Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Palestinos comem grama e bebem água poluída enquanto fome se espalha em Gaza

    Civis fazem longas filas para conseguir suprimentos que chegam pela passagem de Rafah

    Sana Noor HaqRosa Rahimida CNN

    “Eles estão fracos, têm sempre diarreia, rosto amarelo”, disse Hanadi Gamal Saed El Jamara, de 38 anos, cuja família foi deslocada do norte de Gaza, à CNN em 9 de janeiro. “A minha filha de 17 anos me diz que sente tonturas, meu marido não está comendo”.

    Ela tenta alimentar os seus filhos pelo menos uma vez por dia, enquanto cuida do marido, que é paciente de câncer e diabetes.

    À medida que Gaza se aproxima de uma situação de fome generalizada, os civis deslocados e os profissionais de saúde disseram à CNN que passam fome para que os seus filhos possam comer o pouco que há disponível. Se os palestinos encontram água, é provável que não seja potável.

    Quando os caminhões de ajuda humanitária chegam à Faixa de Gaza, as pessoas aglomeram-se por ajuda. Crianças que vivem nas ruas, depois de terem sido forçadas a abandonar as suas casas por contas dos bombardeios de Israel, choram e lutam por pão estragado. Outros relatam que caminham durante horas no frio à procura de comida, arriscando-se a ficar expostos aos ataques israelenses.

    Mesmo antes da guerra, duas em cada três pessoas em Gaza dependiam de apoio alimentar, disse à CNN Arif Husain, economista-chefe do Programa Alimentar Mundial (PAM). Os palestinos tem vivido por 17 anos em meio a um bloqueio parcial imposto por Israel e pelo Egito.

    O bombardeio e o cerco de Israel desde 7 de outubro diminuíram drasticamente o abastecimento vital em Gaza, deixando toda a população de cerca de 2,2 milhões exposta a elevados níveis de insegurança alimentar aguda ou pior, de acordo com a Classificação Integrada da Fase de Segurança Alimentar e Nutricional (IPC), que avalia insegurança alimentar global e desnutrição.

    Martin Griffiths, chefe de ajuda de emergência da ONU, disse à CNN que a “grande maioria” dos 400 mil habitantes de Gaza caracterizados pelas agências da ONU como em risco de morrer de fome “estão na verdade em situação de fome”. Especialistas em direitos humanos da ONU alertaram que “Israel está destruindo o sistema alimentar de Gaza e usando os alimentos como arma contra o povo palestino”.

    Ao longo de mais de 100 dias, os palestinos em Gaza assistiram a deslocamentos em massa, bairros transformados em cinzas e escombros, famílias inteiras destruídas pela guerra, um aumento de doenças mortais e o sistema médico destruído pelos bombardeios. Agora, a fome e a desidratação são as principais ameaças à sua sobrevivência.

    “Estamos morrendo lentamente”, refletiu El Jamara, a mãe de Rafah. “Acho melhor ainda morrer por causa das bombas, pelo menos seremos mártires. Mas agora estamos morrendo de fome e sede.”

    Os ataques de Israel a Gaza desde os ataques do Hamas em 7 de outubro mataram pelo menos 26.637 pessoas e feriram outras 65.387, segundo o Ministério da Saúde administrado pelo Hamas. Os militares israelenses lançaram a sua campanha depois de o grupo ter matado mais de 1.200 pessoas em ataques sem precedentes contra Israel.

    Mohammed Hamouda, um fisioterapeuta deslocado para Rafah, lembra-se do dia em que o seu colega, Odeh Al-Haw, foi morto ao tentar conseguir água para a sua família.

    Al-Haw estava na fila numa estação de água no campo de refugiados de Jabalya, no norte de Gaza, quando ele e dezenas de outros foram atingidos pelo bombardeio israelense, disse Hamouda.

    “Infelizmente, muitos familiares e amigos ainda estão no norte da Faixa de Gaza, sofrendo muito”, disse Hamouda, pai de três filhos, à CNN. “Eles comem grama e bebem água poluída.”

    O bloqueio de Israel e as restrições à entrega de ajuda significam que os estoques estão desesperadamente baixos, aumentando os preços e tornando os alimentos inacessíveis às pessoas em Gaza. A escassez é ainda pior nas partes norte da faixa, segundo a ONU, onde Israel concentrou a sua ofensiva militar nos primeiros dias da guerra.

    Os apagões na comunicação sufocam os esforços para informar sobre a fome e a desidratação na região. “As pessoas massacraram um burro para comer a sua carne”, disse-lhe Hamouda, amigos em Jabalya, no início deste mês, à medida que a escassez piorava.

    No que poderia ser um sério golpe para os esforços humanitários, vários países ocidentais suspenderam o financiamento à principal agência da ONU em Gaza, a Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras para os Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA), nos últimos dias, devido a alegações explosivas de Israel de que vários dos seus funcionários participaram nos ataques de 7 de outubro.

    A ONU demitiu vários funcionários após as acusações. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Jordânia instou os países que suspenderam o financiamento a reconsiderarem, dizendo que a UNRWA era uma “tábua de salvação” para mais de 2 milhões de palestinos em Gaza e que a agência não deveria ser “punida coletivamente” por alegações contra uma dúzia dos seus 13 mil funcionários.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original