Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Onda de protestos no Peru impede brasileiras moradoras de SP de sairem do país

    Jovens estão em Andahuaylas, interior do país, com aeroportos e rodovias suspensos

    Gabriele Kogada CNN

    As brasileiras Alice Ribeiro e Daniela de Oliveira, moradoras de São Paulo, estavam fazendo uma viagem turística pelo Peru desde o início do mês, mas não conseguem deixar o país por conta das manifestações contra a presidente Dina Boularte. Elas caminharam mais de 20 km para chegar em Andahuaylas, interior do Peru.

    Segundo relato das turistas à CNN, as vias estão bloqueadas por barricadas e o comércio se mantém fechado, abrindo de maneira clandestina quando manifestantes contrários ao governo se distanciam do local. Em sua maioria, os protestos acontecem em cidades turísticas como Lima, Cusco, Puno e Arequipa.

    As jovens pediram resgate aéreo para a Embaixada no Brasil.

    “Chegamos aqui no dia dez de janeiro, por volta das 16h, depois de caminhar desde o dia nove. Um deslocamento de mais de um dia, caminhando com mochilas pesadas, escassez de água e comida. Entrei em contato com a Embaixada no mesmo dia por telefone e por e-mail e não obtive nenhuma resposta satisfatória. A gente pergunta qual é o plano, se eles têm notícias ou se as barricadas estão sendo retiradas das estradas. Eles não dão qualquer resposta”, relata Alice.

    Barricadas em estradas do Peru fotografadas por brasileiras / Arquivo pessoal

    Alice e Daniela desembarcaram em Lima no dia 4 de janeiro e realizavam um mochilão no país. A rota, com destino a Machu Picchu, em Cusco, foi alterada.

    “Fomos surpreendidas pela situação política do país, que tem impossibilitado a nossa viagem de forma extremamente devastadora. Não conseguimos fazer o básico: nos locomover. Tive uma notícia da assistência  turística do Peru de existe o risco de escassez de alimentos aqui. É uma situação muito preocupante”, contou Alice.

    Os atos são contrários ao governo Boularte, que tomou posse após a prisão do ex-presidente Pedro Castillo, destituído pelo Congresso com a tentativa de aplicar um golpe de estado.

    Os protestos pedem a renúncia da presidente, a elaboração de uma nova Constituição e a libertação de Castillo, além de novas eleições. Segundo registros de autoridades peruanas, os confrontos entre forças de segurança e manifestantes já deixaram 48 mortos e mais de 600 feridos.

    O Itamaraty foi procurado e não respondeu a solicitação da CNN até o momento.