Polícia indiana recupera relógio roubado de Diego Maradona

Objeto foi encontrado um ano após da morte do ex-jogador argentino

Relógio foi recuperado um ano depois da morte do ex-jogador de futebol
Relógio foi recuperado um ano depois da morte do ex-jogador de futebol Reprodução / Polícia de Assam

Akanksha SharmaSusanna CapeloutoSana Noor Haqda CNN*

Ouvir notícia

O relógio Hublot roubado que pertencia a Diego Maradona, foi recuperado pela polícia no estado de Assam, no nordeste da Índia, um ano depois da morte da lenda do futebol argentino.

Chamando isso de “um ato de cooperação internacional”, a polícia estadual de Assam anunciou em seu perfil no Twitter, no sábado, que o relógio da estrela, que havia desaparecido de sua residência em Dubai, foi recuperado em uma operação em Sibsagar.

Após a informação enviada pela polícia de Dubai, que afirmou que uma operação havia sido realizada e que a edição limitada do relógio foi recuperada na residência do suspeito, o Diretor Geral da Polícia da cidade indiana, Bhaskar Jyoti Mahanta, publicou um tweet com uma foto e mais detalhes sobre o roubo.

O suspeito trabalhava como segurança de uma empresa que guardava os pertences do ex-jogador, disse Mahanta. Depois de alguns dias no cargo, ele supostamente pediu permissão a seu empregador para retornar à Índia a fim cuidar de seu pai doente.

Relógio Maradona
Objeto foi recuperado um ano depois da morte de Maradona / Reprodução / Polícia de Assam

O relógio Hublot traz as iniciais da lenda do futebol, sua famosa camisa 10 e seu logotipo impresso, de acordo com relatório da News-18, afiliada da CNN.

“Ações legais de acompanhamento estão sendo tomadas”, disse a ministra-chefe do estado de Assam, Himanta Biswa Sarma, em um tweet sobre a operação e a recuperação do relógio de luxo de Maradona.

Relógio do ex-jogador foi recuperado na Índia / Reprodução / Polícia de Assam

Maradona morreu em novembro de 2020 devido a uma insuficiência cardíaca, aos 60 anos.

A estrela argentina levou seu país à vitória na Copa do Mundo de 1986, mas depois lutou contra o alcoolismo e outros vícios.

Mais Recentes da CNN