Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Repatriados de Gaza ficarão em Brasília por duas noites

    Na madrugada desta segunda (11), 48 repatriados da Faixa de Gaza chegaram ao Brasil e receberão documentos brasileiros

    Repatriados de Gaza embarcaram em Cairo, no Egito, rumo a Brasília
    Repatriados de Gaza embarcaram em Cairo, no Egito, rumo a Brasília 10/12/2023 - Divulgação/FAB

    Elijonas Maiada CNN Brasília

    Os 48 repatriados da Faixa de Gaza que chegaram ao Brasil na madrugada desta segunda-feira (11) ficarão duas noites em Brasília antes de seguir para outras cidades.

    De acordo com a FAB, 24 pessoas desse grupo ficarão hospedadas na base aérea no hotel de trânsito e outras 24 em um espaço do Exército no Setor Militar Urbano de Brasília.

    Segundo informações da Secretaria Nacional de Justiça, do Ministério da Justiça, após as duas noites, os repatriados vão para locais de acolhimentos. Será mais de um abrigo, em estados ainda não divulgados.

    Veja também: Avião da FAB chega ao Brasil com 48 pessoas após Israel proibir saída de 24 em Gaza

    Os repatriados vão receber do governo documentos brasileiros, que permitem a continuidade da regularização migratória, atendimento de saúde — com atualização de vacinas, auxílio de assistentes sociais e psicólogos — e hospedagem em casas de acolhimento.

    A Senajus é responsável pela força-tarefa interministerial para receber os brasileiros e palestinos vindos da Faixa de Gaza. Ainda conta com apoio dos ministérios do Desenvolvimento Social, das Relações Exteriores, da Defesa e da Saúde.

    Chegada

    O avião KC-30 da Força Aérea Brasileira (FAB) chegou ao Brasil na madrugada desta segunda (11) em um voo vindo direto de Cairo, capital do Egito, trazendo o segundo grupo de repatriados de Gaza.

    O primeiro grupo, que chegou ao Brasil em 13 de novembro, reunia 32 brasileiros e dez parentes palestinos.

    Desde então, o governo ampliou os critérios para a inclusão de nomes na lista de repatriação. A primeira incluía cônjuges e filhos. A segunda permite também avós e irmãos mais velhos, o que faz com que haja mais palestinos do que brasileiros.

    A missão de repatriação já trouxe ao Brasil, desde que começou o conflito, 1.462 brasileiros, 11 palestinos, três bolivianos e uma jordaniana.