Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sequestradores libertam 28 crianças na Nigéria; 81 ainda estão em cativeiro

    Escolas do norte da Nigéria se tornaram alvos de grupos criminosos

    Garoto durante as aulas na cidade de Lagos, na Nigéria
    Garoto durante as aulas na cidade de Lagos, na Nigéria Foto: Olukayode Jaiyeola/NurPhoto/Getty Images

    Reuters

    Ouvir notícia

    Criminosos que invadiram um internato na região norte da Nigéria e sequestraram centenas de alunos no início de julho libertaram 28 crianças neste domingo (25), mas 81 ainda permanecem com os sequestradores, contou um pastor envolvido nas negociações para libertar as crianças. 

    O ataque à Escola Batista Betel, no estado de Kaduna, foi o décimo sequestro em massa feito em escolas no noroeste da Nigéria desde dezembro. Segundo as autoridades, os sequestradores agem em busca de resgate financeiro.

    Pais dos alunos disseram à Reuters que 180 alunos costumam frequentar as escolas. Segundo eles, os menores estavam em período de exames quando foram sequestrados. 

    “Vinte e oito estudantes foram libertados nesta manhã”, disse à reportagem o pastor Joseph Hayb, por telefone. “Muitos dos estudantes conseguiram escapar antes, mas 81 deles ainda estão em cativeiro”. 

    A polícia e o comissário do estado de Kaduna para segurança interna ainda não comentaram o assunto. 

    Radika Bivan, uma mãe cuja filha está entre os sequestrados, confirmou a libertação dos 28 estudantes, mas disse que sua filha não estava entre eles. 

    Após o sequestro, as autoridades de Kaduna ordenaram o fechamento da escola e de outras 12 na região. Ainda não há previsão para escolas serem reabertas. 

    Escolas do norte da Nigéria se tornaram alvos de sequestros em massa por parte de grupos armados. Os primeiros sequestros do tipo foram realizados no país pelo grupo jihadista Boko Haram e, posteriormente, por uma ramificação do Estado Islâmico na Província da África Ocidental, mas agora a tática passou a ser adotada por outros grupos criminosos.  

    Tópicos

    Tópicos

    Mais Recentes da CNN