Putin diz que Rússia deve ter imunidade de rebanho contra Covid-19 até novembro

Presidente fez previsão em discurso anual sobre o estado da nação nas duas casas do Parlamento depois de apelar para que população tome vacina contra a doença

Putin pediu para a população se vacinar contra Covid-19 para que país atinja imunidade de rebanho até novembro
Putin pediu para a população se vacinar contra Covid-19 para que país atinja imunidade de rebanho até novembro Foto: Sefa Karacan - 21.abr.2021/Anadolu Agency via Getty Images

Reuters

Ouvir notícia

 O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse na quarta-feira (21) que a população do país deve atingir a imunidade coletiva contra a Covid-19 até o outono – entre setembro e novembro – e pediu aos russos que se vacinem contra o coronavírus.

“A vacinação tem um significado central agora. Peço ao governo, ao ministério da Saúde e ao chefe das regiões para lidar com essas questões diariamente. Todos devem ter a oportunidade de ser vacinados, pois isso permitirá que a chamada imunidade coletiva seja desenvolvida no outono”, afirmou Putin em discurso anual nas duas casas do Parlamento sobre o estado da nação.

A Rússia vacinou mais de 8 milhões entre seus mais de 144 milhões de cidadãos, disse um funcionário do alto escalão do governo na semana passada – não está claro quantos deles receberam as duas doses. O Kremlin disse que a demanda pela vacinação na Rússia é decepcionante.

Putin, que recebeu a segunda dose da vacina na semana passada, usou seu discurso aos funcionários do alto escalão do governo e para ambas as casas do Parlamento para pedir a mais russos que façam o mesmo.

“A solução para este problema está nas nossas e nas suas mãos, nas mãos de todos os cidadãos. Mais uma vez, dirijo-me a todos os cidadãos russos com o apelo: sejam vacinados. Esta é a única maneira de bloquear esta pandemia mortal.”

A Rússia tem três vacinas aprovadas contra o coronavírus, a mais conhecida delas é a Sputnik V. Moscou também aprovou o uso da EpiVacCorona e da CoviVac.

Mais Recentes da CNN