O que são os delegados e como funciona o voto indireto nas eleições dos EUA


Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
29 de outubro de 2020 às 05:00 | Atualizado 04 de novembro de 2020 às 11:23
Estudantes organizam local de votação em Michigan

Estudantes organizam local de votação em Michigan

Foto: Reprodução - 20.out.2020 / Reuters

Se no Brasil a população vota diretamente em um candidato e quem tem mais votos, vence a eleição, nos EUA a coisa é um pouco diferente. Os norte-americanos basicamente votam em um candidato, só que na verdade estão votando em alguém que vai votar em alguém. É um pouco confuso, mas é apenas mais um ponto a se entender no complexo processo eleitoral do país.

Acompanhe a apuração dos votos em tempo real

O que é a votação indireta?

É aquela na qual os eleitores elegem delegados e estes escolhem as pessoas que vão ocupar cargos políticos. Nos EUA, esse sistema é utilizado tanto nas eleições primárias (quando participam todos os pré-candidatos dos partidos) quanto gerais (quando participam somente um candidato de cada partido). 

O que são os delegados?

São representantes que votam conforme a vontade dos eleitores de cada estado para “oficializar” o vencedor. Geralmente são indivíduos engajados politicamente e membros ativos dos partidos. Conforme estabelecido na Constituição, os norte-americanos votam nos candidatos à presidência e, de acordo com o número obtido em cada estado, estes recebem os delegados correspondentes à região. Esses representantes, então, se reúnem nos respectivos estados e votam para presidente e vice-presidente. Os delegados compõem o Colégio Eleitoral.

Assista e leia também:
Como funciona a eleição nos EUA
A eleição nos EUA tem segundo turno? E se houver um empate? Entenda o formato
Entenda a importância da taxa de abstenção nas eleições presidenciais dos EUA

O que é o Colégio Eleitoral?

É o grupo de pessoas que “confirma” o voto da população. Cada estado tem um determinado número de delegados e, na maioria deles, o candidato que receber a maioria dos votos leva todos os delegados, independente da diferença percentual – processo conhecido como "winner takes all" (o vencedor leva tudo).

Como é composto o Colégio Eleitoral?

Ele é composto por 538 delegados, sendo 1 para cada membro da Câmara dos Deputados (435) e do Senado (100), e mais 3 no Distrito de Columbia. 

Quantos delegados o candidato precisa para ganhar?

Ele precisa de ao menos 270 representantes. O número de delegados em disputa em cada estado é determinado de acordo com informações populacionais do Censo e a representação no Congresso do país. 

O que acontece se nenhum candidato atingir 270 votos?

Se por um acaso ninguém atingir esse número ou se os dois candidatos chegarem exatamente a 269 votos cada um, a Câmara dos Deputados decide quem será o novo presidente, entre os três candidatos que obtiveram mais votos, em uma nova e diferente votação. Neste caso, vale ressaltar que os deputados que definem o presidente não são os que já estão no cargo, e sim os que forem eleitos em novembro. Apenas duas vezes na história do país o presidente foi escolhido pela Câmara: nas eleições de 1800 e de 1824.

Leia também:
Veja as principais projeções da CNN na apuração das eleições nos EUA
Papel, correio e urna eletrônica: conheça os diferentes tipos de votação nos EUA
Fraudes eleitorais nos Estados Unidos são extremamente raras; entenda

Um candidato pode ganhar no voto popular e perder no Colégio Eleitoral?

Sim. Isso porque, como os estados têm números diferentes de delegados, alguns acabam tendo mais peso do que os outros. Por exemplo, o pequeno estado de Wyoming tem apenas 3 delegados, enquanto a populosa Califórnia tem 55. 

Essa situação já aconteceu cinco vezes no país – a mais recente em 2016, quando o republicano Donald Trump foi eleito no Colégio Eleitoral, apesar de a democrata Hillary Clinton ter recebido mais votos da população. O mesmo aconteceu em 2000 com o republicano George W. Bush, que venceu o democrata Al Gore, e também nos anos de 1824, 1876 e 1888.