Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Querem meu impeachment para paralisar o governo, diz Biden

    Kevin McCarthy, presidente da Câmara, abriu um processo de impedimento contra o líder dos Estados Unidos na última terça-feira (12)

    Joe Biden afirmou que não está focado na questão do impeachment
    Joe Biden afirmou que não está focado na questão do impeachment REUTERS/Evelyn Hockstein

    Kevin LiptakBetsy KleinArlette Saenzda CNN

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fez seus primeiros comentários públicos sobre o potencial inquérito de impeachment aberto pelo presidente da Câmara, Kevin McCarthy, na última terça-feira (12), enquanto seus conselheiros implementam um plano para responder ao último confronto com o líder republicano.

    Biden vinculou a investigação a questão iminente sobre o financiamento do governo. O Congresso tem até 30 de setembro para resolver a questão e McCarthy enfrenta profundas divisões dentro da sua própria conferência sobre como lidar com o assunto.

    “Bem, vou lhe dizer uma coisa, não sei bem por quê, mas eles simplesmente sabiam que queriam me acusar. E, agora, pelo que posso dizer, eles querem me acusar porque querem paralisar o governo”, afirmou Biden.

    “Então, olhe, olhe, eu tenho um trabalho a fazer. Todo mundo sempre perguntava sobre impeachment. Eu levanto todos os dias, não é brincadeira, não estou focado no impeachment. Eu tenho um trabalho a fazer. Tenho que lidar com as questões que afetam o povo americano todos os dias”, prosseguiu.

    O caso surge depois dos assessores de Biden terem passado o recesso do Congresso de agosto se preparando para responder a um inquérito de impeachment, depois do presidente da Câmara ter sugerido, no final de julho, que tal medida se aproximava.

    O principal objetivo da equipe de Biden é contrariar o que muitos democratas temem que possa se tornar uma narrativa enraizada de auto-negociação sobre o presidente – apesar da falta de qualquer evidência até agora de irregularidades.

    “Se você não responder, isso pode penetrar no psicológico do eleitor. Eles estão seguindo essa linha”, disse uma pessoa familiarizada com o pensamento da Casa Branca.

    VÍDEO – Presidente da Câmara dos EUA pede impeachment de Biden

    Momento frágil

    O inquérito de impeachment ocorre em um momento político frágil para o presidente.

    A preocupação generalizada com a sua idade e as perspectivas de reeleição causaram nervosismo nos círculos democratas. Alguns aliados expressaram preocupação pessoal com a forma como a atenção intensa dispensada ao seu filho Hunter Biden poderia se tornar um obstáculo para ele, política e emocionalmente.

    Mas, os conselheiros de Biden acreditam que o inquérito anunciado por McCarthy pode ser usado em seu benefício se os republicanos forem vistos como exagerados nas suas reivindicações ou se esquivando às suas responsabilidades de governo, de acordo com as autoridades que expuseram os seus planos.

    Um inquérito de impeachment daria aos republicanos novos poderes para solicitar documentos e testemunhos sobre os Biden. Mesmo um inquérito com fundações instáveis ​​e sem o apoio da maioria dos legisladores ainda consumirá tempo e energia dentro da Casa Branca.

    Embora os republicanos da Câmara até agora não tenham conseguido revelar nada que mostre que Biden lucrou com os negócios de seu filho, eles descobriram que Hunter usou o nome de seu pai para ajudar a avançar nos negócios.

    Um ex-sócio, Devin Archer, testemunhou que houve “talvez 20 vezes” em que Joe Biden foi colocado no viva-voz durante reuniões com seus parceiros de negócios e com Hunter, embora tenha dito que “nada” de importância jamais foi discutido durante essas ligações.

    Mesmo que os republicanos continuem a não conseguir produzir provas diretas que liguem o presidente aos negócios de seu filho, algumas sondagens já mostram preocupação entre os eleitores, com 61% dos norte-americanos dizendo em uma pesquisa da CNN divulgada na semana passada que acham que Biden teve pelo menos algum envolvimento nas negociações comerciais de Hunter.

    Outros 42% dizem que acham que ele agiu ilegalmente e 18% falam que suas ações foram antiéticas, mas não ilegais.

    Por enquanto, a Casa Branca vê a situação do ponto de vista das comunicações e não como uma questão jurídica. Eles ainda não ouviram formalmente nenhum dos comitês envolvidos.

    “Vemos isto como uma batalha de comunicação política em oposição a um inquérito de impeachment legítimo”, disse uma fonte familiarizada com a estratégia da Casa Branca.

    A postura agressiva das mensagens, segundo essa fonte, representa um reconhecimento de que é necessário preencher o vácuo e reagir aos republicanos.

    VÍDEO – Pesquisa CNN: 46% preferem republicanos a Joe Biden

    Republicanos na Câmara

    Com a perspectiva de uma paralisação do governo se os legisladores não conseguirem chegar a um acordo sobre um novo pacote de despesas até 30 de setembro, os Democratas também veem uma oportunidade para apontar o que consideram uma conferência incapaz de desempenhar as funções básicas do seu trabalho.

