Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Presidentes da Rússia, Turquia e Irã se encontram em Teerã nesta terça (19)

    Conversas devem envolver questões sobre a Síria e exportação de grãos ucranianos

    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou
    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou Reuters (24.fev.2022)

    Renata Souzada CNN

    em São Paulo

    Nesta terça-feira (19), o presidente russo, Vladimir Putin, viajará a Teerã para conversar com o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, e o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

    É a primeira viagem de Putin para um país externo à antiga União Soviética desde a invasão da Ucrânia, em 24 de fevereiro.

    “Haverá uma reunião dos chefes dos estados garantidores do processo de Astana, um processo para promover a regulamentação síria”, disse o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, anteriormente.

    Segundo Peskov, além da reunião entre os três líderes, o presidente russo deve conversar individualmente com Erdogan.

    As negociações com o líder turco se concentrarão em um plano para retomar as exportações ucranianas de grãos e a ameaça da Turquia de lançar novas operações militares na Síria.

    “As discussões com Putin se concentrarão em grãos, Síria e Ucrânia”, disse um alto funcionário turco que pediu anonimato. “As negociações tentarão resolver os problemas sobre as exportações de grãos.”

    Rússia, Ucrânia, Turquia e a Organização das Nações Unidas (ONU) devem assinar um acordo ainda esta semana com o objetivo de retomar o transporte de grãos da Ucrânia através do Mar Negro.

    Em relação ao Irã, o chefe da Comissão Econômica do Parlamento do Irã, Mohammadreza Pour-Ebrahimi, disse à agência de notícias estatal iraniana IRNA na última terça-feira (12) que a visita de Putin a Teerã deve envolver, principalmente, a tentativa de expansão dos laços econômicos entre o país e a Rússia.

    Pour-Ebrahimi afirmou que após a recente viagem do presidente do Irã à Rússia, “uma atmosfera positiva foi criada” em relação à cooperação econômica os dois países.

     

    *Com informações da CNN e da Reuters