Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Protestos por lockdown de Xian testam limites da política de Covid zero da China

    Desde dezembro, a cidade luta contra o maior surto de coronavírus em uma comunidade da China desde Wuhan, o epicentro original da pandemia

    Xian, China
    Xian, China China Daily via REUTERS

    Nectar GanSteve Georgeda CNN

    Ouvir notícia

    Para os residentes da cidade de Xian, no noroeste da China, o início de 2022 se parece muito com 2020 – só que pior.

    Desde dezembro, a antiga cidade luta contra o maior surto de coronavírus na comunidade da China desde Wuhan, o epicentro original da pandemia.

    Até o momento, mais de 1.600 casos foram relatados na cidade. Embora o número diminua em comparação com os de muitos outros países, o surto empurrou o número de casos da China na semana final de 2021 para o nível mais alto desde março de 2020.

    Por 12 dias e contando, os 13 milhões de residentes de Xian ficaram confinados em suas casas. A cidade, que antes era um centro turístico, deu as boas-vindas ao ano novo com ruas desertas, lojas fechadas, complexos residenciais fechados e um aeroporto vazio.

    O lockdown é o maior e mais rígido desde Wuhan, que isolou 11 milhões de pessoas no início de 2020.
    Mas também está entre os mais caóticos, deixando os moradores com falta de alimentos e outros suprimentos essenciais e afetando o acesso a serviços médicos.

    Uma onda de raiva e frustração no governo local se seguiu, ressaltando o desafio crescente enfrentado pela política de Covid zero da China, que se baseia em um manual de testes em massa, quarentenas extensas e bloqueios instantâneos para impedir qualquer ressurgimento do vírus.

    Por quase dois anos, essas medidas rigorosas protegeram a maioria do país dos piores aspectos da pandemia, conquistando o esmagador apoio público. Mas, como os surtos locais continuam a aumentar, o clamor em Xian levanta a questão de quanto tempo Covid zero pode ser sustentado antes que o apoio público comece a diminuir, com milhões de residentes presos em um ciclo aparentemente interminável de lockdowns.

    Durante a semana passada, a mídia social chinesa foi inundada com gritos de ajuda e críticas sobre a incompetência do governo local de Xian. Os residentes inundaram comentários na transmissão ao vivo de uma entrevista coletiva do governo, o que levou autoridades envergonhadas a desabilitar todos os comentários.

    Apesar de alguma censura, a questão continuou ganhando força. No Weibo, uma plataforma semelhante ao Twitter da China, a hashtag “Fazer compras em Xian é difícil” foi vista 380 milhões de vezes até esta segunda-feira (3).

    Muitos expressaram frustração por não terem estocado alimentos com antecedência porque as autoridades locais lhes garantiram repetidamente que os suprimentos de comida eram abundantes e não havia necessidade de pânico.

    Nos primeiros dias do bloqueio, cada família teve permissão para enviar uma pessoa designada para comprar mantimentos a cada dois dias. Mas, à medida que os casos continuavam a aumentar, Xian tornou ainda mais rígidas as medidas de lockdown, exigindo que todos os residentes ficassem em casa, a menos que tenham permissão para sair para fazer exames em massa.

    “Anteriormente, eu achava que aqueles compradores em pânico eram estúpidos. Agora percebi que sou o estúpido”, disse um comentário no Weibo.

    Diante do clamor público, as autoridades locais prometeram entregas constantes de mantimentos para os residentes, com a mídia estatal divulgando imagens de alimentos chegando a complexos residenciais. Embora a escassez de suprimentos tenha diminuído em alguns bairros, outros moradores reclamaram nas redes sociais – inclusive em comentários abaixo de postagens na mídia estatal – que não haviam recebido essas entregas em suas comunidades.

    Enquanto isso, a abordagem agressiva adotada em algumas áreas para impor o bloqueio alimentou ainda mais a indignação.

    Na sexta-feira, surgiu uma filmagem no Weibo de um homem sendo espancado por funcionários de prevenção da Covid nos portões de um complexo residencial, quando tentou entrar com um saco de pães.

    O vídeo, que imediatamente se tornou viral, mostrou os pães espalhados pelo chão enquanto o homem tombava. O clamor que se seguiu gerou um comunicado da polícia, segundo o qual os dois agressores foram punidos com prisão de sete dias e multa de 200 yuans (cerca de R$ 150,00).

    Para alguns, o custo do bloqueio era muito alto. Na semana passada, a mídia estatal noticiou dois incidentes em que indivíduos fizeram de tudo para escapar de Xian antes que as restrições surgissem.

    Um homem caminhou por 100 quilômetros pela cordilheira Qinling a partir do aeroporto de Xian, evitando vários pontos de controle da vila no caminho antes de ser finalmente localizado e colocado em quarentena em 24 de dezembro, oito dias após sua jornada, de acordo com uma declaração da polícia do condado de Ningshan.

    Em outro incidente, um homem pedalou por 10 horas durante a noite em temperaturas quase congelantes na tentativa de retornar para sua cidade natal, depois que soube que Xian seria “trancada” no dia seguinte. Ele foi colocado em quarentena e multado em 200 yuans, de acordo com um comunicado da polícia do condado de Chunhua.

    Apesar das dificuldades, as autoridades de Xian prometeram repetidamente sua resolução de conter o surto em público.

    Em uma entrevista coletiva no domingo, Liu Guozhong, o chefe do Partido Comunista da província de Shaanxi, da qual Xian é a capital, prometeu “elevar ainda mais nossos ânimos, fortalecer a consciência de alcançar 100% de prevenção, controle e isolamento, priorizar a prevenção de epidemias e controle em vilas urbanas, e alcançar a meta de trazer os casos de volta a zero na sociedade o mais rápido possível.”

    Em uma demonstração de determinação, o secretário do partido do distrito de Yanta, uma das áreas mais afetadas pelo surto, foi demitido, juntando-se a uma longa lista de autoridades locais que foram demitidas por não conterem as explosões de Covid.

    As medidas severas de bloqueio parecem estar funcionando. No domingo, a contagem de casos diários de Xian caiu pela primeira vez em mais de uma semana para 122, seguido pelos 90 casos de segunda-feira.

    Se a tendência continuar, provavelmente levará apenas algumas semanas até que Xian contenha com sucesso seu surto, como outras cidades fizeram no passado. Mas não será a última vez que o coronavírus – e a resposta rigorosa para erradicá-lo – causa uma perturbação significativa na vida diária e na economia local.

    Por enquanto, é uma meta zero-Covid que a China parece determinada a atingir – mesmo que leve a paciência do público ao limite.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN