Papa pede que iraquianos deixem para trás a violência e dêem uma chance à paz

Em seu discurso no palácio, Francisco criticou interesses estrangeiros e de facções que desestabilizaram o Iraque e atingiram cidadãos comuns

Papa Francisco discursa no palácio presidencial do Iraque
Papa Francisco discursa no palácio presidencial do Iraque Foto: REUTERS

Tarek Fahmy, Charlotte Bruneau e Nadeen Ebrahim,

da Reuters

Ouvir notícia

O Papa Francisco, durante a primeira viagem de um Pontífice para o Iraque, fez um apelo emocionado nesta sexta-feira (5) pelo o fim dos ataques violentos, do fratricídio e dos conflitos religiosos que se tornaram “uma praga” no país por décadas, afirmando que conciliadores pacíficos devem ser ouvidos. 

“Que o conflito entre armas seja silenciado…que haja um fim para atos de violência e extremismo”, disse em discurso no palácio presidencial, na presença do presidente iraquiano Barham Salih, políticos e diplomatas.

Francisco aterrissou no aeroporto de Bagdá sob um forte esquema de segurança, após dizer a jornalistas dentro do avião que sente que é seu dever fazer a viagem “emblemática”, pois o país tem “sido martirizado por muitos anos”.

Em seu discurso no palácio, Francisco criticou interesses estrangeiros e de facções que desestabilizaram o Iraque e região, e atingiram cidadãos comuns de forma mais cruel.

“O Iraque sofreu os efeitos desastrosos de guerras, os flagelos do terrorismo e dos conflitos sectários, geralmente baseados em um fundamentalismo incapaz de aceitar a coexistência pacífica de diferentes grupos étnicos e religiosos”, disse o Papa.

A segurança do Iraque foi incrementada após a derrota do grupo terrorista Estado Islâmico, em 2017, mas o país continua sendo um palco para acertos de contas globais e regionais, especialmente da rivalidade entre Estados Unidos e Irã, que se desenrola em solo iraquiano.

A invasão norte-americana em 2003, após anos de sanções internacionais e uma guerra devastadora com o Irã instigada pelo ex-líder Saddam Hussein na década de 1980, levaram o Iraque a conflitos sectários e a uma má gestão crônica, que gera dificuldades desde então.

Mais Recentes da CNN