinta-feira (6), a brasileira disse que o governo do Líbano não tem feito nada pelos atingidos e afirmou que toda ajuda “está vindo de cidadãos”. Para ela, “a melhor parte” disso tudo “é a união que se fez novamente no Líbano”.

    “Tudo está vindo dos cidadãos. Todas pessoas que conheço e que têm uma cama extra em casa receberam alguém. Ninguém viu nenhuma ajuda do governo. Nem limpar [as ruas] eles limpam, quem dirá dar abrigo”, falou.

    Segundo ela, os próprios moradores estão limpando as calçadas, que foram tomadas por vidraças e escombros, “cada um com sua vassoura e pá”.

    Casa de brasileira em Beirute, no Líbano, ficou destruída
    Casa de brasileira em Beirute, no Líbano, ficou destruída
    Foto: CNN (06.ago.2020)

    No momento da explosão, Carla estava em um café e conversava por telefone com a mãe. “A gente voou das cadeiras e não deu para ver nada porque a fumaça tomou [conta de] tudo. Ficou tudo destruído muito rápido”, relatou.

    Ela disse ainda que não foi para o hospital, pois ficou em choque e perdeu a bolsa na hora da explosão.

    “As pessoas estavam indo ensanguentadas para o hospital mais perto da região”, falou. “Ontem fui ao médico, que disse que eu deveria ter ido antes porque precisava dar ponto [nos ferimentos]. Precisei tomar uma injeção antitetânica”.

    Assista e leia também:

    No Líbano, Macron promete ajuda e diz que dinheiro não irá para corruptos

    Explosão em Beirute: o que se sabe até agora

    Noiva filmada durante explosão no Líbano volta ao local do acidente

    A bancária hospedou-se na casa de um amigo que fica nas montanhas e retornou hoje para a capital libanesa. Ela disse que não pode voltar ao imóvel no qual vivia porque o exército bloqueou a entrada de moradores em casas com risco de desabamento.

    (Edição: Sinara Peixoto)