Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Premiê do Reino Unido sofre abalo após vice renunciar por acusações de intimidar autoridades

    Rishi Sunak afirmou que recebeu a renúncia de Dominic Raab com "grande tristeza"

    Peter Wilkinsonda CNN

    O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, sofreu um sério golpe em seu cargo de primeiro-ministro nesta sexta-feira (21), quando um de seus aliados mais próximos renunciou devido a alegações de que ele intimidava autoridades.

    Em uma carta de demissão publicada nas redes sociais nesta sexta, Dominic Raab afirma que decidiu deixar o cargo de vice-primeiro-ministro e secretário de Justiça após que uma investigação oficial concluiu que algumas das acusações feitas contra ele eram justificadas.

    Sunak disse que aceitou a renúncia de Raab com “grande tristeza”.

    A revisão de Raab, conduzida pelo investigador independente Adam Tolley, seguiu-se a oito queixas formais sobre seu comportamento enquanto atuava como ministro das Relações Exteriores, secretário do Brexit e secretário de Justiça.

    “Convoquei o inquérito e comprometi-me a demitir-me, caso fosse constatado qualquer tipo de assédio moral. Acredito que é importante manter minha palavra”, disse ele.

    Ele acrescentou que o inquérito sobre a alegação “rejeitou todas, exceto duas das reivindicações feitas contra mim” e “concluiu que eu nunca, em quatro anos e meio, xinguei ou gritei com alguém, muito menos joguei qualquer coisa ou intimidei fisicamente alguém, nem intencionalmente procurei menosprezar ninguém.”

    O relatório, publicado na íntegra após a renúncia de Raab nesta sexta, concluiu que “ele agiu de forma intimidadora, no sentido de conduta agressiva desmedida e persistente no contexto de uma reunião de trabalho. Também envolveu abuso ou uso indevido de poder de uma forma que prejudique ou humilhe”.

    O documento ainda diz que a “conduta de Raab foi sentida como prejudicial ou humilhante pelo indivíduo afetado, o que era inevitável. Deve-se inferir que [Raab] estava ciente de que esse seria o efeito de sua conduta; no mínimo, ele deveria estar ciente.”

    Raab também disse acreditar que o relatório estabelece um “precedente perigoso ao estabelecer um limite tão baixo para o bullying” e disse que suas conclusões eram “falhas”.

    Raab ocupou vários cargos de destaque desde que ingressou no governo como ministro júnior em 2015. Além de servir como vice-primeiro-ministro, ele também foi secretário de justiça e Lorde Chanceler no governo do primeiro-ministro Rishi Sunak.

    Ele foi secretário de Relações Exteriores durante a era de Boris Johnson, mas foi afastado após receber fortes críticas depois da retirada do Reino Unido do Afeganistão.

    Raab estava de férias na Grécia quando o Talibã assumiu o controle do Afeganistão.

    Ele enfrentou exigências para sua renúncia depois que surgiu que, não muito antes da queda de Cabul, ele pediu a um deputado para atender uma ligação urgente com o ministro das Relações Exteriores afegão sobre a evacuação de intérpretes que trabalharam com as forças armadas britânicas. A ligação nunca aconteceu.

    Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista de oposição, criticou Sunak por deixar Raab renunciar, em vez de demiti-lo.

    À BBC nesta sexta, Starmer disse que a decisão mostrava “fraqueza de cima a baixo” do governo. “Há uma dupla fraqueza aqui. Ele nunca deveria tê-lo nomeado e depois não o demitiu”, acrescentou.

    Renúncia pode prejudicar Sunak

    A renúncia de Raab é um golpe para Sunak que, apesar de vir da direita do Partido Conservador, foi pintado como mais brando do que seus predecessores Liz Truss e Johnson.

    A comparação com Johnson é particularmente pertinente, já que Sunak serviu como seu chanceler do Tesouro durante a pandemia, apenas para oferecer sua renúncia quando os escândalos envolveram o então primeiro-ministro.

    Os aliados de Johnson acreditam que a renúncia de Sunak acabou levando ao fim de seu cargo de primeiro-ministro e não o perdoaram.

    Raab, que lembrou a Sunak em sua carta de demissão que tem sido leal desde a tentativa fracassada de Sunak de assumir a liderança no verão passado, é visto como um defensor firme do Brexiteer e uma pedra angular da direita do partido.

    Ele chamou a atenção do movimento eurocético em 2014, quando liderou uma rebelião de 81 parlamentares contra o então primeiro-ministro e ardente eurófilo David Cameron.

    Raab reforçou as credenciais de direita de Sunak, ajudando a promover políticas que exigiam trazer essa seção do partido com ele.

    Embora Raab tenha prometido lealdade a Sunak, os ex-ministros podem criar problemas nas bancadas, se assim o desejarem.

    A questão agora é se Raab quer ou não fazer isso. Ele é sinceramente leal a Sunak e entende que o primeiro-ministro é realmente um aliado político à direita do partido.

    No entanto, sua carta de demissão implica que Raab estava muito infeliz por ter que deixar o governo.

    Os próximos dias nos dirão mais sobre até que ponto Raab foi empurrado ou saltado. Se for o primeiro, ele pode ter motivos para dificultar a vida de Sunak mais tarde, quando ele lutar com os aliados de Johnson à direita do partido.

    Raab é o segundo aliado de Sunak a renunciar devido a acusações de bullying em menos de seis meses. O ministro do gabinete, Gavin Williamson, renunciou ao cargo em novembro devido às acusações, que ele negou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original