Países da Europa enviam reforços para a Ucrânia em meio à invasão da Rússia

Holanda, Reino Unido, Portugal, República Tcheca e Alemanha já anunciaram envio de suprimentos

Da CNNDa Reuters

Ouvir notícia

A Alemanha, Reino Unido, Portugal, Holanda e República Tcheca anunciaram na sexta-feira (25) e neste sábado (26) o envio de mais suprimentos para ajudar a Ucrânia em meio ao combate contra a Rússia, iniciado na madrugada de quinta-feira (24).

A República Tcheca se comprometeu no sábado a realizar um “envio de armas para a Ucrânia” no valor de mais de US$ 8,5 milhões para um “local de escolha dos ucranianos”.

“O governo aprovou um carregamento de armas para a Ucrânia. Estamos enviando metralhadoras, rifles de precisão e pistolas e suas munições correspondentes avaliadas em 188 milhões de coroas tchecas”, afirmou o primeiro-ministro tcheco Petr Fiala. “Estamos fazendo tudo o que podemos para ajudar a Ucrânia”, acrescentou.

Já a Holanda disse que forneceria mais poder de fogo à Ucrânia. “A Holanda fornecerá à Ucrânia 200 mísseis antiaéreos Stinger. Outros materiais de defesa já estão a caminho”, tuitou o conselheiro de defesa e relações exteriores do primeiro-ministro, Geoffrey van Leeuwen.

O governo holandês também fornecerá 50 armas antitanque Panzerfaust-3 e 400 foguetes, disse o ministério em uma carta ao parlamento.

O país também está considerando em conjunto com a Alemanha enviar um sistema de defesa aérea Patriot para um grupo de batalha da Otan na Eslováquia.

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, disse na sexta-feira (25) que o país vai enviar reforços para se juntar aos soldados ucranianos no terreno para ajudar a proteger as suas fronteiras, pois esta “é uma guerra contra a liberdade de autodeterminação de um país democrático e, portanto, também é uma guerra”. contra a liberdade de autodeterminação e contra a democracia”.

Falando em uma conferência de imprensa televisionada, o primeiro-ministro português disse ainda que “houve uma unanimidade de todos os Estados, tendo em conta a necessidade de reforçar a presença da Otan nas fronteiras da Ucrânia e em todos os países da aliança que estão próximos na região da Ucrânia.”

“Portugal, neste sentido, para além das forças que este ano atribuiu ao comando europeu da Otan, decidiu antecipar, do segundo semestre para o primeiro, a mobilização e empenho de uma companhia de infantaria que atuará na Roménia. E isso será projetado nas próximas semanas”, disse Costa.

“Vários outros países no momento estão antecipando, reforçando ou decidindo reforçar sua participação nesses países [fronteiriços com a Ucrânia] para ter uma manifestação clara de unidade e dissuasão em relação às ações da Rússia”, acrescentou Costa.

Quando perguntado sobre um número específico que seria enviado para apoiar a Ucrânia, Costa disse que a companhia de infantaria incluiria 175 soldados.

A Alemanha entregará armas à Ucrânia em uma grande mudança de política depois de resistir aos pedidos anteriores de Kiev por armamento defensivo.

Em seu acordo de coalizão, o governo alemão concordou com uma política restritiva de exportação de armas que não permite nenhuma entrega de armas para regiões em crise. A entrega de tais armas também tem conotações históricas pós-Segunda Guerra Mundial.

“O ataque russo marca uma mudança nos tempos. É nosso dever apoiar a Ucrânia tanto quanto pudermos nos defender contra o exército de invasão de Putin. Portanto, entregaremos 1.000 armas antitanque e 500 mísseis Stinger para nossos amigos na Ucrânia”, disse o chanceler alemão Olaf Scholz no sábado, após uma reunião com o primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki e o presidente da Lituânia Gitanas Nauseda.

Navios da Marinha Real, tropas do Exército Britânico e caças da Força Aérea Real foram mobilizados na Europa Oriental para reforçar a frente oriental da Otan, de acordo com um comunicado do Ministério da Defesa do Reino Unido no sábado.

“O HMS Trent está no leste do Mediterrâneo, realizando exercícios da OTAN com a Merlin Helicopters e a RAF P8 Poseidon Maritime Patrol Aircraft”, disse o comunicado. O HMS Diamond, um destróier, se juntará a partir de Portsmouth.

