Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Passageiros encontram sangue e fezes em avião que ia de Paris para Toronto

    Segundo a companhia aérea Air France, um passageiro de um voo anterior havia sofrido hemorragia acompanhada de diarreia nos assentos onde um casal se sentou posteriormente

    A mochila dos gatos de Battah estava manchada com o sangue misturado com fezes
    A mochila dos gatos de Battah estava manchada com o sangue misturado com fezes Habib Battah

    Julia Buckleyda CNN

    Refletir sobre a limpeza dos aviões não é algo que a maioria de nós goste de pensar ao voar. Mas, embora você possa pensar que a pessoa ao lado usar o saco de enjoo é a pior coisa possível nesse aspecto, um homem foi confrontado por fluidos corporais de um tipo diferente quando encostou seus pés no carpete de um avião ainda molhado com o sangue e a diarreia de um passageiro anterior.

    Habib Battah estava voando de Paris para Toronto em um voo da Air France, em 30 de junho, quando notou um cheiro estranho vindo da área dos pés sob os assentos dele e de sua esposa logo após a decolagem.

    “Cheirava a esterco”, disse ele à CNN.

    O casal estava viajando no Boeing 777 com seus dois gatos – cada um em uma transportadora separada, na área dos pés em frente ao casal. Eles estavam se mudando temporariamente do Líbano para os Estados Unidos, onde Battah, um jornalista baseado em Beirute, passará um período como professor universitário.

    “Foi a primeira vez que viajamos com os gatos e pensei: ‘Oh, Deus, eles devem ter feito suas necessidades, estou tão envergonhado’. Então pensei, talvez seja o odor corporal de alguém. Eu estava cheirando e tentando encontrar, então disse: deixa eu pegar os gatos”.

    Ele se apoiou em suas mãos e joelhos para agachar no chão e verificar os animais. “Eu olhei para os gatos – os pobrezinhos gatos estavam totalmente bem”, diz ele.

    A terrível descoberta

    Mas o que ele notou sob as transportadoras dos gatos foi uma mancha molhada no chão – cerca de 20 polegadas de comprimento e largura, diz ele. Ele acenou para um comissário de bordo que passava.

    “Eu disse que cheira a m****. Ela me entregou lenços umedecidos. Comecei a limpar e estava vermelho – vermelho sangue. E continuou ficando vermelho. Eu estava tipo: ‘Que diabos é isso?’. Eu só queria ver o que era. Depois de um tempo, um dos comissários de bordo disse: ‘É melhor você ir lavar as mãos e aqui estão algumas luvas’”.

    Enquanto Battah estava limpando, a comissária de bordo passou a mensagem para seus colegas de trabalho, e o capitão estava ligando para Paris, perguntando o que era a mancha vermelha sob os assentos 30A e 30B.

    A notícia chegou do QG da Air France: era sangue humano. No dia anterior, em um voo Paris-Boston, um passageiro sofreu o que Battah diz que a tripulação chamou de “hemorragia”.

    O passageiro havia sobrevivido, e o capitão daquele voo havia solicitado que a área fosse limpa para o próximo voo da aeronave de volta a Paris, mas, aparentemente, os faxineiros haviam esquecido o chão.

    “Eu não sabia que era sangue até que um comissário de bordo disse, casualmente: ‘Ouvimos que outro passageiro teve uma hemorragia’”, diz Battah. “Então, notei que a caixa de transporte do gato também estava manchada”. O sangue havia encharcado a transportadora, que funciona como uma mochila.

    Habib Battah estava em um voo da Air France de Paris para Toronto quando notou que o carpete embaixo dele estava encharcado de sangue / Habib Battah

    Em um frenesi, ele quis limpar a bolsa – o gato ainda dentro dela. Ele se mudou para a área da cozinha para continuar limpando, “tentando furiosamente se livrar desse horror. Usei um pacote inteiro de lenços umedecidos.