    No ano passado, a Casa Branca começou a preparar o terreno para responder às investigações republicanas no caso de uma tomada de poder pelo partido na Câmara.

    Nas horas seguintes à abertura do inquérito por McCarthy, a Casa Branca lançou uma estratégia agressiva de mensagens centrada na falta de provas até agora que ligassem o presidente a qualquer coisa ilegal.

    Os republicanos da Câmara “não podem nem dizer por que o estão acusando”, disse o porta-voz da Casa Branca, Ian Sams, à CNN na quarta-feira (13).

    A estratégia de resposta, que estava a tomar forma, incluiu uma série de aparições de Sams em redes de televisão, publicações nas redes sociais e em uma carta da Casa Branca aos executivos de jornalismo pedindo para que eles intensifiquem sua análise sobre os republicanos da Câmara.

    A campanha de Biden também aproveitou o anúncio do impeachment, enviando um e-mail com o nome da vice-presidente Kamala Harris dizendo aos apoiadores que era hora de “apoiar nosso presidente” enquanto criticava nominalmente os republicanos da Câmara por lançarem o inquérito.

    “Kevin McCarthy, Marjorie Taylor Greene e os republicanos acabam de lançar um inquérito de impeachment ridículo contra o presidente Biden”, afirmava o e-mail de arrecadação de fundos.

    O e-mail é o primeiro de vários esforços esperados da campanha de Biden para usar a nova investigação a seu favor e arrecadar recursos.

    A estreita associação entre o ex-presidente Donald Trump e os republicanos da Câmara que pressionaram pelo inquérito – Trump discutiu o assunto com os membros nos últimos dias – também proporcionou uma abertura para os assessores de Biden pintarem a medida como um exercício de extremismo.

    Os pontos de discussão distribuídos pelo Comitê Nacional Democrata na quarta-feira sugeriram que os apoiadores de Biden classificaram o impeachment como se “McCarthy estivesse cumprindo as ordens de Trump”.

    “Trump pressionava Kevin McCarthy e os republicanos da Câmara para avançarem com um impeachment infundado e o presidente da Câmara imediatamente obedeceu”, diz um dos pontos de discussão.

    VÍDEO – Biden é considerado velho demais para reeleição por 77% dos eleitores, diz pesquisa

    Impeachment e a Casa Branca

    Ainda assim, apesar de toda a preparação, as medidas relacionadas com o impeachment não são bem-vindas na Casa Branca.

    No passado, esses procedimentos se tornaram distrações que consumiam as atenções, apesar de esforços para ignorar o fato. Bem como durante o impeachment de Bill Clinton na década de 1990, a Casa Branca de Biden procurou a defesa do trabalho de seu governo.

    Isso inclui formar uma equipe com mais de 20 advogados, funcionários legislativos e consultores de comunicação para reagir contra um possível impeachment.

    Juntamente com o porta-voz Sams, a Casa Branca nomeou Dick Sauber para servir como conselheiro especial e Russ Anello, antigo diretor democrata do Comitê de Supervisão da Câmara, como conselheiro para responder a pedidos de supervisão.

    A campanha de Biden também contratou Ammar Moussa, um funcionário do Comitê Nacional Democrata, para atuar como diretor de resposta da campanha, cujo portfólio inclui responder a questões como um inquérito de impeachment. A campanha enviou pontos de discussão aos aliados após o anúncio de McCarthy e continuará a preparar mais documentos com informações sobre questões do impeachment para aparições na televisão.

    O grupo democrata Projeto de Integridade do Congresso tem sido uma das entidades externas que lidera a campanha de mensagens contra o impeachment, por meio de memorandos de sondagens e fichas informativas.

    Um dos objetivos do grupo é atingir os 18 republicanos da Câmara nos distritos vencidos por Biden.

    “Enquanto McCarthy tenta evitar a votação de um inquérito de impeachment para não deixar que Biden 18 se torne público, o povo americano merece saber qual é a posição de Biden 18 em um impeachment sem evidências, e nós os responsabilizaremos pelas promessas que fizeram ao povo americano quando concorreram ao cargo”, disse Kyle Herrig, diretor executivo do Projeto de Integridade do Congresso.

    É improvável que o próprio Biden adquira o hábito de comentar sobre o processo daqui para frente. Quando questionado sobre o assunto durante um evento na Casa Branca na quarta-feira, focado o presidente olhou para frente sem responder, focando nos esforços para se curar do câncer.

    Um elemento da estratégia da Casa Branca é mantê-lo concentrado nas suas funções de governo, incluindo planos para entregar o que a Casa Branca classificou como um “grande discurso econômico” em Maryland, nesta quinta-feira (15). Ele também continua se concentrando na política externa com uma viagem às reuniões anuais da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, na próxima semana.

    “A Casa Branca fará isso com o objetivo de garantir que eles possam responder a tudo legalmente do ponto de vista das comunicações, ao mesmo tempo que mantém Joe Biden e Kamala Harris acima da briga e focados em governar e comunicar a agenda doméstica”, revelou uma fonte familiarizada com o assunto.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original