Reino Unido sanciona sócios de Abramovich; um dos punidos é diretor do Chelsea

Operação é chamada de "maior ação de congelamento de ativos da história da Grã-Bretanha"

Roman Abramovich, enquanto dono do Chelsea, durante a Champions League, em maio de 2021
Roman Abramovich, enquanto dono do Chelsea, durante a Champions League, em maio de 2021 Alexander Hassenstein - UEFA/UEFA via Getty Images

Jorge Engelsda CNN

Londres

Ouvir notícia

A Grã-Bretanha sancionou dois oligarcas russos importantes ligados ao bilionário russo Roman Abramovich, congelando até US$ 13 bilhões (equivalente a R$ 79,8 bilhões)  em ativos ligados a Eugene Tenenbaum e David Davidovich na “maior ação de congelamento de ativos da história do Reino Unido”, disse o Ministério das Relações Exteriores em comunicado.

Tenenbaum é um dos associados mais próximos de Abramovich e já foi alto executivo da Sibneft, a petrolífera russa vendida por Abramovich em 2006, segundo o Chelsea Football Club, onde é diretor. O Ministério das Relações Exteriores disse que assumiu uma empresa de investimentos ligada a Abramovich em 24 de fevereiro, dia em que a Rússia invadiu a Ucrânia.

O Reino Unido também proibiu a viagem de Davidovich, outro parceiro de negócios de “longa data” de Abramovich, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores.

“Davidovich foi descrito pela Forbes como ‘o braço direito de Abramovich de perfil muito inferior’ e assumiu a Evrington Investments da Tenenbaum em março de 2022”, acrescentou.

O governo britânico disse que as sanções foram coordenadas com as autoridades de Jersey, que a CNN informou no início desta semana que congelou mais de US$ 7 bilhões (R$ 42 milhões) em ativos “suspeitos de estar conectados” a Abramovich.

“Estamos apertando a catraca na máquina de guerra de Putin e mirando no círculo de pessoas mais próximas do Kremlin. Continuaremos com as sanções até que Putin falhe na Ucrânia. Nada nem ninguém está fora da mesa”, disse a secretária de Relações Exteriores britânica, Liz Truss, no comunicado.

Mais Recentes da CNN