    Ele diz que apenas um comissário de bordo parecia “zangado [por Battah], ele estava se desculpando”, mas os outros não reagiram. “Também é uma ameaça para a tripulação de voo. Eu perguntei, qual é o seu protocolo para isso, mas eles não disseram nada. Tenho certeza de que não há nenhum”.

    “Pensei que já tinha visto de tudo… até agora”

    Foi um longo voo para o casal, que diz ter recebido “duas garrafinhas de água Evian” como recompensa e dois cobertores da classe executiva para colocar no chão, com pó para absorver o sangue.

    O voo estava cheio e eles não podiam ser movidos. “Tivemos que ficar sentados sentindo o cheiro de sangue pelas próximas sete horas”, diz ele. “O cheiro de sangue podre é como esterco. Tirei os sapatos no início do voo e havia sangue nas minhas meias”.

    Na verdade, era esterco, mais ou menos. Três dias depois, ele foi chamado pela Air France e disse que o sangue havia sido misturado com fezes.

    A Air France disse, em nota, à CNN que um passageiro passou mal em um voo de 29 de junho de Paris a Boston e foi tratado por médicos na chegada.

    “De acordo com o procedimento neste tipo de situação, foi solicitada uma limpeza completa da área e a fileira de assentos ficou indisponível no voo de volta [de Boston para Paris]”, diz a nota.

    “Um cliente que viajava no próximo voo de Paris (CDG) para Toronto (YYZ) relatou vestígios residuais de sangue no chão, sujando seus pertences pessoais. A tripulação imediatamente o auxiliou na limpeza de seus pertences, fornecendo-lhe equipamentos adequados, como luvas estéreis e lenços desinfetantes”, continua.

    “Como o voo estava lotado, não foi possível deslocar o passageiro. Uma investigação interna foi iniciada para entender as razões dessa situação”.

    Logp da Air France no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris / REUTERS/Sarah Meyssonnier

    A Air France disse que “entende e lamenta os transtornos causados por esta situação” e que entrou em contato com Battah.

    “O risco de exposição a vestígios residuais de sangue no carpete é baixo, se não inexistente”.

    Battah diz: “Eu tenho coberto Beirute por 20 anos como jornalista. Já vivi guerras, ataques aéreos, presenciei assassinatos, carros-bomba e sobrevivi por pouco à explosão do porto. Achei que já tinha visto de tudo. Não esperava encontrar mais sangue do que vi em Beirute em um avião da Air France”.

    “Eu trouxe aquele sangue para casa”

    Em “estado de choque” na chegada e incapaz de remover os gatos, ele pegou a caixa de transporte, pendurou-a nas costas como uma mochila e a levou para Toronto, onde a dupla está visitando a família de Anna.

    “Eu trouxe esse sangue para casa. Me mandaram para casa com um risco biológico. Eles nunca me pararam e disseram: ‘Ei, não sabemos o que esse paciente tinha [de errado com ele]’. Foi muito negligente”, diz ele.

    “[O incidente] ocorreu dois voos antes do nosso, então, em Boston, a limpeza não aconteceu. O avião voltou para Paris, esse avião maldito, sujo de m*****. E nós voamos nele. Isso significa que outros passageiros também foram expostos a ele. Acho que eles colocaram em risco o bem-estar de seus passageiros”.

    “Comecei a perguntar: ‘Como você não verifica? Quais são os protocolos para riscos biológicos?’ Não consegui que me dissessem. Era como se não houvesse nenhum”.

    A Air France confirmou à CNN que o líquido parece ser sangue e fezes. Quando questionados sobre o procedimento de limpeza profunda de resíduos biológicos perigosos a bordo, eles disseram que “são usados produtos específicos”.

    Não confirmou se a limpeza inicial foi feita em Boston ou em Paris – depois que o avião voltou para a França após o incidente. No entanto, acrescentou que “a limpeza já foi feita, e as almofadas dos assentos tiveram de ser removidas, resultando na descomercialização da fila de assentos” – sugerindo que o avião foi inicialmente limpo em Boston, com as almofadas substituídas em Paris. Em nenhum momento a equipe de limpeza percebeu que o chão também estava encharcado.

    O avião da Air France que partia de Paris para Toronto estava com o carpete cheio de sangue e fezes de um passageiro que passou mal em um voo anterior / Getty Images

    “Claramente houve um erro”

    Um carpete encharcado de sangue e fezes é realmente um risco baixo ou inexistente para os passageiros? Não de acordo com o Dr. Richard Dawood, especialista em medicina de viagens na Fleet Street Clinic de Londres.

    “Não concordo com isso”, diz. “Esta é uma situação muito anti-higiênica e não sabemos do que o passageiro estava sofrendo ou se era infeccioso. Pode ter sido sangue e diarreia de uma infecção ou algo como colite, mas de qualquer forma, em um ambiente hospitalar, isso seria tratado como contaminação e risco biológico”.

    “Existem muitas infecções virais transmitidas pelo sangue, como hepatite B, C, HIV, mas, principalmente, elas requerem contato com uma lesão penetrante. Todas essas coisas são de baixa incidência na população, então a posição inicial é que o risco é relativamente pequeno, e as chances de passar pela pele intacta são incrivelmente pequenas. Mas esse não é o ponto – isso não deveria ter acontecido”.

    Além do mais, ele diz que a maneira como os passageiros se comportam em um avião pode ter aumentado o risco. “Há muitas coisas que os passageiros fazem em aviões que envolvem comer e usar as mãos, e não é muito fácil lavar as mãos em um avião, está lotado e é muito fácil para as pessoas contaminarem as superfícies”.

    Na verdade, a diarreia pode ter sido mais perigosa do que o sangue. Dawood diz que limpar a diarreia sem desinfetá-la – como Battah acabou fazendo na cozinha, perto da área de preparação de alimentos – pode “aerosolizar” suas partículas.

    “A companhia aérea pode estar considerando apenas o risco de sangue, mas sangue misturado com fezes é desagradável, espalha-se por toda parte. É fácil contaminar as mãos e superfícies das pessoas – eu consideraria isso perigoso”.

    “O avião deveria ter sido retirado de serviço até ser devidamente limpo. Obviamente, eles retiraram os assentos de serviço, então sabiam que havia um problema e deveria ter sido resolvido no local. As companhias aéreas devem ser boas nisso – claramente houve um erro”.

    No entanto, enquanto Battah e sua esposa permanecerem sem sintomas, ele não espera que eles sejam testados para possíveis doenças.

    Cuidado com as mãos a bordo

    Pessoa lava mãos em pia com sabão
    Higienize as mãos assim que entrar no avião, antes de se sentar, diz o especialista em medicina de viagens / Foto: Divulgação

    A ideia do que Battah passou fez você desistir de voar? Dawood diz que todos devemos cuidar da higiene das mãos no ar.

    “As pessoas costumam pensar nos riscos de um avião, mas o processo de chegar ao aeroporto – segurar nas alças do transporte público, tocar nas superfícies, passar pela segurança, tirar os sapatos e pegar o ônibus para o avião. Quando você embarca, suas mãos estão muito sujas, e a primeira coisa que todo mundo quer fazer depois da provação de passar por um aeroporto é relaxar em seu assento e receber algo para comer ou beber”.

    Ele sugere lavar ou higienizar as mãos assim que você se sentar.

    Enquanto isso, Battah – que atualmente está conversando com advogados e postou fotos horríveis em um tópico no Twitter – diz que a Air France ligou para ele três dias após o voo, ofereceu um banho para os gatos e sugeriu um voucher de US$500. Ele recusou a oferta.

    “Não acho certo, acho que é um risco biológico sério e deve ser investigado minuciosamente. Eu não quero ser silenciado com alguns trocadinhos. Nossa passagem aérea custou US$ 2.500 – vale a pena se sentar em sangue e fezes por um desconto de 20%? Acho que foi negligência grosseira e alguém deve ser responsabilizado”.

    “Incidentes acontecem – somos humanos, sangramos – mas quando o avião pousa, você precisa limpar a aeronave. É flagrante que isso não tenha acontecido”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original