Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Papa Francisco diz que tensão e debate são inevitáveis

    Em viagem a Verona, o pontífice de 87 anos disse que “falha das ditaduras é não admitir pluralidade”

    Papa Francisco durante encontro pela paz em Verona, na Itália
    Papa Francisco durante encontro pela paz em Verona, na Itália Reuters

    Crispian Balmerda Reuters

    em Verona

    Brigas e tensões são inevitáveis na sociedade moderna e não devem ser varridos para debaixo do tapete, disse o Papa Francisco neste sábado (18), alertando que tentar impor uma visão uniforme promove frustração e violência.

    Dirigindo-se a uma reunião sobre paz em um anfiteatro romano no norte da cidade italiana de Verona, o Papa disse que as pessoas precisavam aprender a lidar com o conflito antes que ele saísse do controle, mas também reconhecer que ter opiniões diferentes era saudável.

    “Uma sociedade sem conflitos é uma sociedade morta. Uma sociedade que esconde conflitos é uma sociedade suicida. Uma sociedade que toma os conflitos pela mão é uma sociedade do futuro”, disse o Papa a cerca de 12.500 pessoas reunidas na antiga arena.

    “A falha das ditaduras é não admitir pluralidade”, acrescentou.

    Foi a segunda viagem do Papa ao norte da Itália em três semanas, após sua visita a Veneza no mês passado, testando sua resistência após doenças no ano passado que às vezes o forçaram a reduzir suas aparições públicas.

     

     

    Como é normal, o pontífice de 87 anos se locomoveu em cadeira de rodas e apareceu em boa forma quando encontrou sacerdotes e crianças na cidade, antes de participar da conferência de paz ao ar livre e depois almoçar em uma prisão local com prisioneiros.

    Francisco disse que o mundo foi atacado por guerras, mas acrescentou que as pessoas comuns tinham que tentar construir pontes e evitar serem arrastadas para o conflito armado a pedido de seus líderes.

    “As ideologias não têm pés para andar, nem mãos para curar feridas, nem olhos para ver os sofrimentos dos outros. A paz é feita com os pés, mãos e olhos das pessoas envolvidas”, disse ele.

    Sublinhando as esperanças do Papa para a reconciliação pessoal, um homem israelense, cujos pais morreram no ataque de 7 de outubro por militantes do Hamas, abraçou no palco de Verona um ativista palestino pela paz cujo irmão havia morrido em uma prisão israelense.

    “Eu não acho que haja palavras para acrescentar a isso”, disse o Papa, levando os aplausos por seu gesto.

    O Papa faz apelos quase semanalmente para o fim dos combates em vários conflitos, especialmente na Ucrânia e em Gaza, colocando o impulso pela paz no centro de seu Papado de 11 anos.

    “Não parem. Não desanimem. Não se tornem espectadores das chamadas guerras ‘inevitáveis'”, disse ele ao público.