Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Saiba por que a mesquita de al-Aqsa é foco de tensões históricas no Oriente Médio

    Frequentemente eclodem confrontos entre fiéis palestinos e forças israelenses no local

    Vista do complexo da mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém. China quer mediar diálogo entre Israel e Palestina
    Vista do complexo da mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém. China quer mediar diálogo entre Israel e Palestina REUTERS/Dedi Hayun

    Da CNN

    O complexo de al-Aqsa é um dos lugares mais importantes para o Islã e o Judaísmo. Os terrenos sagrados, conhecidos pelos muçulmanos como Al Haram Al Sharif (Nobre Santuário) e pelos judeus como Monte do Templo, têm sido um foco de tensões entre Israel e os palestinos durante décadas.

    Em comunicado, o Hamas afirmou que lançou, neste sábado (7), o ataque “Tempestade Al-Aqsa” contra Israel – que teve como alvo centenas de soldados e civis – em parte para defender o local sagrado.

    Apenas os muçulmanos estão autorizados a rezar no complexo, ao abrigo de um acordo de status quo originalmente alcançado há mais de um século. Visitantes não muçulmanos podem visitar em determinados horários e apenas em determinadas áreas do complexo.

    Mas muitos no mundo muçulmano temem que o direito de serem os únicos frequentadores tenha sido corroído e que os próprios locais estejam  ameaçados por um crescente movimento judaico de extrema-direita e pelo governo de extrema-direita de Israel.

    Frequentemente eclodem confrontos entre fiéis palestinos e forças israelenses no local. A polícia invadiu o complexo várias vezes no ano passado.

    O complexo situa-se na Jerusalém Oriental, que os palestinos querem como capital do seu futuro Estado palestino e que a maior parte da comunidade internacional considera um território ocupado.

    Israel capturou a região da Jordânia durante a guerra dos seis dias em 1967 e considera Jerusalém Oriental e Ocidental, unidas, como a sua “capital eterna”.

    Veja também: Israel confirma que foguetes atingiram capital Tel Aviv

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original