Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Planeta está aquecendo mais rápido que o esperado, revela estudo

    Pesquisa foi liderada pelo cientista James Hansen, responsável por alertar o mundo sobre o aquecimento global pela primeira vez, na década de 1980

    Artigo foi publicado na revista Oxford Open Climate Change
    Artigo foi publicado na revista Oxford Open Climate Change Banco de imagens/Pexels/Simon Berger

    Laura Paddisonda CNN

    O planeta está perto de aquecer a um ritmo muito mais rápido do que os cientistas previram anteriormente, de acordo com um novo estudo do cientista americano James Hansen. Isso significa que um limiar-chave de aquecimento global poderá ser ultrapassado ainda nesta década.

    Hansen é tido como o responsável por alertar o mundo publicamente sobre o aquecimento global pela primeira vez, na década de 1980.

    No artigo, publicado nesta quinta-feira (2) na revista Oxford Open Climate Change, Hansen e outros cientistas usaram uma combinação de dados paleoclimáticos — incluindo informações de núcleos de gelo polares, anéis de árvores, modelos climáticos e dados observacionais — para concluir que a Terra é muito mais sensível do que se pensava às alterações climáticas.

    “Estamos na fase inicial de uma emergência climática”, diz a pesquisa, que alerta para uma onda de calor “já em preparação” que empurrará rapidamente as temperaturas globais para acima do previsto.

    Esse movimento resultará num aquecimento de 1,5ºC superior aos níveis pré-industriais, na década de 2020, e acima de 2ºC antes de 2050.

    As descobertas somam-se a uma série de pesquisas recentes que concluem que o mundo está se aproximando dos 1,5ºC, um limite além dos impactos das mudanças climáticas – incluindo o calor extremo, a seca e as inundações – que se tornarão significativamente mais difíceis de se adaptarem aos seres humanos.

    “O limite de 1,5ºC é mais mortal do que um prego”, afirmou Hansen em coletiva de imprensa. “E o limite de 2ºC só pode ser resgatado com a ajuda de ações intencionais”, acrescentou.

    Alguns outros cientistas, no entanto, têm dúvidas sobre as conclusões do estudo.

    Hansen, diretor do Earth Institute da Universidade de Columbia, é um renomado cientista climático, cujo depoimento em 1988 no Senado dos EUA chamou pela primeira vez a atenção global para as mudanças climáticas.

    Ele já havia alertado anteriormente que a Terra possui um desequilíbrio energético, já que ela recebe mais energia por meio da luz solar do que sai, através do calor que irradia para o espaço.

    O excesso de calor resultante é equivalente a 400 mil bombas atômicas de Hiroshima por dia, sendo a maior parte da energia absorvida pelo oceano, descobriu a investigação de Hansen há uma década.

    Neste artigo recente, Hansen e os seus co-autores afirmam que esse desequilíbrio energético aumentou, em parte devido aos esforços bem sucedidos para combater a poluição atmosférica por partículas, especialmente na China, e por meio de restrições globais à poluição marítima.

    Embora este tipo de poluição seja um grave perigo para a saúde, também tem um efeito “refrescante”, uma vez que as partículas refletem a luz solar para longe da Terra.

    Esse desequilíbrio deve causar um aquecimento global acelerado, trazendo consequências desastrosas, segundo o documento, incluindo a rápida subida do nível do mar e o potencial encerramento de correntes oceânicas vitais ainda neste século.

    Hansen disse estar particularmente preocupado com o derretimento da camada de gelo da Antártida e especialmente com o glaciar Thwaites, que funciona como uma “rolha” que retém o gelo em terra e proporciona uma defesa importante contra a subida do nível do mar.

    Mas o aquecimento não está necessariamente bloqueado, segundo o jornal.

    As medidas recomendadas pela publicação incluem a tributação da poluição por carbono, o aumento da energia nuclear para “complementar energias renováveis” e uma forte ação dos países desenvolvidos para ajudar os países em desenvolvimento a transitarem para energias de baixo carbono.

    Embora a maior prioridade seja reduzir drasticamente a poluição que provoca o aquecimento do planeta, isto por si só não será suficiente, concluiu o relatório.

    “Se quisermos manter o nível do mar próximo de onde está, na verdade teremos que resfriar o planeta”, disse Hansen.

    Uma maneira de fazer isso, sugere o relatório, é a geoengenharia solar. Esta tecnologia controversa visa esfriar a temperatura terrestre refletindo a luz solar para longe da Terra, ou permitindo que mais calor escape para o espaço.

    Isso pode ser feito através da injeção de aerossóis na atmosfera ou da pulverização de nuvens com partículas de sal para torná-las mais refletivas, por exemplo.

    Os críticos alertam para consequências imprevistas, incluindo impactos nas chuvas e monções, bem como “choque final”, se a geoengenharia for interrompida repentinamente e o aquecimento reprimido for liberado.

    Mas Hansen disse que isso deveria ser considerado. “Em vez de descrever esses esforços como ‘geoengenharia ameaçadora’, temos de reconhecer que estamos ‘geoengenhariando’ o planeta neste momento, ao queimar grandes quantidades de combustíveis fósseis que aquecem o planeta” disse ele.

    As conclusões do artigo são alarmantes e ocorrem num momento em que o mundo passa por uma onda de calor sem precedentes. Este ano deve ser o mais quente já registrado, com todos os meses a partir de junho quebrando recordes de temperatura global.

    Mas embora a ciência esteja certa de que a taxa de aquecimento global está aumentando, mas a ideia de que ela está avançando para além do que os modelos prevêem é controversa.

    As descobertas “estão muito fora do comum”, disse Michael Mann, um importante cientista climático da Universidade da Pensilvânia.

    Embora a superfície da Terra e os seus oceanos estejam aquecendo, os dados não suportam as alegações de que a taxa esteja acelerando, disse ele à CNN.

    “Como gosto de dizer, a verdade já é ruim o suficiente” Mann disse. “Não há evidências de que os modelos estejam subestimando o aquecimento causado pelo homem”, acrescentou.

    Ele também levantou dúvidas sobre o papel da redução da poluição nas tendências de aquecimento, dizendo que o impacto total é muito pequeno, e alertou que a geoengenharia solar é “sem precedentes” e “potencialmente muito perigosa”.

    “Se a meta de 1,5ºC é ou não alcançável é uma questão de política, e não de física climática, neste momento”, disse Mann.

    Mas Hansen rejeitou as críticas à pesquisa, dizendo que ela se baseia em números concretos e em física simples.

    “Isto não é marginal, esta é a física correta e é o mundo real”, disse ele, “e às vezes leva um tempo para a comunidade entender”.

    Veja também: São Paulo terá cidade sustentável para 30 mil pessoas

    Publicado por Amanda Sampaio, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original