Sete morrem após surto de cepa originária na Colômbia em casa de repouso belga

Variante B.1.621, identificada pela primeira vez na Colômbia, infectou idosos entre 80 e 90 anos que já estavam imunizados; 21 pessoas foram infectadas no local

Região central de Bruxelas, na Bélgica
Região central de Bruxelas, na Bélgica Foto: Dursun Aydemir/Anadolu Agency via Getty Images

Reuters

Ouvir notícia

Sete residentes de um asilo na Bélgica morreram após serem infectados com a variante colombiana do coronavírus, apesar de estarem totalmente vacinados, disse a equipe de virologia que realizou os testes na sexta-feira (6).

A variante da Covid-19 que se originou na Colômbia, ou B.1.621, foi detectada nas últimas semanas nos Estados Unidos, mas os casos na Europa têm sido raros.

As sete pessoas que morreram na casa de repouso na cidade belga de Zaventem, perto de Bruxelas, estavam na casa dos 80 ou 90 anos e algumas delas já estavam em más condições físicas, disse Marc Van Ranst, virologista da Universidade de Leuven, que conduziu testes sobre a cepa encontrada no local.

“É preocupante”, disse Van Ranst, comentando sobre o fato de os residentes terem morrido apesar de terem sido totalmente vacinados contra a Covid-19.

Até agora, os cientistas não sabem se a variante originária na Colômbia é mais transmissível do que outras, disse ele. Na Bélgica, a variante representa atualmente menos de 1% dos casos conhecidos de Covid-19, disse o virologista, em comparação com 2% dos casos nos Estados Unidos.

Na casa de repouso em Zaventem, 21 residentes foram infectados com a variante junto com vários membros da equipe, disse Van Ranst. A equipe infectada apresentou apenas sintomas leves.

Variante Delta é dominante na Bélgica

Van Ranst disse que a variante dominante do coronavírus na Bélgica com cerca de 95% das infecções é a Delta, descoberta pela primeira vez na Índia, seguido pela Alpha, que era anteriormente dominante na Grã-Bretanha.

Testes adicionais serão realizados nesta sexta-feira (6) para descartar qualquer possibilidade de que os residentes do asilo tenham morrido de uma variante diferente do vírus ou de uma doença respiratória diferente, disse Van Ranst. “É improvável, mas não impossível”, disse ele.

(Reportagem de Sabine Siebold; edição por Susan Fenton)

Mais Recentes da CNN