Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Calor nos oceanos gera branqueamento de corais; níveis podem ser os piores já registrados

    Mais de 54% das áreas de recifes de corais do mundo sofreram branqueamento no ano passado, afetando pelo menos 53 países

    Branqueamento de corais na lagoa da Ilha Lady Elliot da Grande Barreira de Corais, em 19 de fevereiro de 2024
    Branqueamento de corais na lagoa da Ilha Lady Elliot da Grande Barreira de Corais, em 19 de fevereiro de 2024 Rebecca Wright/CNN

    Rebecca Wrightda CNN

    Os recifes de corais de todo o mundo estão passando por um evento de branqueamento em massa à medida que a crise climática impulsiona o recorde de calor nos oceanos, disseram dois organismos científicos na segunda-feira (15) – com alguns especialistas alertando que esse pode se tornar o pior período de branqueamento da história já registrado.

    Mais de 54% das áreas de recifes de corais do mundo sofreram branqueamento no ano passado, afetando pelo menos 53 países e territórios, incluindo grandes áreas dos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico. Os dados foram divulgados por meio de uma declaração conjunta da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) e a Iniciativa Internacional do Recife de Coral (ICRI).

    “É provável que este evento ultrapasse o pico anterior de 56,1% em breve”, disse Derek Manzello, coordenador do programa Coral Reef Watch da NOAA, em um e-mail para a CNN. “A porcentagem de áreas do recife que são afetadas pelo calor e sofrem com descoramento aumentou cerca de 1% em uma semana.”

    Quando os corais são expostos ao estresse das ondas de calor marinhas, eles expelem as algas que vivem dentro de seus tecidos, o que lhes fornece a cor e a maior parte de sua energia. Se as temperaturas dos oceanos não voltarem ao normal, o branqueamento pode levar à morte em massa dos corais, ameaçando as espécies e as cadeias alimentares que dependem deles.

    Isso marca o quarto evento mundial de branqueamento, e o segundo na última década – com períodos anteriores em 1998, 2010 e entre 2014-2017.

    No ano passado, o branqueamento em massa foi confirmado em regiões como a Flórida e o Caribe, México, Brasil, Austrália, Pacífico Sul, Mar Vermelho, Golfo Pérsico, Indonésia e Oceano Índico, incluindo a costa leste da África e as Seychelles.

    O professor Ove Hoegh-Guldberg, cientista climático especializado em recifes de corais baseado na Universidade de Queensland, na Austrália, previu esse evento de branqueamento em massa há meses.

    “Sabíamos que as temperaturas do mar estavam aumentando rapidamente, mas não a nessa velocidade”, disse Hoegh-Guldberg à CNN. “A questão preocupante é que não sabemos quanto tempo essa enorme mudança de temperatura provavelmente durará.”

    Uma tartaruga nada sobre corais branqueados na lagoa da Ilha Lady Elliot, no sul da Grande Barreira de Corais, em 19 de fevereiro de 2024 / Rebecca Wright/CNN

    Os últimos 12 meses têm sido os mais quentes do planeta e as temperaturas oceânicas têm crescido muito. As temperaturas globais da superfície do mar atingiram máximos recordes em fevereiro e novamente em março, de acordo com dados do Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus da Comissão Europeia.

    Em fevereiro, os cientistas do programa Coral Reef Watch da NOAA adicionaram três novos níveis de alerta aos mapas de alerta de branqueamento de corais, para permitir que os cientistas avaliem a nova escala do aquecimento subaquático.

    La Niña pode ajudar?

    O El Niño, um padrão climático natural que se origina no Oceano Pacífico ao longo da linha do equador e tende a elevar as temperaturas globais, ajudou a impulsionar o calor oceânico sem precedentes.

    A NOAA prevê que o La Niña, o equivalente mais frio do El Niño, possa chegar entre junho e agosto deste ano, o que proporciona “uma pequena esperança” para os recifes, disse Manzello, da NOAA.

    Mas, acrescentou, os eventos de branqueamento ainda ocorreram durante La Niña nos últimos anos.

    “Estou ficando cada vez mais preocupado com o verão de 2024 para o Caribe e a Flórida”, disse Manzello. “Quando entramos no verão e na temporada de branqueamento para a Flórida e o Caribe, não será preciso muito aquecimento sazonal adicional para empurrar as temperaturas para além do limiar de branqueamento.”

    Em meados de fevereiro, a CNN testemunhou um extenso branqueamento de corais na Grande Barreira de Corais da Austrália – o maior sistema de recifes de corais do mundo – em cinco recifes diferentes que abrangem as áreas norte e sul. Um evento de branqueamento em massa foi oficialmente confirmado lá no mês passado após pesquisas aéreas e subaquáticas pelo Instituto Australiano de Ciência Marinha (AIMS) e pela Great Barrier Reef Marine Park Authority.

    “A crescente frequência e extremidade das ondas de calor marinhas impulsionadas pela mudança climática está testando os níveis de tolerância dos recifes de coral”, disse Selina Stead, CEO da AIMS. “A mudança climática é a maior ameaça aos recifes de corais em todo o mundo e essa confirmação global ilustra o quão extenso foi seu impacto nos últimos 12 meses.”

    “É por isso que é fundamental que o mundo trabalhe para reduzir as emissões de carbono”, acrescentou Stead. “Também é importante garantir que os recifes de corais sejam bem gerenciados nos níveis local e regional.”

    O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente alertou que se o mundo não conseguir reduzir agressivamente suas emissões, o planeta está caminhando para quase 3 °C de aquecimento acima dos níveis pré-industriais neste século.

    Os cientistas preveem que, mesmo com 2 graus de aquecimento – que o mundo poderia atingir em torno de 2050 – aproximadamente 99% dos corais na Terra morreriam.

    Além de ser um habitat essencial para a vida marinha, os recifes de coral são cruciais para as comunidades costeiras do mundo – eles atuam como um sistema de defesa vital contra a ameaça de inundações por tempestades e aumento do nível do mar, e também fornecer meios de subsistência e uma fonte de alimento vital para um bilhão de pessoas em todo o mundo.

    David Ritter, CEO do Greenpeace Austrália, disse que os recifes estão enfrentando “perigo existencial” e que a culpa está “diretamente com os principais culpados que alimentam o aquecimento global: as empresas de combustíveis fósseis e os governos que sustentam esta indústria.”

    “Estamos ficando sem margem para evitar um desastre climático irreversível”, acrescentou, “e devemos agir rapidamente para garantir o fim imediato dos novos combustíveis fósseis.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original