Pesquisadores encontram fóssil de criatura marinha que viveu há 500 milhões de anos

Os Titanokorys mediam até meio metro, mas são considerados verdadeiros gigantes das profundezas diante da época em que viveram

O Titanokorys tinha uma carapaça larga e plana, o que sugere que ele se adaptou para viver próximo ao fundo do mar
O Titanokorys tinha uma carapaça larga e plana, o que sugere que ele se adaptou para viver próximo ao fundo do mar Museu Real de Ontário

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Meio bilhão de anos atrás, os oceanos estavam cheios vida que se pareciam mais com alienígenas subaquáticos do que com os animais marinhos que conhecemos hoje.

Agora, os pesquisadores descobriram o fóssil de uma criatura incomum que provavelmente era um gigante em comparação com a minúscula vida oceânica de 500 milhões de anos atrás.

Os radiodontes, um grupo de artrópodes primitivos, se espalharam após a explosão cambriana há 541 milhões de anos – época em que uma multidão de organismos apareceu repentinamente na Terra, com base no registro fóssil.

O fóssil recém-descoberto pertencia à espécie “Titanokorys gainesi”, um radiodonte que pode ter até meio metro de comprimento – o que pode ser considerado enorme, em comparação com outras criaturas do oceano que tinham o tamanho de um dedo mínimo naquele período.

O fóssil foi encontrado em rochas cambrianas do Parque Nacional Kootenay, localizado nas Montanhas Rochosas do Canadá.

Um estudo detalhado sobre o fóssil foi publicado nesta quarta-feira (8) na revista científica Royal Society Open Science.

“O tamanho deste animal é absolutamente estonteante, este é um dos maiores animais do período cambriano já encontrado”, disse o autor do estudo Jean-Bernard Caron, curador de paleontologia de invertebrados do Museu Real de Ontário.

O Titanokorys teria sido um animal difícil e de se encontrar. Ele tinha olhos multifacetados, uma boca em forma de fatia de abacaxi com dentes alinhados e garras espinhosas localizadas abaixo de sua cabeça para capturar a presa.

Fóssil de Titanokorys / Ontario

O corpo do animal era equipado com uma série de abas que o ajudavam a nadar. E os Titanokorys tinham uma grande carapaça na cabeça, ou uma cobertura defensiva, como a carapaça de um caranguejo ou tartaruga.

“Titanokorys faz parte de um subgrupo de radiodontes, chamados de hurdiids, caracterizados por uma cabeça incrivelmente longa coberta por uma carapaça de três partes que assumia uma miríade de formas. A cabeça é tão longa em relação ao corpo que esses animais são realmente pouco mais do que nadando cabeças “, disse o co-autor do estudo Joe Moysiuk, estudante de doutorado em ecologia e biologia evolutiva do Museu Real de Ontário da Universidade de Toronto, em um comunicado.

Os pesquisadores ainda estão tentando entender por que alguns radiodontes tinham tamanha variedade de carapaças na cabeça, de todas as formas e tamanhos.

Não está claro do que esta formação os protegia, dado seu tamanho em comparação com outras formas de vida marinha da época.

Ilustração que reconstrói o Titanokorys gainesi / Museu Real de Ontário

No caso dos Titanokorys, a carapaça larga e plana sugere que ele se adaptou para viver próximo ao fundo do mar.

“Esses animais enigmáticos certamente tiveram um grande impacto nos ecossistemas do fundo do mar cambriano. Seus membros na frente pareciam vários ancinhos empilhados e teriam sido muito eficientes em trazer qualquer coisa capturada em seus pequenos espinhos para a boca. A enorme carapaça dorsal pode ter funcionado como um arado”, disse Caron.

Os fósseis de Titanokorys foram encontrados em Marble Canyon, localizado no norte do Parque Nacional Kootenay, que foi o local de muitas descobertas de fósseis do período Cambriano, que datam de 508 milhões de anos atrás.

O local faz parte do Burgess Shale, um depósito de fósseis bem preservados nas montanhas rochosas canadenses.

O Burgess Shale é um Patrimônio Mundial da UNESCO. Uma das descobertas feitas no local inclui o radiodonte Cambroraster falcatus, assim chamado porque sua carapaça da cabeça é semelhante em forma à Millennium Falcon, de Star Wars.

É possível que essas duas espécies tenham lutado no fundo do mar em busca de presas, dizem os pesquisadores.

Titanokorys e outros fósseis coletados de Burgess Shale serão exibidos em uma nova galeria no Royal Ontario Museum a partir de dezembro.

Veja mais notícias do Brasil e do mundo na CNN.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN