Quatro pontos para observar no primeiro discurso do Estado da União de Joe Biden

Invasão da Ucrânia estará entre principais pontos, que devem incluir aumento da inflação, problemas da cadeia de suprimentos e os altos preços da gasolina

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden Getty Images

Maegan Vazquezda CNN

Ouvir notícia

O presidente Joe Biden fará seu primeiro discurso do Estado da União no Capitólio na noite desta terça-feira (1º), uma chance para ele expor sua agenda doméstica e falar ao mundo durante a crise internacional que acontece na Europa.

Durante o discurso, marcado para começar às 21h (horário de Washington, D.C.), ou às 23h (horário de Brasília), espera-se que o presidente se concentre fortemente no conflito na Ucrânia e reconheça os desafios econômicos que os americanos continuam enfrentando como resultado do aumento da inflação, problemas globais da cadeia de suprimentos e os altos preços nas bombas de gasolina.

Mas à medida que o país se aproxima das eleições de meio de mandato em novembro, Biden também certamente reconhecerá suas vitórias políticas desde que assumiu o cargo e traçará um caminho para um “novo normal” em meio à pandemia de Covid-19.

Seguindo para o principal discurso, a última pesquisa da CNN sobre o índice médio de aprovação de Biden ficou em 40% de aprovação contra 54% de desaprovação – indicando que pouco mudou em relação aos números desde o início de fevereiro. E de acordo com uma recente pesquisa da CNN realizada pelo SSRS, apenas 42% dos entrevistados disseram que confiavam de forma moderada no presidente para tomar as decisões corretas sobre a situação na Ucrânia.

Aqui está o que observar durante o discurso do Estado da União de Joe Biden:

Defesa da  Ucrânia

Autoridades da Casa Branca e aliados disseram que a guerra na Ucrânia se tornará um foco importante para os comentários de Biden, um pivô que ocorreu quando a Rússia invadiu o país do leste europeu.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, reconheceu na segunda-feira (28) que o conflito terá um papel desproporcional no discurso do presidente, dizendo em um resumo que “não há dúvida de que este discurso é um pouco diferente do que teria sido apenas alguns meses atrás”.

Psaki disse que é esperado que Biden exponha os esforços que empreendeu “para reunir o mundo para defender a democracia e contra o ataque russo”.

Biden, que há muito afirma que a batalha entre autocracias e democracias seria o desafio de sua vida, deve discutir a importância dos EUA como líder global e os esforços que ele fez para mitigar os impactos da guerra na Ucrânia sobre os americanos, como o aumento dos preços do gás, por exemplo.

Ele também falará sobre as medidas que os EUA tomaram para atacar o presidente russo Vladimir Putin e seu círculo íntimo pelos atos de guerra da Rússia contra a Ucrânia. “E ele falará sobre as medidas que tomou para mitigar o impacto da invasão da Ucrânia pelo presidente Putin na economia global e no povo americano”, acrescentou Psaki.

Medidas para impulsionar a economia

Biden falará sobre inflação durante seu discurso, diz a Casa Branca, delineando um novo plano para reduzir custos para as famílias americanas. E embora ele promova os ganhos econômicos do ano passado, espera-se que o presidente enfatize que há “mais trabalho” a ser feito para reduzir custos, segundo as autoridades – um reconhecimento de que, apesar de uma forte recuperação, muitos americanos ainda estão pessimistas em relação à economia.

A Casa Branca diz que o presidente estabelecerá especificamente um plano de quatro pontos para reduzir custos para as famílias americanas e continuar a recuperação econômica dos EUA em meio à pandemia: fabricar mais mercadorias nos Estados Unidos, reduzir despesas diárias, promover concorrência justa e eliminar barreiras à “empregos bem remunerados” para os trabalhadores americanos.

Junto com os novos esforços anunciados, Biden falará sobre como o trabalho de seu governo ajudou na recuperação econômica do país.

É esperado que ele convoque o Congresso para agir em aspectos de sua legislação de gastos sociais, a “Build Back Better” (Reconstrua Melhor, na tradução livre), que está paralisada no Congresso desde que o senador democrata Joe Manchin, da Virgínia Ocidental, anunciou que se oporia ao projeto.

Mas um funcionário do alto escalão do governo que revisou os comentários desta terça-feira não disse se Biden pediria explicitamente a aprovação do Build Back Better, apenas um mês depois que Manchin disse a repórteres que a legislação estava “morta”. 

Um ‘novo normal’

Pela primeira vez desde que assumiu o cargo, Biden fará um discurso conjunto ao Congresso em uma Câmara cheia, onde as máscaras de proteção são opcionais – uma grande mudança em relação ao seu discurso no ano passado, que contou com um público usando máscara, com assentos extremamente limitados e socialmente distantes.

O simbolismo da noite ocorre em meio a mudanças nas orientações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA sobre o uso de máscaras e o trabalho da Casa Branca para desenvolver uma estratégia para a próxima fase da pandemia.

É esperado que Biden aborde a evolução da pandemia e a resposta da América durante o discurso. Seus comentários vêm antes do lançamento de um novo documento de estratégia para a Covid-19.

Liderados pelo coordenador de resposta à Covid-19, Jeff Zients, funcionários da Casa Branca passaram semanas elaborando um novo documento, descrevendo a estratégia do governo para enfrentar a próxima fase da pandemia, disseram autoridades. Espera-se abordar como a nação pode mitigar os impactos da Covid enquanto restabelece um senso de normalidade no país.

Voltas de vitória política

Os democratas enfrentam uma batalha difícil para manter o controle da Câmara quando chegarem às eleições de meio de mandato em novembro. E está claro que eles esperam que o presidente possa entregar uma mensagem para comemorar as vitórias dele e de seu partido que chegue aos eleitores e aumente seus números nas pesquisas.

Biden, que começou o segundo ano de seu mandato com um dos índices de aprovação mais baixos de um presidente moderno, reconheceu que seu governo não utilizou adequadamente suas vitórias políticas.

O chefe de gabinete da Casa Branca, Ron Klain, disse aos democratas da Câmara em meados de fevereiro que esperava que o discurso aumentasse as pesquisas de Biden, em parte demonstrando liderança em segurança nacional e mostrando empatia pelos americanos frustrados com a Covid-19 e a inflação. A recente nomeação histórica da juíza Ketanji Brown Jackson para a Suprema Corte também deveria ser um impulso.

Mas alguns democratas, como o senador Dick Durbin, de Illinois, presidente do Comitê Judiciário, alertaram que a agenda doméstica do presidente e quaisquer realizações que ele delinear durante o discurso foram efetivamente “encobertas pela Ucrânia”.

O discurso ocorre na mesma noite em que a temporada de eleições de meio de mandato efetivamente começa com as eleições primárias no Texas. É a primeira eleição estadual a ser realizada sob a nova lei de votação restritiva do Texas, e Biden fez dos direitos de voto um foco importante nos últimos meses, embora tenha sido impedido de aprovar uma legislação federal para resolver o problema.

As votações serão encerradas em todo o estado às 21h (horário de Washington, D.C.), ou 23h (horário de Brasília), enquanto o discurso de Biden está em andamento, mas a maioria das pesquisas no estado fechará uma hora mais cedo.

Como assistir

A CNN Brasil transmitirá o discurso na íntegra, com análises de nosso elenco. Acompanhe a partir das 23h (horário de Brasília).

Com informações de: Jennifer Agiesta, Ariel Edwards-Levy e Jeremy Diamond

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN