Passagem de tornado no Tennessee (EUA) deixa nove mortos

Ao menos quatro cidades, incluindo a capital Nashville foram atingidas; apesar dos estragos, primárias no estado não serão afetadas

Da CNN Brasil, em São Paulo

Ouvir notícia

Ao menos nove pessoas morreram na passagem de um tornado que atingiu Nashville, no estado norte-americano do Tennessee, na manhã desta terça-feira (3). O fenômeno danificou edifícios, um aeroporto e deixou dezenas de milhares de pessoas sem energia.

Foram registradas quatro mortes no condado de Putnam, duas na capital estadual Nashville, duas no condado de Wilson e uma no condado de Benton, noticiou a rede ABC News, citando a Agência de Administração de Emergências do Tennessee.

Equipes de busca e resgate procuravam pessoas presas ou feridas em estruturas danificadas, informou o corpo de bombeiros de Nashville. O órgão disse que avaliava relatos de aproximadamente 40 desabamentos de estruturas em toda a cidade.

O departamento de polícia do subúrbio de Mt. Juliet, a leste de Nashville, relatou diversas casas danificadas e pessoas feridas.

“Isso obviamente foi um tornado muito forte. Há diversas casas danificadas, diversas pessoas feridas, diversas pessoas ainda presas”, disse o capitão de polícia de Mt. Juliet, Tyler Chandler, em vídeo publicado no Facebook. “Precisamos de sua ajuda. E isso significa que, se você puder ficar em casa, fique em casa.”

Escolas, escritórios distritais e tribunais serão fechados nesta terça-feira devido aos danos causados pelo tornado em toda Nashville, disseram autoridades, mas as zonas eleitorais localizadas em escolas e outros locais ficarão abertas “a menos que se notifique algo diferente”.

O Tennessee é um dos 14 Estados que realizam eleições presidenciais primárias da Super Terça. A votação começou às 8h (11h de Brasília), uma hora mais tarde que o previsto, devido aos estragos abrangentes da tempestade, disseram autoridades eleitorais. O horário de fechamento das urnas, no entanto, permanece 19h (22h de Brasília), como planejado anteriormente. / COM REUTERS

 

Mais Recentes da CNN