Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rússia acusa EUA, Reino Unido e Ucrânia de estarem por trás do ataque em Moscou

    Diretor do Serviço Federal de Segurança russo afirmou que forças ocidentais facilitaram ataque

    Guy Faulconbridge

    O diretor da agência de segurança mais poderosa da Rússia disse na terça-feira (26) acreditar que a Ucrânia, juntamente com os Estados Unidos e o Reino Unido, estiveram envolvidos no ataque a uma sala de concertos nos arredores de Moscou, que matou pelo menos 139 pessoas.

    A Ucrânia, que negou repetidamente qualquer ligação com o ataque de sexta-feira (22), considerou as acusações russas mentirosas. O Estado Islâmico, o grupo que procurou controlar áreas do Iraque e da Síria, assumiu a responsabilidade pelo ataque a tiros em massa.

    “Acreditamos que a ação foi preparada pelos próprios radicais islâmicos e facilitada pelos serviços especiais ocidentais”, disse Alexander Bortnikov, diretor do Serviço Federal de Segurança (FSB), na televisão.

    “Os serviços especiais da Ucrânia estão diretamente relacionados com isto”, disse Bortnikov, acrescentando que Kiev ajudou a preparar radicais islâmicos num local não identificado no Oriente Médio .

    Quando questionado por repórteres russos se a Ucrânia e os seus aliados, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, estavam envolvidos no ataque à sala de concertos, Bortnikov disse: “Achamos que é esse o caso. Em qualquer caso, estamos agora falando sobre a textura que nós temos. Esta é uma informação geral.”

    Bortnikov, de 72 anos, que atua como chefe do FSB desde 2008, disse que a Rússia ainda não identificou aqueles que ordenaram especificamente o ataque mais mortal dentro da Rússia em duas décadas, mas disse que seriam tomadas medidas de retaliação.

    Ele não ofereceu nenhuma evidência específica para as alegações, que Moscou pudesse usar para justificar uma escalada da guerra na Ucrânia e para explicar como os serviços de segurança russos não conseguiram impedir o ataque.