Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Quarteirões arrasados em Mariupol confirmam forte bombardeio nas últimas semanas

    Imagens de condomínios de apartamentos em ruínas e marcas do ataque a teatro da cidade portuária foram registradas por satélite

    Paul P. Murphyda CNN

    Ouvir notícia

    Quarteirões inteiros no centro da cidade de Mariupol foram arrasados, um nível de destruição antes não visto na cidade sitiada ucraniana, mostram novas imagens de satélite da Maxar Technologies.

    Com comunicações dentro e fora de Mariupol inexistentes, as imagens são a primeira atualização visual nos últimos dias que não vieram da propaganda russa.

    As imagens confirmam o que os dados sensoriais de satélite da Nasa captaram: dezenas de explosões aconteceram em Mariupol e em seus arredores.

    A área a leste do teatro bombardeado, onde as autoridades acreditam que cerca de 300 pessoas morreram após um ataque russo, está em ruínas. Em uma imagem de satélite, os telhados sumiram ou foram significativamente danificados em quase todos os edifícios.

    No leste de Mariupol, outra área residencial sofreu destruição semelhante. Cada casa em dois complexos de apartamentos separados está destruída.

    Outro condomínio no sudeste de Mariupol, perto da fábrica de ferro e aço Azovstal, foi destruído. A CNN já confirmou anteriormente que as tropas russas e os combatentes chechenos têm estado ativos perto deste local.

    As imagens de satélite também mostram os sobreviventes da carnificina.

    Fora do supermercado Metro, em Mariupol ocidental, centenas de pessoas são vistas reunidas em filas, esperando para entrar no prédio. Seu telhado tem buracos gerados por ataques militares.

    O prefeito de Mariupol estimou na segunda-feira (28) que cerca de 160.000 pessoas permanecem na cidade.

    Logo ao nordeste da cidade, são vistas posições militares russas, incluindo veículos estacionados diretamente ao lado de casas. As posições de artilharia rebocada são vistas a nordeste desses veículos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN