Rússia alertou EUA que iria realizar ataques aéreos contra combatentes na Síria

Autoridades norte-americanas avaliam que russos tentaram minimizar o risco de uma crise

Bandeiras da Rússia e Estados Unidos na Missão dos EUA em Genebra, Suíça
Bandeiras da Rússia e Estados Unidos na Missão dos EUA em Genebra, Suíça 10/01/2022REUTERS/Denis Balibouse

Barbara Starrda CNN

Ouvir notícia

A Rússia alertou os militares dos Estados Unidos no início desta semana que iria realizar ataques aéreos contra combatentes locais aliados dos EUA no sudeste da Síria, de acordo com duas autoridades de Defesa norte-americanas.

Assim, os EUA alertaram rapidamente os combatentes para mudar suas posições e também garantir que nenhuma força americana estivesse por perto. As forças norte-americanas não precisaram se mover, pois estavam longe o suficiente, mas os soldados locais sim, disseram as autoridades à CNN.

Os ataques aéreos russos parecem altamente calculados, em meio as altas tensões entre Washington e Moscou relacionadas à guerra na Ucrânia. O Pentágono está tentando garantir que as relações não piorem com as forças russas, inclusive na Síria, onde os dois lados operam nas proximidades de uns aos outros por vários anos.

A avaliação inicial é que as forças russas provavelmente receberam ordens de notificar os EUA com antecedência e realizar os ataques aéreos sabendo que não atingiriam as tropas americanas e que os aliados seriam alertados, disseram as autoridades.

Mas os russos provavelmente alcançaram seu objetivo de “enviar uma mensagem” aos EUA de que podem atacar sem se preocupar com retaliação, disse uma autoridade.

A notificação da Rússia veio através da antiga linha bilateral que opera há vários anos, onde cada lado notifica o outro sobre operações e movimentos militares que correm o risco de um erro de cálculo se um lado não estiver ciente das atividades do outro. A visão dos EUA é que os russos estavam minimizando o risco de uma crise.

O incidente aconteceu nas proximidades da guarnição de Al-Tanf, no sudeste da Síria, onde as forças de oposição dos EUA e da Síria operam há muito tempo. Os ataques foram conduzidos contra posições onde os combatentes Maghawir al-Thawra estavam operando. Não houve relatos imediatos de vítimas, mas acredita-se que a propriedade tenha sido danificada.

As autoridades norte-americanas disseram que a Rússia alegou que o grupo havia realizado um ataque à bomba na estrada contra as forças russas. Os EUA acreditam que isso não aconteceu e os russos simplesmente usaram isso como motivo para realizar ataques aéreos.

Esse tipo de provocação russa é raro, mas não inédito.

Em fevereiro de 2018, um encontro rapidamente se agravou e se tornou mortal quando uma força de 500 homens composta em grande parte por mercenários russos e uma milícia cristã leal ao regime sírio cruzou o rio Eufrates perto de Deir Ezzor.

Os russos estavam trabalhando para uma empresa paramilitar chamada Wagner, que tinha centenas de mercenários em solo na Síria, ajudando os militares russos e as forças pró-regime.

A missão da operação permanece incerta, mas as forças estavam avançando em direção a um valioso campo de petróleo e gás, Coneco, controlado pelas Forças Democráticas Sírias, uma milícia apoiada pelos EUA que luta contra o ISIS na Síria.

Quando as forças pró-regime começaram a bombardear uma base mantida pelas Forças Democráticas da Síria, os EUA responderam com ataques aéreos pesados ​​e fogo de artilharia, que continuaram por cerca de três horas. Os comandantes norte-americanos tentaram contatar seus colegas russos para alertar sobre sua resposta. Mas quando as comunicações foram estabelecidas, o contra-ataque já estava em andamento.

E em agosto de 2020, várias tropas dos EUA ficaram feridas em uma colisão com um comboio militar russo no leste da Síria.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN