Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rompimento de barragem e fortes chuvas no Quênia deixam ao menos 71 mortos

    Outras dezenas de pessoas estão desaparecidas; mais de 100 já morreram e milhares abandonaram suas casas desde março em um ano de grandes inundações no país, segundo o governo

    Moradores são vistos em uma rua inundada do bairro de Mathare após fortes chuvas enquanto tentam evacuar a área com seus pertences importantes em Nairobi, Quênia, em 25 de abril de 2024
    Moradores são vistos em uma rua inundada do bairro de Mathare após fortes chuvas enquanto tentam evacuar a área com seus pertences importantes em Nairobi, Quênia, em 25 de abril de 2024 Gerald Anderson/Anadolu via Getty Images

    Da CNN

    Pelo menos 71 pessoas foram confirmadas como mortas e 110 pessoas estão no hospital após inundações perto da cidade de Mai Mahiu, no condado de Nakuru, no noroeste do Quênia, confirmou a governadora de Nakuru, Susan Kihika, à CNN na segunda-feira (29).

    De acordo com Kihika, as inundações na região foram agravadas pelo rompimento de uma barragem, embora moradores locais e socorristas tenham dito à CNN que o desastre foi causado pela água que fluía através de um túnel sob uma ponte ferroviária com um bueiro entupido.

    O Quênia tem enfrentado semanas de fortes chuvas e inundações repentinas devastadoras.

    Uma equipe da CNN no local em Mai Mahiu viu veículos tombados, árvores arrancadas e casas que foram varridas por enchentes em massa.

    A CNN testemunhou danos em uma das áreas mais afetadas pelas enchentes no condado de Nakuru, que se estenderam por vários quilômetros em todas as direções. Um homem disse à CNN que temia que vários membros de sua família ainda estivessem enterrados sob a lama e os escombros.

    As equipes de resgate estão escavando a lama e os escombros tentando encontrar sobreviventes, disse Kihika à CNN, alertando que o número de mortos pode aumentar significativamente.

    O desastre ocorre num momento em que as inundações alagaram grandes áreas do Quênia, matando pelo menos 103 pessoas e forçando milhares de residentes a abandonarem as suas casas desde março, disse o porta-voz do governo, Isaac Maigua Mwaura, na segunda-feira (29).

    Em Mai Mahiu, Kihika disse que uma situação grave estava se desenrolando à medida que as enchentes arrastavam pessoas e casas.

    “Estamos tentando controlar a situação, mas é um pouco opressora, mas estamos fazendo o melhor que podemos, especialmente para alcançar aqueles que foram levados, porque esperamos que alguns ainda estejam vivos”, disse Kihika.

    O acesso a Mai Mahiu, a 32 quilômetros a norte da capital Nairobi, foi difícil porque parte da estrada foi cortada devido às fortes chuvas recentes, disse Kihika. As equipes estão limpando os escombros enquanto tentam alcançar os sobreviventes e retirar os corpos, acrescentou ela.

    Na segunda-feira, a Sociedade da Cruz Vermelha do Quênia disse que várias pessoas foram levadas para uma unidade de saúde em Mai Mahiu devido às inundações repentinas que afetaram a aldeia de Kamuchiri.

    “As águas da enchente teriam se originado de um rio próximo que transbordou”, disse o grupo.

    O Quênia registou fortes chuvas desde meados de março, mas as chuvas intensificaram-se na última semana, provocando inundações em massa.

    “O Quênia está enfrentando um agravamento da crise de enchentes devido aos efeitos combinados do El Niño e das longas chuvas de março a maio de 2024”, disse o secretário-geral e CEO da IFRC, Jagan Chapagain, em uma postagem no X, referindo-se ao padrão climático que se origina no Oceano Pacífico ao longo do equador e impacta o clima em todo o mundo.

    “Desde novembro de 2023, o El Niño provocou inundações devastadoras e transbordamentos de rios, causando mais de uma centena de mortes e danos generalizados.”

    Outra flutuação climática chamada Dipolo positivo do Oceano Índico, semelhante ao El Niño, mas que se origina no Oceano Índico ao longo da costa da África Oriental, também está intensificando as chuvas, disse Joyce Kimutai, pesquisadora do Imperial College London’s Grantham Institute, ex-meteorologista no Departamento Meteorológico do Quênia.

    E por trás destes padrões climáticos naturais, é “altamente provável” que a tendência de longo prazo do aquecimento global causado pelo homem esteja a influenciando as fortes chuvas, uma vez que o ar quente tende a reter mais umidade, disse Kimutai à CNN.

    O Corno de África, uma região da África Oriental que inclui o Quênia, é uma das regiões mais vulneráveis ​​ao clima do mundo.

    As chuvas mortais no Corno de África no final do ano passado, que mataram pelo menos 300 pessoas, foram cerca de duas vezes mais intensas do que teriam sido sem as alterações climáticas, de acordo com uma análise de dezembro realizada por cientistas da World Weather Attribution (WWA).

    O impacto das chuvas mais recentes no Quênia também pode ter sido agravado pela queda em solos muito duros e secos, após anos de seca catastrófica, que afetou muitas partes do país, matando gado e colheitas e causando fome generalizada e insegurança hídrica. Esta seca tornou-se 100 vezes mais provável devido à poluição provocada pelo aquecimento do planeta provocada pelos combustíveis fósseis, concluiu uma análise da WWA de abril.

    “Quando as pessoas ainda estão sofrendo com um evento climático extremo, isso as torna altamente vulneráveis ​​a outro”, disse Kimutai.

    Cerca de 131.450 pessoas foram afetadas pelas cheias que atingiram quase metade do Quênia.

    Uma vista da área enquanto os moradores do bairro de Mathare tentam evacuar a área com seus pertences importantes em Nairobi, Quênia, em 24 de abril de 2024 / Gerald Anderson/Anadolu via Getty Images

    Imagens e vídeos de Nairóbi, que foi gravemente impactada, mostram pessoas presas nos telhados ou resgatando o que podem das casas destruídas pelas enchentes.

    Outro vídeo mostra grandes inundações ao redor do rio Tana, com grande parte da área circundante submersa. Estradas, edifícios e veículos estão submersos.

    O Ministério da Educação anunciou segunda-feira que todas as escolas primárias e secundárias iriam adiar o início do novo período letivo por uma semana, até 6 de maio.

    No domingo, a Sociedade da Cruz Vermelha do Quênia disse que 23 pessoas foram resgatadas e outras estavam desaparecidas depois de um barco ter virado em Kona Punda enquanto se dirigia para Mororo, no condado de Tana River, no domingo.

    Até sexta-feira, o grupo disse ter resgatado mais de 300 pessoas desde o início das chuvas em março.

    As fortes chuvas na África Oriental também afetaram a Tanzânia e o Burundi. O primeiro-ministro da Tanzânia, Kassim Majaliwa, disse na quinta-feira que pelo menos 155 pessoas morreram nas enchentes no país.

    (Com informações de Larry Madowo, Irene Nasser e Helen Regan, da CNN)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original