Segurança Interna EUA:’Não há evidência que agente externo interferiu nos votos’

Empresas privadas de segurança cibernética sinalizaram recentemente tentativas na Rússia, na China e no Irã de espionar pessoas em conexão com as eleições

Eleitores votam com antecedência em Swainsboro, Geórgia, nos Estados Unidos
Eleitores votam com antecedência em Swainsboro, Geórgia, nos Estados Unidos foto-brandon-bell-reuters

Christopher Bing e Raphael Satter,

da Reuters

Ouvir notícia

O secretário interino do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (DHS), Chad Wolf, disse nesta terça-feira (3) que não havia evidências de que um agente estrangeiro tenha comprometido os votos no país.

A declaração vem no último dia de votação para a eleição presidencial norte-americana em que o presidente dos EUA, Donald Trump, enfrenta o democrata Joe Biden em busca da reeleição, em uma campanha marcada por preocupações com a interferência estrangeira.

“Não temos indicações de que um ator estrangeiro tenha conseguido comprometer ou manipular quaisquer votos nesta eleição”, disse Wolf em coletiva de imprensa transmitida online.

Mais de 90 milhões de cédulas já foram enviadas em uma onda sem precedentes de votação antecipada. Outros milhões devem ser computados nesta terça-feira, no que promete ser uma disputa acirrada.

As preocupações de que uma potência estrangeira possa tentar intervir na votação de 2020 têm circulado desde a eleição anterior, em 2016, quando hackers russos enviaram milhares de e-mails online para influenciar o voto no republicano Trump e distanciá-lo da advsersária democrata Hillary Clinton.

Leia também:
Disputa nos estados-chave e risco de judicialização marcam reta final nos EUA
O que são os delegados e como funciona o voto indireto nas eleições dos EUA
Eleições nos EUA: o que você precisa saber sobre a noite de hoje
Podcast: Estados Unidos vão às urnas em eleição que não deve se esgotar com votação

Embora o governo dos EUA e as empresas privadas de segurança cibernética tenham sinalizado recentemente tentativas na Rússia, na China e no Irã de espionar pessoas em conexão com as eleições norte-americanas, nada na escala de 2016 se materializou ainda.

Houve problemas técnicos iniciais relatados nesta terça-feira, incluindo em todo o condado de Spalding, Geórgia, onde os sistemas de votação ficaram fora do ar, disse a supervisora eleitoral Marcia Ridley à mídia local.

Ridley não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários da Reuters. Reportagens da mídia local alegaram que cédulas provisórias estavam sendo enviadas até as seções para que as pessoas ainda pudessem votar, e duas autoridades norte-americanas disseram à Reuters que os problemas eram consistentes com um mau funcionamento.

“Parece ser uma falha comum da tecnologia”, disse uma delas.

Mais Recentes da CNN