Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Porto de Baltimore pode reabrir em maio, diz especialista

    O primeiro trabalho no local será remover os restos da ponte que caíram na proa do navio e, em seguida, remover o próprio navio

    Vista da ponte que desabou em Baltimore
    Vista da ponte que desabou em Baltimore 26/3/2024 Harford County MD Fire & EMS/Divulgação

    Chris Isidoreda CNN

    Os trabalhadores de demolição podem abrir um canal para que os navios entrem e saiam do Porto de Baltimore em até um mês, assim que o equipamento necessário chegar ao local, de acordo com um especialista no campo familiarizado com as discussões em andamento.

    O especialista, que falou com a CNN em condição de anonimato, disse que provavelmente levará mais tempo do que isso para remover todos os detritos da Ponte Francis Scott Key que caiu no rio Patapsco depois que um dos pilares que sustentam a ponte foi atingido pelo navio de contêineres Dali na manhã de terça-feira (26).

    No entanto, o especialista disse que limpar a área de 366 metros entre os dois pilares que sustentavam o vão principal da ponte será suficiente para reabrir o porto ao tráfego. Isso porque os grandes navios de carga e passageiros que chegam ao porto precisam permanecer em um canal onde o Pataspco tem a profundidade necessária de 15 metros. Esse canal está no meio daquele vão de 366 metros.

    Um guindaste pesado chegou ao local no porto de Baltimore na quinta-feira (28), disse o diretor de assuntos intergovernamentais da Casa Branca, Tom Perez, em entrevista à MSNBC. Mas outros equipamentos também serão necessários lá, e os contratos precisarão ser assinados antes que o trabalho de demolição possa começar.

    O primeiro trabalho no local será remover os restos da ponte que caíram na proa do navio e, em seguida, remover o próprio navio, de acordo com o especialista que falou com a CNN. Ele disse que remover o navio sem afundar pode ser difícil por si só porque sua proa foi empalada quando atingiu a coluna de suporte.

    O especialista disse que tubulações perto da ponte podem tornar a remoção dos detritos da ponte mais desafiadora.

    Uma grande tubulação de água e de gás natural atravessam o fundo do rio perto de onde a ponte ficava. As duas tubulações passam por baixo das linhas de energia que correm paralelas ao local onde a ponte estava, a cerca de 60 metros do antigo convés da ponte.

    O tempo para a reabertura do canal dependerá de uma série de fatores que os especialistas ainda não sabem, porque eles ainda estão examinando o local. Dependerá da experiência das empresas trazidas para conduzir a demolição.

    De acordo com o governo estadual de Maryland, o porto emprega diretamente mais de  15.300 pessoas e quase 140 mil empregos em serviços relacionados. Esses são empregos em terra, e não inclui tripulações dos vários navios que fazem escala no porto. É o maior destino do país para embarques marítimos de carros e caminhões e o 9º maior porto de carga nos Estados Unidos.

    Mas nenhum navio pode fazer escala no porto até que o canal seja reaberto. O presidente Joe Biden disse na terça-feira (26) que reabrir o porto é uma prioridade.

    “Vamos fazer tudo o que pudermos para proteger esses empregos e ajudar esses trabalhadores”, disse ele.

    Há também um problema de perda de renda para os navios presos no porto que não podem sair.

    Os navios que permanecem no porto são três graneleiros, um transportador de veículos, dois navios de carga geral, um petroleiro de petróleo/produtos químicos e três navios de logística naval, de acordo com uma contagem do Porto de Baltimore.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original