Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Paramédicos ucranianos trabalham em meio a ataques russos

    Em Kharkiv, cidade submetida a contantes bombardeios da Rússia, CNN acompanha a rotina de profissionais de emergência

    Brent SwailsClarissa WardScott McWhinnieda CNN

    Pouco antes do início do turno de Alexandra Rudkovskaya, sua mãe lhe deu um grande e longo abraço. O tipo que as mães dão a seus filhos quando não sabem quando – ou mesmo se – elas os verão novamente.

    Rudkovskaya, 24, trabalha como paramédica em Kharkiv – uma escolha que ela diz que deixa sua mãe “preocupada ao ponto da histeria”.

    “Ela diz que preciso sair desta cidade e ir para algum lugar seguro. ‘Por que você precisa fazer isso? Eu tenho apenas uma filha, pare de fazer isso’, diz ela”, conta Rudkovskaya à CNN.

    Apenas algumas horas após o abraço de despedida, os pesadelos de sua mãe se tornaram realidade quando Rudkovskaya e seu parceiro Vladimir Ventsel colocaram suas vidas em risco para alcançar um paciente ferido. A CNN estava lá para testemunhar sua bravura.

    Kharkiv, que fica perto da fronteira russa no nordeste da Ucrânia, foi uma das primeiras cidades a ser atacada quando a Rússia invadiu há dois meses. A cidade tem sido submetido a bombardeios quase constantes desde então.

    Como socorristas na cidade, Rudkovskaya e Ventsel encontram-se correndo em direção ao perigo – mesmo quando todos estão fugindo – diariamente.

    Eles sabem que precisam trabalhar rápido. As forças russas estão cada vez mais aterrorizando a cidade com os chamados “ataques duplos”: acertar um alvo, esperar alguns minutos pela chegada dos socorristas e, em seguida, atingir o mesmo local novamente.

    Quando ouvem os barulhos intensos de um bombardeio no início de seu turno, Rudkovskaya e Ventsel estão de prontidão para uma chamada de emergência. Momentos depois, eles recebem um. Pelo menos uma pessoa ficou ferida no bombardeio.

    Rudkovskaya, Ventsel e seu motorista entram na ambulância e partem. Cada um tem um colete à prova de balas, mas só têm um capacete para os três.

    Poucos momentos depois de chegarem ao local do primeiro ataque, todo o lugar começa a tremer novamente. O prédio ao lado foi atingido. Os estrondos altos de várias explosões são seguidos pelo som de vidro quebrado.

    Rudkovskaya e Ventsel sabem o que fazer. Eles correm pelo corredor de entrada escuro e se escondem no fundo da escada, esperando o pior passar. Ventsel diz à equipe da CNN para cobrir os ouvidos e abrir a boca para evitar danos à audição.

    Rudkovskaya tenta comunicação com pessoa em busca de ajuda / Scott McWhinnie/CNN

    Enquanto isso acontece, a equipe luta para localizar a pessoa ferida que foi chamada para ajudar. As equipes de ambulância em Kharkiv dependem de telefones celulares para comunicação, mas os sinais são interrompidos sempre que há um acidente – o que é frequente.

    “Estamos sem conexão e eles estão nos bombardeando”, diz Rudkovskaya. Assim que ela consegue falar, grita ao telefone: “Diga-me o número de sua casa”.

    “12G”, diz a voz desesperada do outro lado da linha. “Repito: 12. Gregory. Já lhe disse mil vezes”, diz o interlocutor em desespero. “O homem está morrendo”.

    À medida que uma enxurrada de foguetes cai sobre a área, a equipe da CNN não tem escolha a não ser correr por segurança. Rudkovskaya e Ventsel correm para dentro.

    Momentos depois, eles conseguem encontrar a vítima, um homem de 73 anos que sofreu ferimentos por estilhaços e traumatismo craniano. As bandagens ao redor de sua cabeça estão cobertas de sangue e ele engasga quando os médicos movem seu braço, mas as equipes de resgate dizem que ele sobreviverá.

    Ventsel pergunta sobre a dor, mas o homem apenas aponta para as orelhas. Ele ficou surdo com a explosão e não consegue ouvir. A dupla o estabiliza e o leva ao hospital.

    Rudkovskaya e Ventsel trabalham para o Centro de Atendimento Médico de Emergência e Desastres na região de Kharkiv.

    Eles dizem que a organização tem sofrido muito desde o início da guerra. Alguns de seus funcionários optaram por deixar Kharkiv quando a invasão começou, e o serviço sofreu perdas materiais significativas em ataques russos nos últimos dois meses.

    O diretor do centro, Victor Zabashta, diz que 50 de suas 250 ambulâncias estão fora de serviço após serem atingidas por estilhaços.

    Rudkovskaya e Ventsel estão implantados em Saltivka, um distrito na periferia nordeste de Kharkiv. O bairro está entre os mais atingidos da região e muitos de seus prédios de apartamentos, lojas e até mesmo a escola local foram destruídos. Serviços básicos como água e eletricidade também foram afetados.

    Ventsel trabalha há sete anos no serviço de emergência da região / Scott McWhinnie/CNN

    Mas, apesar dos intensos combates, muitos moradores de Saltivka estão determinados a permanecer no local. Quando seu bairro é bombardeado, eles varrem o vidro quebrado, arrumam e seguem com suas vidas. A maioria é idosa e não tem para onde ir, de acordo com os paramédicos.

    “Quando nos oferecemos para levá-los ao hospital ou a algum lugar seguro, eles dizem: ‘Não queremos ir, vamos ficar aqui, esta é a nossa casa’. E ficam lá. Ainda temos pessoas morando em Saltivka, não sabemos como”, diz Rudkovskaya.

    Como muitos daqueles que eles ajudam, a dupla também é inflexível: não vão a lugar nenhum.

    “Para que mais passamos seis anos estudando?” diz Ventsel, que tem um filho de dois anos. “Você sente a obrigação de ajudar as pessoas que são deixadas aqui”.

    De volta à base mais tarde, Rudkovskaya e Ventsel continuam com seu trabalho. Eles estão apenas na metade de um turno de 24 horas. A janela traseira de sua ambulância foi estourada pelas explosões. Eles precisam limpar o vidro quebrado e preparar o veículo para o próximo paciente

    “Isso é normal. É nosso trabalho… É assustador, mas ainda estamos vivos, graças a Deus”, diz Rudkovskaya.

    Ela está no serviço de ambulância há cinco anos, e Ventsel trabalha aqui há sete, mas nada os preparou para os horrores de trabalhar em uma zona de guerra.

    “No início da guerra, não sabíamos como fazer esse trabalho, porque eles bombardeavam sem parar e havia muitos feridos”, diz Rudkovskaya.

    Não há espaço para sentimentos, diz Ventsel, você simplesmente tem que seguir em frente. “Quando você está lá, naquele momento, você deve fazer o que puder. Sem emoções. Você faz o seu trabalho e pronto”, diz ele.

    E diz que está determinado a continuar. “Vamos continuar fazendo nosso trabalho até o fim”, diz ele. “E depois da guerra também”;

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original