Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sanções podem ser justificativa para guerra, diz autoridade russa

    "Gostaria de salientar mais uma vez que, sob certas circunstâncias, tais medidas hostis também podem ser qualificadas como um ato de agressão internacional", disse vice-presidente do Conselho de Segurança russo

    Vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev
    Vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev 09/05/2022Sputnik/Ekaterina Shtukina/Pool via REUTERS

    Da Reuters

    Ouvir notícia

    O vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev, disse nesta quinta-feira (30) que, em certas circunstâncias, as sanções contra Moscou podem ser vistas como um ato de agressão e uma justificativa para a guerra.

    “Gostaria de salientar mais uma vez que, sob certas circunstâncias, tais medidas hostis também podem ser qualificadas como um ato de agressão internacional. E até mesmo como um casus belli (justificativa para a guerra)”, disse Medvedev, acrescentando que a Rússia tem o direito de se defender.

    A Rússia enfrentou uma enxurrada de sanções econômicas paralisantes de países ocidentais em resposta à invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, que chama de “operação militar especial”.

    Medvedev, um ex-presidente da Rússia que já foi visto como um liberal, emergiu como um dos defensores mais ferozes da guerra, fazendo uma série de denúncias contundentes ao Ocidente.

    Rússia aberta ao diálogo sobre não proliferação nuclear

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira (30) que Moscou está aberta ao diálogo sobre estabilidade estratégica e não proliferação nuclear, mas o Kremlin disse que nenhuma conversa com Washington está nos planos por enquanto.

    Apesar da invasão da Ucrânia pela Rússia, tanto Moscou quanto Washington enfatizaram a importância de manter a comunicação sobre a questão das armas nucleares. Os dois países são de longe as maiores potências nucleares do mundo, com cerca de 11 mil ogivas nucleares entre eles.

    “A Rússia está aberta ao diálogo para garantir a estabilidade estratégica, preservar os regimes de não proliferação de armas de destruição em massa e melhorar a situação no campo do controle de armas”, disse Putin em um fórum jurídico em sua cidade natal, São Petersburgo.

    Falando mais tarde na quinta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, confirmou que não houve contato direto entre Putin e o presidente dos EUA, Joe Biden, desde que a Rússia lançou o que chama de “operação militar especial” na Ucrânia em fevereiro .

    Perguntado se havia algum plano para negociações de estabilidade estratégica entre os dois países, ele disse: “Infelizmente, ainda não há planos tangíveis para isso”.

    Putin disse que qualquer esforço para estender o controle de armas exigiria “trabalho conjunto meticuloso”, mas poderia impedir a repetição “do que está acontecendo hoje em Donbass”.

    O líder da Rússia diz que Moscou invadiu a Ucrânia para proteger os russos étnicos e falantes da Rússia na região leste de Donbas da perseguição de Kiev. Ele repetiu essas alegações na quinta-feira, acusando a Ucrânia de “crimes contra a humanidade”.

    A Ucrânia e o Ocidente rejeitam essas acusações e dizem que a invasão da Rússia é um ato não provocado de agressão, visando tomar o território ucraniano e derrubar o presidente Volodymyr Zelenskiy.

    Mais Recentes da CNN