Pequim registra o primeiro caso de Covid em 179 dias e teme variante Delta

A propagação do vírus entre províncias está gerando alarme entre os líderes, após mais de um ano de baixos números de casos e retomada econômica

Pessoas fazem fila para serem submetidas a teste para Covid-19 em Pequim
Pessoas fazem fila para serem submetidas a teste para Covid-19 em Pequim Foto: Thomas Peter/Reuters

Jessie Yeung, da CNN, em Hong Kong

Ouvir notícia

Pequim registrou seu primeiro caso de Covid-19 em quase seis meses na quarta-feira (29), enquanto as autoridades chinesas lutam para evitar a propagação da variante Delta em meio a um surto ligado a um aeroporto na populosa cidade oriental de Nanjing.

A China registrou 49 novos casos na quarta-feira, incluindo 24 infecções locais de três províncias adicionais, de acordo com a Comissão Nacional de Saúde (NHC), elevando o número total de casos associados ao novo surto para pelo menos 175.

Embora a última contagem nacional marque uma ligeira queda em relação aos 86 casos registrados na terça-feira – o maior aumento em um único dia desde janeiro – a propagação do vírus através das fronteiras provinciais está gerando alarme entre os líderes do país, após mais de um ano de baixos números de casos e retomada da vida diária.

Um segundo novo caso foi relatado em Pequim na tarde de quinta-feira, com autoridades de saúde descrevendo os dois casos locais como marido e mulher que haviam viajado recentemente para uma cidade na província de Hunan, que foi associada ao último surto. Contatos próximos do casal foram colocados em quarentena.

O coronavírus foi detectado pela primeira vez na cidade de Wuhan, no centro da China, no final de 2019, espalhando-se rapidamente pela China e pelo mundo. No entanto, apesar de ser o primeiro país a sucumbir ao vírus, a China conseguiu conter com sucesso sua disseminação. Desde março de 2020, os números oficiais dos casos permaneceram baixos e surtos ocasionais foram rapidamente contidos com testes em massa e restrições severas, incluindo bloqueios em massa de centenas de milhões de pessoas em todo o país.

No entanto, o surto atual representa uma nova ameaça, com a variante Delta – originária da Índia e mais transmissível – identificada na cidade oriental de Nanjing, capital da província de Jiangsu e um importante centro industrial e de transporte que abriga mais de 9,3 milhões de pessoas.

Também será um teste da eficácia do programa massivo de vacinação da China, que administrou mais de 1,5 bilhão de doses até agora – uma escala e velocidade incomparáveis com qualquer outro país do mundo.

Outros países da região, incluindo Tailândia e Austrália, também foram atingidos pela variante Delta e estão lutando contra surtos. Mas esses países também têm lutado com uma implementação lenta da vacinação, marcada por atrasos e escassez.

Isso contrasta fortemente com a China, que está a caminho de atingir sua meta de alcançar a chamada “imunidade de rebanho” – o ponto em que um número suficiente de pessoas já foram infectadas ou vacinadas para interromper a transmissão na comunidade – até dezembro deste ano.

Surto em aeroporto e voos aterrados

O último surto surgiu na semana passada, depois que mais de uma dúzia de casos foram detectados entre a equipe de limpeza do Aeroporto Internacional de Nanjing Lukou. O aeroporto é um dos mais movimentados da China e recebeu mais de 30 milhões de passageiros em 2019, de acordo com as autoridades chinesas.

O surto levou as autoridades a encomendar testes em massa para mais de 9 milhões de residentes a partir de 21 de julho; uma segunda rodada de testes em massa foi concluída no fim de semana e uma terceira rodada começou na quarta-feira.

Até agora, pelo menos 175 casos estão conectados ao contágio do aeroporto, que as autoridades vincularam à variante Delta, mais infecciosa.

“O recente aumento de infecções na cidade pode ser atribuído à localização especial do surto e à natureza altamente contagiosa da cepa (Delta)”, disse Ding Jie, vice-diretor do centro de controle e prevenção de doenças de Nanjing, em uma coletiva de imprensa, a mídia estatal informou terça-feira.

Apesar da rápida e agressiva campanha de testes, o vírus parece já ter se espalhado para além da província de Jiangsu.

Infecções foram relatadas entre viajantes que voaram de Nanjing para outras partes do país, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua, incluindo as províncias de Guangdong no sul, Sichuan no sudoeste e Liaoning no nordeste.

Na quarta-feira, o tablóide estatal Global Times informou que o aeroporto suspenderia todos os voos até 11 de agosto, citando uma fonte privilegiada. As autoridades do aeroporto de Nanjing disseram à CNN que todos os voos foram cancelados desde segunda-feira para trabalhos de desinfecção, e serão retomados assim que o processo for concluído. Eles não disseram quando isso provavelmente ocorreria e não houve nenhum anúncio oficial relacionado ao cancelamento.

‘País inteiro’ em risco enquanto oficiais investigam a conexão de Hunan

A preocupação também está crescendo sobre um possível surto secundário ligado a um show popular no parque nacional de Zhangjiajie, na província de Hunan. Acredita-se que três pessoas que testaram positivo na cidade de Dalian, na província de Liaoning, tenham visitado o aeroporto de Nanjing antes de viajar para Zhangjiajie para o show na semana passada, de acordo com a mídia estatal, The Paper.

Mais de 3.000 espectadores assistiram ao show no dia 22 de julho. Os casos de Pequim estão entre aqueles ligados ao show, de acordo com as autoridades, encerrando a temporada de 179 dias da capital sem nenhuma infecção relatada.

O governo da cidade de Zhangjiajie enviou um aviso na quarta-feira, avisando aos que compareceram ao show que eles eram de “alto risco” e precisavam isolar-se e fazer testes para infecção.

Testes da Covid-19 em Nanjing, China
Um trabalhador médico analisa amostras de residentes locais a serem testadas para Covid-19 em um laboratório em Nanjing, China, em 24 de julho.
Foto: Yang Bo/China News Service/Getty Images

Em uma rara demonstração pública de preocupação, vários líderes partidários provinciais de alto escalão, governadores e autoridades de saúde se reuniram na manhã de quarta-feira em Jiangsu para discutir o surto.

Em um comunicado à imprensa postado em seu site, o Comitê Provincial do Partido Comunista da China reconheceu que o surto atual foi “severo” e disse que o agrupamento de Nanjing poderia influenciar “todo o país”.

A declaração pediu medidas de prevenção e contenção mais fortes, incluindo “comunidades fechadas e áreas fechadas” – um apelo marcante para reimpor as restrições mais de um ano depois que a China relaxou seu bloqueio nacional e reabriu negócios.

Algumas partes de Nanjing estão agora sob alerta de risco “alto” da Covid, enquanto outras áreas foram elevadas para “médio”.

Sob essas novas restrições, locais como cinemas, academias e bares foram fechados, grandes reuniões foram reduzidas e as autoridades estão pedindo às pessoas que cancelem eventos “não essenciais”.

Os funcionários do aeroporto estão enfrentando restrições de movimento; a cidade também intensificou as medidas de monitoramento de saúde e testes para grupos de alto risco, como motoristas de táxi e seguranças.

A cidade construiu seis locais de teste improvisados em centros de exposição e estações de trem, com capacidade máxima para testar 7 milhões de pessoas por dia, de acordo com a emissora local CCTV.

As farmácias foram obrigadas a suspender a venda de medicamentos de venda livre para febre e tosse, que poderiam suprimir ou ocultar os sintomas de Covid. Os conjuntos residenciais da cidade também endureceram as regras ao impedir a entrada de serviços de entrega.

(Texto traduzido. Leia o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN