Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que tantas empresas ocidentais permanecem na Rússia mesmo com altos riscos

    Companhias de petróleo, montadoras, empresas de tecnologia, consultorias e bancos lideraram a onda inicial de saídas; outras empresas como Nestlé, Heineken e Mondelez ficaram paradas

    Uma linha de produção na fábrica de laticínios da Danone em Lyubuchany, Rússia.
    Uma linha de produção na fábrica de laticínios da Danone em Lyubuchany, Rússia. Andrey Rudakov/Bloomberg/Getty Images

    Hanna Ziadyda CNN

    Londres

    Quando a Rússia lançou sua invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022, uma série de empresas ocidentais saiu em protesto. Mas algumas das maiores empresas do mundo – incluindo Nestlé, Heineken e a fabricante de salgadinhos Mondelez – ficaram paradas.

    Mais de um ano depois, as empresas que optaram por permanecer na Rússia estão em uma posição cada vez mais difícil: sair tornou-se mais caro e complexo, enquanto ficar ficou mais arriscado.

    As empresas agora se encontram presas entre as sanções ocidentais e a indignação pública, por um lado, e um governo russo cada vez mais hostil, por outro. O Kremlin está tornando mais difícil para as empresas ocidentais venderem seus ativos russos – e impondo grandes descontos e impostos punitivos quando o fazem.

    A experiência da fabricante de iogurte francesa Danone (DANOY) e da cervejaria dinamarquesa Carlsberg (CABGY) fornece um exemplo assustador do tipo de intervenção estatal de longo alcance que poderia acontecer com outras empresas estrangeiras que esperavam bater em retirada da Rússia.

    Veja também: China e Rússia declaram parceria para driblar Ocidente

    Ambas as empresas estavam finalizando as vendas para compradores locais quando o presidente Vladimir Putin assinou um pedido nacionalizando seus ativos locais no início deste mês.

    A Carlsberg disse que o desenvolvimento significa que as perspectivas de venda de sua Baltika Breweries – uma das maiores empresas de bens de consumo da Rússia – agora são “altamente incertas”.

    A “janela de oportunidade para sair da Rússia está quase fechada”, disse Maria Shagina, especialista em sanções do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, à CNN. “As empresas ocidentais agora estão presas entre a cruz e a espada.”

    Escolhas difíceis

    Mais de 1.000 empresas estrangeiras saíram ou suspenderam as operações na Rússia desde o início da guerra, segundo pesquisadores da Universidade de Yale.

    Estimuladas por amplas sanções ocidentais, companhias de petróleo, montadoras, empresas de tecnologia, consultorias e bancos lideraram a onda inicial de saídas. O McDonald’s (MCD) vendeu mais de 800 restaurantes locais, perdendo bem mais de US$ 1 bilhão no processo.

    A BP (BP) , por sua vez, assumiu um encargo de US$ 24,4 bilhões por abrir mão de sua participação de 19,75% na Rosneft, a maior empresa petrolífera da Rússia. A medida também afetou as reservas de petróleo e gás da gigante britânica de energia.

    Mas mesmo após o êxodo em massa de grandes corporações, os pesquisadores de Yale estimam que mais de 200 empresas de todo o mundo continuam a fazer negócios normalmente na Rússia.

    Outras 178 empresas estão “ganhando tempo”, o que significa que suspenderam novos investimentos e reduziram suas operações, mas ainda estão presentes no país.

    Unilever (UL) , Nestlé, Mondelez e Procter & Gamble (PG) — as maiores empresas de bens de consumo do mundo — se enquadram nessa categoria.

    Café Nescafé, produzido pela Nestlé, em uma loja em Moscou em março de 2022. / Konstantin Zavrazhin/Getty Images

    Embora variem os motivos exatos que cada empresa dá para ficar, temas comuns incluem a preocupação com o bem-estar dos funcionários e suas famílias na Rússia, bem como as obrigações para com os parceiros locais, incluindo os agricultores.

    As empresas também dizem que estão entregando suprimentos vitais para pessoas comuns e alguns argumentam que abandonar seus ativos russos apenas aumentaria o baú de guerra do Kremlin, dando-lhe acesso fácil a novas fontes de receita.

    Para ter certeza, a venda não é direta e vem com penalidades pesadas. As empresas são obrigadas a vender seus ativos com 50% de desconto em relação ao valor de mercado e pagar uma taxa considerável ao Kremlin.

    As empresas americanas precisariam de permissão do Tesouro para pagar essa taxa, de acordo com orientação emitida pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros em março.

    As sanções ocidentais contra quase 2.000 indivíduos e entidades complicam ainda mais o quadro, tornando difícil encontrar compradores legítimos.

    A opção “menos ruim”

    “Não pretendemos contribuir ainda mais para a capacidade do Estado russo”, disse o CEO da Unilever, Hein Schumacher, a jornalistas na terça-feira (25).

    Com esse objetivo em mente, a empresa – que pagou 3,8 bilhões de rublos (US$ 42,2 milhões) em impostos ao governo russo em 2022 – não conseguiu encontrar uma “solução viável” envolvendo a venda de suas operações no país, acrescentou. .

    Abandonar seus negócios na Rússia, que tem 800 milhões de libras (US$ 884 milhões) em ativos, incluindo quatro fábricas, só aumentaria o risco de nacionalização, o que deixa a Unilever sem outra opção a não ser continuar operando, disse Schumacher.

    “Nenhuma das opções é realmente boa, mas… operar de maneira restrita é a menos ruim.”

    Um porta-voz da Nestlé, que tem seis fábricas e cerca de 7.000 funcionários na Rússia, disse à CNN que havia “reduzido drasticamente” sua gama de produtos no país para fornecer apenas “alimentos essenciais e básicos para a população local”.

    A Procter & Gamble não respondeu a um pedido de comentário, mas a empresa disse anteriormente que “se concentraria em itens básicos de saúde, higiene e cuidados pessoais necessários para muitas famílias russas que dependem deles em suas vidas diárias”.

    A Mondelez disse em junho que planejava “ter o negócio da Rússia autônomo com uma cadeia de suprimentos autossuficiente” até o final do ano. “Se suspendêssemos todas as nossas operações, correríamos o risco de entregar todas as nossas operações a outra parte que poderia usar todos os recursos para seus próprios interesses”, acrescentou.

    Mas as ações do Kremlin contra a Danone e a Carlsberg – e antes delas a empresa de energia alemã Uniper e a finlandesa Fortum Oyj, cujas concessionárias russas foram apreendidas em abril – destacam que mesmo as empresas que permanecerem podem ser alvo de nacionalização.

    Para o professor de Yale Jeffrey Sonnenfeld, que lidera a equipe que monitora as respostas das empresas estrangeiras à guerra, sair é a única escolha legítima. “A ideia é aumentar o nível de desconforto, para que [o povo russo] comece a perguntar quem é o autor de seu infortúnio”, disse Sonnenfeld à CNN no início deste mês.

    (Olesya Dmitracova contribuiu com reportagem)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original