Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Que sinais os EUA observam e que podem indicar uma invasão da Rússia na Ucrânia

    Com mais de 100 mil soldados russos na fronteira ucraniana, oficiais de inteligência examinam as últimas manobras táticas para tentar antecipar quando Moscou lançará invasão

    Membros das Forças Armadas da Rússia durante exercícios militares na região de Rostov
    Membros das Forças Armadas da Rússia durante exercícios militares na região de Rostov Reuters/Sergey Pivovarov

    Jeremy HerbKatie Bo LillisBarbara StarrSean Lyngaasda CNN

    Ouvir notícia

    Pode ser um ataque cibernético visando a rede de energia da Ucrânia. Ou o movimento de batalhões e tanques russos ao longo da fronteira e no campo de tiro. Ou, talvez, até um ataque de mísseis de longo alcance.

    Todos são sinais em potencial que autoridades americanas e europeias estão monitorando de perto, o que pode revelar que o presidente Vladimir Putin está avançando com uma invasão da Ucrânia.

    Com mais de 100.000 soldados russos reunidos ao longo da fronteira ucraniana – um número que continua a crescer – oficiais militares e de inteligência estão examinando as últimas manobras táticas para tentar antecipar quando Moscou pode mudar de ameaçar uma invasão para lançar uma.

    Autoridades dos EUA dizem que estão monitorando de perto as invasões cibernéticas, como o ataque que atingiu o governo da Ucrânia no mês passado. Eles estão observando não apenas as tropas russas que se acumulam na fronteira, mas onde estão posicionadas, e estão de olho no que a Rússia está fazendo com seus equipamentos, como tanques, que seriam fundamentais para qualquer invasão terrestre.

    Ao mesmo tempo, atuais e ex-funcionários do governo dizem à CNN que, em última análise, pode não haver uma dica clara para um ataque à Ucrânia. Como o estrondo de um terremoto, pode haver pouco ou nenhum aviso prévio de uma invasão antes que ela já esteja em andamento, dizem as autoridades.

    “Se você olhar para as opções de baixo custo, todas executáveis ​​imediatamente com pouco ou nenhum aviso com as forças que já estão mobilizadas – coisas como um ataque punitivo ou ataque no leste, uma fuga do sul, um ataque de no norte – essas forças já estão em posição e no número certo com a capacidade certa”, disse um oficial de inteligência ocidental à CNN.

    O ex-diretor de Inteligência Nacional James Clapper disse à CNN que os EUA podem não ver o início de uma invasão. “Se ele atirar em Kiev ou em qualquer outra grande cidade, então você sabe que é um negócio real”, disse Clapper.

    A avaliação ajuda a explicar por que o presidente Joe Biden e altos funcionários dos EUA alertaram que uma invasão russa é iminente – uma explicação que irritou as autoridades ucranianas – porque o Kremlin pode precisar de muito pouco tempo antes que um ataque seja lançado.

    Invasão pode acontecer ‘qualquer dia agora’

    Embora a Casa Branca tenha dito que não chamaria mais uma invasão russa de “iminente”, um membro do governo disse que a avaliação de que um ataque poderia acontecer “a qualquer momento” continua válida, já que os russos adicionaram logística e apoio às suas forças na fronteira, bem como armas ofensivas e defensivas adicionais.

    Autoridades russas negaram repetidamente que estão se preparando para invadir a Ucrânia, acusando o Ocidente de ser responsável pela escalada das tensões no país.

    A Casa Branca aprovou na quarta-feira um plano apresentado pelo Pentágono para os quase 2.000 soldados norte-americanos na Polônia para ajudar os americanos que podem tentar evacuar a Ucrânia se a Rússia invadir, de acordo com duas autoridades americanas familiarizadas com o assunto.

    As forças dos EUA não estão atualmente autorizadas a entrar na Ucrânia se uma guerra irromper, e não há planos para eles conduzirem uma evacuação como a operação dos EUA no Afeganistão no ano passado, enfatizaram as autoridades.

    Biden também sugeriu que os americanos devem deixar a Ucrânia agora, e funcionários do Departamento de Estado disseram que podem não estar em posição de ajudar os americanos que ainda estão no país se a Rússia invadir.

