Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja o que se sabe sobre o depoimento do príncipe Harry, marcado para esta terça (6)

    Duque de Sussex se prepara para enfrentar perguntas em um tribunal de Londres como parte de seu caso contra o Mirror Groups Newspapers (MGN), responsável pela publicação do Daily Mirror

    Príncipe Harry, duque de Sussex, fotografado em março de 2023.
    Príncipe Harry, duque de Sussex, fotografado em março de 2023. Henry Nicholls/Reuters

    Rob Pichetada CNN

    O príncipe Harry irá ao banco das testemunhas nesta terça-feira (6), quando sua batalha de anos contra os tabloides britânicos atinge seu estágio mais dramático até o momento.

    A realeza está se preparando para enfrentar perguntas em um tribunal de Londres como parte de seu caso contra um grupo editorial

    Mas o juiz do caso disse que estava “um pouco surpreso” com o fato de Harry não ter comparecido ao tribunal na segunda-feira (5) para a última audiência no caso do Duque de Sussex contra o Mirror Group Newspapers (MGN).

    Harry chegou ao Reino Unido na noite de domingo (4) após pegar um voo de Los Angeles, disse o advogado do príncipe, David Sherborne, no tribunal na segunda-feira (5). De acordo com Sherborne, Harry compareceu ao aniversário de sua filha no domingo.

    A aparição de um membro da realeza britânica em um banco de testemunhas será um evento excepcionalmente raro. Mas Harry há muito tempo protesta contra as táticas da mídia tabloide na cobertura de sua vida, e agora ele terá a oportunidade de apresentar seus argumentos, sob juramento, durante o interrogatório dos advogados da MGN.

    É provável que seja uma aparência tensa e definitiva para o duque, enquanto ele segue seu próprio caminho, afastando-se do resto da família real.

    Do que se trata o caso?

    O duque de Sussex e três outros requerentes que representam dezenas de celebridades estão processando a MGN, acusando seus títulos de obter informações privadas por meio de hacking telefônico e outros meios ilícitos, incluindo investigadores particulares, entre 1991 e 2011.

    O julgamento começou em 10 de maio e deve durar sete semanas.

    A MGN está contestando a maioria das alegações, argumentando em seus processos judiciais que algumas reclamações foram feitas tarde demais e que em todos os quatro casos não há evidências suficientes de hacking de telefone.

    Em documentos judiciais publicados no mês passado, o editor se desculpou por um caso de coleta ilegal de informações há quase 20 anos.

    Esse incidente envolveu um investigador particular, que recebeu US$ 95 (cerca de R$ 467) em 2004 pelo Sunday People, um tabloide pertencente ao mesmo grupo, para coletar informações sobre o duque de Sussex enquanto estava em uma boate de Londres.

    O advogado de Harry, David Sherborne, disse que sua reclamação contra a MGN, que cobre incidentes de 1995 a 2011, é “significativa não apenas em termos de período de tempo, mas na gama de atividades que cobre”.

    Harry estava sujeito aos “métodos mais intrusivos de obtenção de informações pessoais”, disse Sherborne, argumentando que “ninguém deveria ser submetido a isso”. Os “métodos ilegais” eram “habituais e generalizados” entre os jornalistas, acrescentou Sherborne.

    O que aconteceu na segunda-feira?

    Uma enorme multidão de mídia se reuniu do lado de fora do Supremo Tribunal na manhã de segunda-feira, esperando por um vislumbre do duque – quem mais tarde foi revelado que não estará presente até terça-feira.

    Dentro do tribunal, Sherborne expôs partes do caso de Harry, apresentando alguns dos artigos que serão considerados no julgamento.

    O advogado disse que as atividades ilegais para coletar informações “agiram como uma teia” em torno de Harry e ocorreram “fora do radar” nos jornais MGN, de acordo com a agência de notícias PA Media.

    O primeiro artigo, de setembro de 1996, tinha como título “Diana tão triste no grande dia de Harry”, e detalhava uma visita da princesa Diana para ver Harry em seu aniversário de 12 anos, de acordo com a PA Media.

    A MGN nega que tenha sido resultado de atividade ilegal e argumenta que a informação já era de domínio público, informou a PA.

    Outra história discutida tocou no relacionamento entre Harry e o príncipe William em 2003.

    O que Harry vai dizer?

    Príncipe Harry em Londres; ele é uma das 100 celebridades que processaram os tablóides britânicos / 28/03/2023 REUTERS/Hannah McKay

    Quando Harry entrar no banco das testemunhas na terça-feira, ele pode esperar um exame difícil dos advogados da editora.

    O príncipe alega que cerca de 140 artigos publicados em títulos pertencentes ao grupo continham informações coletadas por métodos ilegais, e 33 desses artigos foram selecionados para serem considerados no julgamento, segundo a PA Media.

    É provável que os detalhes dessas histórias sejam analisados ​​longamente.

    E embora esta seja a primeira aparição de Harry em um processo judicial contra a mídia britânica, pode não ser a última.

    O caso contra a MGN é um dos vários processos movidos por Harry e sua esposa, Meghan, em sua longa batalha com os tabloides britânicos, que eles acusaram de violação de privacidade e publicação de histórias falsas.

    A dupla entrou com pelo menos sete ações judiciais contra organizações de mídia britânicas e americanas desde 2019, incluindo o News Group Newspapers (NGN), de Rupert Murdoch, segundo a Reuters.

    A NGN publica o The Sun e costumava produzir o News of the World, que foi encerrado em 2011 por causa de um escândalo de invasão de telefones.

    Em março, Harry compareceu a uma audiência judicial em seu caso contra a Associated Newspapers Limited (ANL) por alegações de coleta ilegal de informações, que o grupo negou.

    Como isso afetará a realeza?

    A aparição de Harry no tribunal é extremamente rara. Acredita-se que esta seja a primeira vez que um membro da realeza britânica aparecerá pessoalmente desde 2002, quando a princesa Anne se declarou culpada depois que seu cachorro mordeu duas crianças em um parque de Windsor, de acordo com a PA Media.

    Já se passaram mais de 130 anos desde que um membro sênior da família real prestou depoimento no tribunal, quando Eduardo VII foi testemunha em um julgamento por calúnia sobre um jogo de cartas em 1891, antes de se tornar rei, informou a Reuters.

    Ainda não está claro se o testemunho de Harry abordará outros membros da realeza ou seu relacionamento com membros da família. Mas seu irmão e herdeiro do trono, o príncipe William, recentemente entrou em conflito em outro dos casos de Harry.

    Documentos publicados em abril como parte do processo de Harry contra a NGN alegam que a editora chegou a um acordo não revelado com o príncipe William sobre alegações históricas de hackers telefônicos.

    Não está claro como o príncipe Harry está ciente do acordo de seu irmão, mas em sua resposta ao tribunal ele escreve que suas informações são baseadas em um documento editado através do qual ele infere que o príncipe William assinou o acordo.

    Funcionários do Palácio de Kensington, que representa o príncipe William, disseram à CNN que não comentam processos judiciais. O Palácio de Buckingham reiterou a mesma posição. O príncipe Harry afirma que sua falecida avó, a rainha Elizabeth II, estava ciente das negociações do acordo.

    Ainda não se sabe se o caso desta semana trará perguntas para outros membros da família real. Mas isso marca um divisor de águas nos esforços de Harry contra grandes jogadores da mídia britânica, e sua aparência provavelmente dominará as manchetes nos próximos dias.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original