Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que é o “desinvestimento” reivindicado pelos estudantes nos EUA

    Entenda o que é e como funciona pedido de alunos durante protestos pró-Palestina nas universidades

    Protesto pró-Palestina na Universidade de Columbia, nos EUA
    Protesto pró-Palestina na Universidade de Columbia, nos EUA 25/04/2024REUTERS/Caitlin Ochs

    Nicole Goodkindda CNN* Nova York, EUA

    À medida que os protestos pró-Palestina continuam a tomar as principais universidades dos EUA, surge uma mensagem unificadora.

    Da Universidade de Princeton, em Nova Jersey, à Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles, o mesmo grito pode ser ouvido: “Divulgue! Desinvista! Não vamos parar, não vamos descansar!”

    As placas que marcam o perímetro do acampamento estudantil no gramado oeste da Universidade de Columbia exibem uma mensagem semelhante – do grupo Apartheid Divest da Universidade de Columbia – que diz: “Desinvestir todas as finanças, incluindo a doação, de corporações que lucram com o apartheid, o genocídio e a ocupação israelense na Palestina”. Israel nega acusações de genocídio.

    As especificidades das exigências de desinvestimento dos manifestantes estudantis variam em âmbito de escola para escola.

    A coligação em Columbia quer que a escola retire seus US$ 13,6 bilhões de qualquer empresa ligada a Israel ou de empresas que estejam lucrando com a guerra Israel-Hamas. Os líderes dos protestos mencionaram a venda de ações de grandes empresas em discursos.

    Outros estudantes, como os da Universidade Cornell e de Yale, pedem às suas escolas que parem de investir em fabricantes de armas.

    Outros pontos comuns incluem a exigência de que as universidades divulguem os seus investimentos, rompam os laços acadêmicos com as universidades israelenses e apoiem um cessar-fogo em Gaza.

    Até agora, a maioria das universidades se recusou a ceder em qualquer dessas questões, e alguns especialistas duvidam da eficácia de tal campanha. Mas os estudantes permanecem firmes em suas demandas.

    Então, o que exatamente eles estão exigindo?

    O que significa desinvestir: O conceito de desinvestimento parece bastante simples à primeira vista – um investidor ou instituição vende as suas ações de uma empresa para evitar cumplicidade em atividades que considera antiéticas ou prejudiciais.

    Essa atitude destina-se não só a realocar fundos para investimentos mais éticos, mas também fazer uma declaração pública que possa pressionar uma empresa ou governo a mudar políticas.

    Há um histórico de ativistas estudantis visando doações durante manifestações. Na década de 1980, os estudantes persuadiram com sucesso a Columbia a desinvestir no apartheid da África do Sul. Mais recentemente, a Columbia e outras universidades desinvestiram nos combustíveis fósseis e nas prisões privadas.

    Mas uma rápida olhada nos bastidores mostra que as coisas não são tão simples. Os críticos argumentam que, embora o desinvestimento possa ser uma expressão eficaz de desaprovação e um apelo à mudança, o seu impacto real no comportamento empresarial e nas tendências do mercado é mais tênue.

    Os preços das ações permanecem estáveis: a pesquisa descobriu que há muito pouca correlação entre as campanhas de desinvestimento e o valor das ações ou o comportamento das empresas, disse Witold Henisz, vice-reitor e diretor docente da iniciativa ambiental, social e de governança da Wharton School da Universidade da Pensilvânia, à CNN.

    Economistas do sistema da Universidade da Califórnia estudaram o impacto que os movimentos generalizados de desinvestimento tiveram na África do Sul na década de 1980 e descobriram que quase não houve efeito no preço das ações.

    Os pesquisadores postularam que isso era provável porque “o boicote realocou principalmente ações e operações de [investidores] ‘socialmente responsáveis’ para investidores e países mais indiferentes”.

    Polícia prende manifestantes pró-Palestina na Universidade de Columbia, em Nova York
    Oficiais do Departamento de Polícia de Nova York detêm dezenas de estudantes pró-palestinos na Universidade de Columbia depois que eles se barricaram no prédio Hamilton Hall, perto do Acampamento de Solidariedade de Gaza, no início de Nova York, Estados Unidos, em 30 de abril de 2024 /Selcuk Acar/Anadolu via Getty Imagens

    Quando você vende ações, disse Henisz, você basicamente dá voz a alguém que se importa menos com a questão e abre mão da sua própria voz. O desinvestimento pode ser bom, disse ele, “mas pode ter resultados perversos”. É realmente raro que haja vendedores e compradores suficientes para realmente alterar o custo de capital, acrescentou.

    Os defensores do desinvestimento argumentam que o seu valor reside na sensibilização e na estigmatização de parcerias com regimes ou indústrias visadas.

    Desemaranhar interesses: Os investimentos universitários são muito mais complicados agora do que eram na década de 1980. Muitas doações são geridas por gestores de ativos e investidas em fundos opacos de capital privado.

    “A economia é tão global agora que mesmo que uma universidade decidisse que iria instruir os seus grupos de gestão dominantes a desinvestir em Israel, seria quase impossível desemaranhar”, disse Nicholas Dirks, ex-reitor da Universidade da Califórnia, Berkeley.

    No que diz respeito aos apelos para desinvestir em qualquer empresa com ligações a Israel, “não está claro para mim se é realmente possível desinvestir totalmente em empresas que tocam de alguma forma um país com laços políticos e comerciais tão estreitos com os EUA”, disse Dirks.

    Manifestantes invadem Hamilton Hall, na Universidade de Columbia / REUTERS

    Como isso poderá acabar: Ainda assim, estudantes universitários em todos os Estados Unidos dizem que não acabarão com os seus protestos até que os administradores universitários cumpram as suas exigências.

    As negociações entre a administração de Columbia e os manifestantes estudantis têm progredido, mas continuam controversas.

    Mas é pouco provável que a maioria das escolas concorde em desinvestir ou em fazer quaisquer declarações politicamente carregadas, disse Dirks, que é também ex-vice-presidente da Faculdade de Artes e Ciências de Columbia. “Existem objetivos comuns que as pessoas têm, que são garantir que os alunos possam ser estudantes e que as faculdades possam exercer algumas funções de governança”, disse ele.

    As conversas sobre a reintegração de alunos suspensos e a expulsão das suas matrículas provavelmente serão pontos de negociação, disse ele. “Eles vão tentar encontrar uma maneira de chegar ao final do ano e fazer com que os alunos terminem as aulas e se formem”.

    *Com informações de Matt Egan e Ramishah Maruf.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original