Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Oito pessoas são mortas em ataque armado no sul da Colômbia

    Ação ocorreu na noite de sábado no departamento (estado) de Nariño, que faz fronteira com o Equador; Exército e Polícia Nacional foram enviados à região

    Presidente da Colômbia afirmou que Exército foi enviado para Nariño após morte de 8 jovens na área rural do estado
    Presidente da Colômbia afirmou que Exército foi enviado para Nariño após morte de 8 jovens na área rural do estado Foto: Reuters

    Fabricio Julião*, da CNN, em São Paulo

    O governador do departamento (estado) colombiano de Nariño, Jhon Rojas, informou neste domingo (16) que ao menos 8 jovens foram assassinados por um grupo armado na zona rural do município de Samaniego.

    O ataque, na noite de sábado (15), foi cometido por agressores que usavam balaclavas para cobrir seus rostos e carregavam armas de longo alcance, afirmou uma fonte policial. O departamento de Nariño fica no sul da Colômbia e faz fronteira com o Equador.

    Por meio das redes sociais, o presidente da Colômbia, Iván Duque, anunciou o envio do Exército e da Polícia Nacional do país para a região.

    Assista e leia também:
    Colômbia prende oito rebeldes do ELN acusados de bombardear academia de polícia
    Álvaro Uribe: Ex-presidente da Colômbia diz que Corte determinou sua prisão
    Exército colombiano demite 31 membros por suspeita de abusos sexuais de menores

    “Condenamos o massacre de oito pessoas em Samaniego, Nariño. Desde esta manhã o Exército Nacional e a Polícia da Colômbia estão no local, e eu ordenei aos generais Eduardo Zapateiro e Jorge Vargas que fossem até a área. Vamos ao fundo encontrar os perpetradores deste crime”, disse Duque. 

    José Miguel Vivanco, diretor de Américas da ONG Human Rights Watch, alertou para a situação das comunidades na região.

    “Minha condenação ao massacre de 8 pessoas em Samaniego, Nariño. A área é disputada pelo AGC [Autodefensas Gaitanistas de Colombia. um grupo paramilitar] e pelos dissidentes ‘Jaime Martínez’ e ‘Carlos Patiño’, disse. 

    “A situação de segurança das comunidades piorou notoriamente. É urgente aumentar a proteção e garantir a justiça”, completou. 

    (*sob supervisão de Carlos Amaral; com informações da Reuters e da CNN)

    Tópicos

    Tópicos