Planos da “cidade de 10 minutos” em Seul, capital sul-coreana, são revelados

Arquitetos pensam em modelo integrador que permita a pessoas acessarem trabalho, lazer e estudos a pé e em no máximo 10 minutos

Oscar Hollandda CNN

Ouvir notícia

A ideia de uma “cidade de 15 minutos”, na qual todos os residentes podem chegar ao trabalho e à atividades de lazer a pé ou de bicicleta de suas casas, ganhou uma tração entre os urbanistas durante a pandemia de Covid-19.

Agora, um grupo de arquitetos está planejando um bairro ainda mais ambicioso na capital da Coreia do Sul, Seul: uma cidade de 10 minutos.

Denominado “Projeto H1”, o empreendimento está pronto para transformar uma antiga área industrial em uma cidade “inteligente” interconectada.

Combinando oito edifícios residenciais com escritórios de trabalho conjunto e espaços de estudo, o bairro de 125 acres também está preparado para abrigar locais de entretenimento, centros de fitness, piscinas e até mesmo fazendas urbanas hidropônicas.

Projetado pelo escritório de arquitetura holandês UNStudio e apoiado pela Hyundai Development Company (uma empresa imobiliária de propriedade do conglomerado por trás do fabricante de carros do mesmo nome), o bairro também será completamente livre de carros.

Um comunicado de imprensa para o projeto afirmava que “todas as conveniências da cidade” estarão a uma caminhada de 10 minutos a pé das casas das pessoas.

Em uma declaração, o co-fundador do UNStudio, Ben van Berkel, disse que a “experiência de vida diária” dos moradores é a “prioridade máxima” do projeto.

“Fazemos isso através da inclusão de uma rica densidade de experiências em campo, que oferecem uma ampla gama de opções de como as pessoas podem passar seu tempo de vida, trabalho e lazer, poupando assim também o tempo necessário para viajar para outros lugares da cidade – porque com o tempo que se poupa, mais tempo é criado”, disse.

Um porta-voz da UNStudio confirmou que o projeto recebeu sinal verde para prosseguir, mas não revelou quando é provável que ele se desvende.

Por enquanto, uma série de renderizações de CGI dão uma dica de como será o bairro, com praças públicas, jardins, telhados verdes e “zonas naturais” conectadas por passarelas de pedestres.

Uma vista aérea do bairro dos “10 minutos” em Seul / Cortesia WAX & Virgin Lemon para a CNN

Os arquitetos também disseram que energia limpa será gerada no local, enquanto os sistemas de captação e armazenamento de chuva estão sendo projetados para reduzir o uso de água.

O conceito de “cidade de 15 minutos” foi proposto pela primeira vez pelo acadêmico franco-colombiano Carlos Moreno em 2016, e foi mais recentemente popularizado pela prefeita de Paris, Anne Hidalgo, que propôs fazer da capital francesa uma “ville du quart d’heure” – uma cidade de um quarto de hora – durante sua recente campanha de reeleição.

Os críticos sugeriram que o conceito poderia causar gentrificação ao concentrar ainda mais a riqueza nos bairros mais acessíveis e convenientes.

A conveniência de bairros de “15 minutos” pode, por sua vez, resultar em altos preços de casas, o que excluiria comunidades de baixa renda e marginalizadas.

Mas a pandemia de Covid-19 tem gerado um interesse crescente no conceito. Com pessoas em todo o mundo trabalhando a partir de casa e evitando o transporte público, os urbanistas começaram a passar pedestres pelas ruas e a reimaginar a forma como as cidades administram populações densas.

Escrevendo na revista acadêmica Smart Cities no início deste ano, Moreno disse: “O surgimento desta pandemia expôs a vulnerabilidade das cidades… e a necessidade de um repensar radical, onde medidas inovadoras precisam ser adaptadas para garantir que os residentes urbanos sejam capazes de lidar e continuar com suas atividades básicas, incluindo as culturais, para garantir que as cidades permaneçam resilientes e habitáveis a curto e longo prazo”.

Ele acrescentou que “mais pesquisas agora são necessárias para mostrar como a ideia e seus elementos podem ser replicados nas cidades dentro do sul global”.

*Esta matéria foi traduzida. Leia a original, em inglês

Mais Recentes da CNN