Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Planeta sofre recorde de calor em abril; 2024 pode ser ainda mais quente

    Mês passado marca 11 meses consecutivos de temperaturas globais sem precedentes, segundo dados do Copernicus, o serviço de monitoramento climático da União Europeia

    Mundo atinge temperaturas recordes
    Mundo atinge temperaturas recordes Getty Images

    Laura Paddisonda CNN

    O calor extremo no planeta continua à espreita. No mês passado, o mundo registrou o abril mais quente da história, de acordo com novos dados do Copernicus, o serviço de monitoramento climático da União Europeia.

    Ele marca 11 meses consecutivos de temperaturas globais sem precedentes. Com esse novo dado, alguns cientistas alertam que há fortes chances de 2024 superar 2023 como o ano mais quente já registrado.

    O mês passado foi 1,58 °C mais quente do que a média de abril desde a era pré-industrial e 0,67 °C acima da média de abril entre 1991 e 2020, revelou Copernicus.

    Os impactos foram severos. Partes da Ásia têm lutado com calor extremo: escolas foram fechadas para milhões de crianças em Bangladesh, campos de arroz têm murchado no Vietnã, e as pessoas na Índia lutaram contra temperaturas de 43 °C para votar em eleições no país.

    O calor nos oceanos em abril também foi recorde pelo 13º mês consecutivo. As temperaturas da superfície do oceano atingiram 21,04 °C, o mais alto registrado em qualquer abril, e apenas uma fração abaixo do recorde geral estabelecido em março, de acordo com dados do Copernicus.

    O impacto nos sistemas marinhos é devastador. Um evento de branqueamento de coral em massa ocorreu nesta primavera no hemisfério norte. O cientistas disseram na época que poderia ser o pior já registrado.

    O calor global sem precedentes está sendo impulsionado pelo aquecimento global – causado principalmente por seres humanos queimando combustíveis fósseis – além do El Niño, um padrão climático natural que tende a ter um impacto de aquecimento.

    O El Niño agora está enfraquecendo, mas não é surpreendente que o mundo ainda esteja vendo um calor sem precedentes , disse Zeke Hausfather, líder de pesquisa climática da Stripe e cientista de pesquisa da Berkeley Earth.

    O ano após o pico do El Niño é geralmente o mais quente. E enquanto os recordes de calor ainda estão sendo estabelecidos mês após mês, as margens em que eles estão sendo quebrados são menores do que eram em 2023.

    O calor atual “é mais esperado do que a quebra de recordes de 0,3 graus a 0,5 graus que vimos na segunda metade de 2023”, disse Hausfather à CNN.

    Hausfather estima que há uma chance de 66% de que 2024 seja o ano mais quente já registrado, e uma chance de 99% de que seja o segundo mais quente. A melhor estimativa atual é que ele chegará um pouco acima de 1,5 graus desde os níveis pré-industriais, disse ele.

    Os países concordaram em restringir o aquecimento global a 1,5 graus acima dos níveis pré-industriais. Embora isso se refira ao aquecimento de longo prazo em décadas, em vez de um único mês ou ano, os cientistas disseram que essas violações temporárias são um sinal claro e alarmante de acelerar a mudança climática.

    O que acontece nos próximos meses ajudará os cientistas a entender se as temperaturas inesperadamente altas em 2023 foram um fenômeno temporário, “ou um sinal de algo novo que pode impulsionar um aquecimento mais rápido do que o previsto anteriormente”, disse Hausfather.

    “Se as temperaturas globais saírem do território recorde após os próximos dois meses, será um sinal reconfortante de que o clima está se comportando de forma um pouco mais previsível”, acrescentou.

    Mas, ele advertiu, mesmo que isso aconteça, o mundo ainda está no caminho para o aquecimento de quase 3 graus, o que traria consequências catastróficas.

    Enquanto ciclos climáticos naturais como o El Niño vão e vêm, “o aumento das concentrações de gases de efeito estufa continuará empurrando a temperatura global para novos recordes”, disse Carlo Buontempo, diretor do Copernicus.

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original