Tanques e veículos blindados “chegaram à Estônia vindos da Alemanha, com mais equipamentos e cerca de 1.000 soldados chegando nos próximos dias”, acrescentou o ministério.

O comunicado acrescentou que os caças Typhoon “voando de bases em Chipre e no Reino Unido estão agora patrulhando o espaço aéreo da Otan sobre a Romênia e a Polônia ao lado de aliados da Otan com aeronaves de reabastecimento ar-ar Voyager em apoio”.

O secretário de Defesa, Ben Wallace, disse que “nossas forças armadas estão mais uma vez sendo chamadas a serviço de nossa nação e eu saúdo a bravura e o senso de dever compartilhados por todo o nosso pessoal que foi destacado para apoiar a Otan”.

“Juntamente com nossos aliados da Otan, esses desdobramentos constituem um impedimento credível para impedir a agressão russa que ameaça a soberania territorial dos estados membros”, acrescentou Wallace.

Biden diz que invasão está aproximando Europa e Otan

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse em uma entrevista gravada que foi ao ar no sábado que um de seus principais objetivos estratégicos à medida que a Rússia invade a Ucrânia é manter a Otan e a União Europeia unidas.

“Meu objetivo desde o início é garantir que eu mantivesse toda a Otan e a União Europeia na mesma página. Porque a única coisa que eu acho que Putin pensou que poderia fazer era dividir a Otan, criando uma grande abertura. E isso não aconteceu”, disse Biden ao podcaster e comentarista Brian Tyler Cohen.

Biden também previu que a Rússia pagaria um alto preço tanto no longo quanto no curto prazo por sua invasão da Ucrânia, acrescentando que o conflito está aproximando a Europa e a Otan.

“Ele está produzindo exatamente o efeito oposto ao que pretendia”, afirmou Biden sobre o presidente russo Vladimir Putin. Quando perguntado sobre sanções, Biden argumentou que acredita que é uma das únicas maneiras de penalizar a Rússia sem arriscar uma guerra em escala global.

“Você tem duas opções. Iniciar uma terceira guerra mundial, entrar em guerra com a Rússia, fisicamente. Ou duas, garantir que um país que age tão contrário à lei internacional pague um preço por ter feito isso”, disse Biden.

Ele também apontou para o armamento de defesa e a assistência econômica que os Estados Unidos estão fornecendo à Ucrânia, enquanto o país continua a se defender do avanço russo.

Chefe da ONU fala com presidente da Ucrânia e diz que ONU vai aumentar ajuda

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, conversou com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, no sábado, dizendo que o organismo mundial planeja "melhorar a assistência humanitária ao povo da Ucrânia", segundo um porta-voz da ONU.

"Ele informou ao presidente que as Nações Unidas lançariam na terça-feira (1º) um apelo para financiar nossas operações humanitárias na Ucrânia", disse o porta-voz da ONU em comunicado.

O chefe de ajuda da ONU, Martin Griffiths, disse na sexta-feira que mais de US$ 1 bilhão serão necessários para operações de ajuda na Ucrânia nos próximos três meses, já que centenas de milhares de pessoas estão em movimento depois que a Rússia invadiu seu vizinho.

Entenda o conflito

Após meses de escalada militar e intemperança na fronteira com a Ucrânia, a Rússia atacou o país do Leste Europeu. No amanhecer desta quinta-feira (24), as forças russas começaram a bombardear diversas regiões do país – acompanhe a repercussão ao vivo na CNN.

Horas mais cedo, o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou uma “operação militar especial” na região de Donbas (ao Leste da Ucrânia, onde estão as regiões separatistas de Luhansk e Donetsk, as quais ele reconheceu independência).

O que se viu nas horas a seguir, porém, foi um ataque a quase todo o território ucraniano, com explosões em várias cidades, incluindo a capital Kiev.

De acordo com autoridades ucranianas, dezenas de mortes foram confirmadas nos exércitos dos dois países.

Em seu pronunciamento antes do ataque, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou ainda que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.

Esse ataque ao ex-vizinho soviético ameaça desestabilizar a Europa e envolver os Estados Unidos.

Mais Recentes da CNN