    Autoridades dizem que há uma distinção entre diferentes cenários potenciais, se a Rússia ataca a Ucrânia de maneira direcionada ou se o Kremlin está se preparando para uma invasão em grande escala do país para tentar derrubar o governo em Kiev. No último caso, os russos precisariam de mais tropas ao longo da fronteira, dizem as autoridades, e as imagens de satélite capturariam o acúmulo contínuo que o Ocidente observa há meses.

    “Eu não acho que a matemática seja tão simples quanto dizer, há um número mágico de (grupos táticos de batalhão)”, disse a autoridade ocidental. “É apenas de um modo geral, mais do que vemos agora.”

    Mas as autoridades alertaram que Putin também poderia começar usando artilharia de longo alcance para atacar a Ucrânia, onde as forças terrestres não precisariam estar ao alcance.

    Ainda assim, uma das principais coisas que os EUA estão observando é quando um número significativo de forças russas deixa suas áreas de treinamento perto da fronteira, e se move no alcance de tiro de seus alvos, que são posições terrestres específicas, disse um funcionário do governo.

    Outro sinal que as autoridades americanas estão monitorando é o movimento de tanques russos. Um sinal de que os militares russos podem estar se preparando para uma invasão é se eles começarem a movimentar tanques na fronteira, ou ligá-los ou desligá-los, disse o funcionário, porque se eles ficarem sentados lá e não se moverem por alguns dias, o petróleo poderia congelar.

    Se eles estão ligando e desligando, isso impede que isso aconteça – o que significa que os tanques estariam prontos para ir rapidamente. Até agora, disse o funcionário, os tanques estão apenas parados lá, de acordo com imagens comerciais de satélite.

    O clima na Ucrânia também pode desempenhar um papel, a avaliação é de que temperaturas mais frias – e terrenos congelados – facilitariam uma incursão russa.

    Em alerta para ataques cibernéticos

    Autoridades dos EUA e da Ucrânia dizem que há uma grande expectativa de que qualquer invasão russa possa ser realizada em conjunto com uma agressão cibernética ofensiva contra a Ucrânia.

    Victor Zhora, um funcionário ucraniano que investigou o ataque cibernético de janeiro a sites do governo ucraniano, disse no mês passado que “não há dúvida de que (qualquer invasão russa) pode ser apoiada por agressão cibernética – ou pelo menos eles permanecerão ativos no ciberespaço”.

    Autoridades dos EUA estão observando de perto quaisquer sinais de ataques cibernéticos à infraestrutura crítica ucraniana e estão em contato com seus colegas ucranianos sobre o assunto, disse um funcionário dos EUA à CNN. Uma preocupação é que a Rússia possa usar suas proezas de hackers para tentar minar a confiança do público no governo ucraniano.

    “O cyber pode ser usado para sugerir que o governo ucraniano é inepto?” disse o funcionário dos EUA.

    Desde que a Rússia anexou a Crimeia em 2014, supostos hackers russos interromperam a infraestrutura crítica ucraniana em várias ocasiões, inclusive cortando energia em partes do país em 2015 e 2016.

    “A cibernética é uma ferramenta ideal para a Rússia usar antes de uma invasão”, disse John Hultquist, vice-presidente de análise de inteligência da empresa de segurança cibernética Mandiant, que acompanha de perto o grupo de hackers russo acusado das interrupções de 2015 e 2016.

    “Você pode usar (operações cibernéticas) para ser agressivo, para sinalizar (intenção) e potencialmente corroer a influência de seu adversário antes que as balas voem ou sem precisar escalar a situação para a guerra”.

    Autoridades dizem que a Rússia já está fazendo uso das chamadas técnicas de guerra híbrida – táticas não convencionais como ataques cibernéticos, guerra de informação e os famosos “homenzinhos verdes” nos quais a Rússia confiou no período que antecedeu seu ataque à Crimeia em 2014 – dificultando para identificar qualquer incidente como um sinal definitivo de que Moscou está se preparando para escalar.

    O Departamento de Estado afirmou na semana passada que a Rússia estava preparada para fabricar “um pretexto para uma invasão” por meio de um vídeo de bandeira falsa.

    A autoridade ocidental observou que a Ucrânia foi atingida por uma operação cibernética no mês passado que não precedeu um ataque russo convencional.

    “Esta é uma das perguntas mais difíceis de responder porque o nível básico de atividade é tão alto focado na Ucrânia – e aqui quero dizer híbrido e cibernético”, disse o funcionário. “Um evento pontual pode não ser o indicador de que estamos procurando que uma campanha esteja começando.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN