Dicas para combater os efeitos do estresse na pele

Hormônios do estresse, como o cortisol, podem desencadear erupções cutâneas, acelerar o envelhecimento e e agravar doenças da pele, como eczema e psoríase

Maus hábitos e estresse por causa da pandemia afetam a pele
Maus hábitos e estresse por causa da pandemia afetam a pele Foto: Lucia Romero Herranz / EyeEm/ Getty Images

Sandee LaMotte, CNN

Ouvir notícia

A pele sob estresse não é algo bom. Os hormônios do estresse, como o cortisol, podem desencadear erupções cutâneas, opacidade ou acelerar o envelhecimento e agravar doenças da pele, como eczema e psoríase.

Isso é ainda mais verdadeiro quando a panela de pressão interna das pessoas permanece em ebulição constante – e quem não está tão estressado atualmente?

“Níveis de cortisol consistentemente elevados têm demonstrado inibir a produção de colágeno, ácido hialurônico e lipídios saudáveis como ceramida em sua pele”, diz a médica Whitney Bowe , dermatologista e professora assistente de dermatologia na Icahn School of Medicine no Mount Sinai Medical Center .

“O colágeno é como o andaime da pele que previne linhas finas e rugas”, explicou Bowe.
“O ácido hialurônico mantém a elasticidade da pele, e as ceramidas são gorduras saudáveis que criam uma barreira para prevenir a permeabilidade da pele, retendo, assim, a umidade”

Primeira linha de defesa

Considerado o maior órgão do corpo, a pele, com seu microbioma, desempenha um papel fundamental como a primeira linha de defesa do organismo contra agentes patológicos.

Quando a barreira cutânea funciona adequadamente, ela retém a umidade e mantém a pele hidratada enquanto bloqueia a entrada de substâncias alérgicas ou que causam doenças.

Os hormônios do estresse enfraquecem essa defesa, diminuindo a produção de óleos benéficos que ajudam a manter a hidratação da pele. Quando isso acontece, sua pele pode começar a “vazar” água em um processo conhecido como perda transepidérmica de água.

Conforme a água evapora, a pele pode ficar seca e comprometida, permitindo que os patógenos acessem as camadas mais profundas da pele, diz Bowe, autora de “A beleza da pele suja: a surpreendente ciência de olhar e sentir radiante de dentro para fora”.

“Quando a barreira da pele não está funcionando adequadamente, atigem-se níveis crônicos de inflamação de baixo grau e um aumento nos radicais livres que podem danificá-la e acelerar o envelhecimento, bem como aumentar o risco de se desenvolver alergias”, disse Bowe.

Reaja com ‘noites de recuperação’

Bowe sugere uma olhada nos produtos usados na pele, especialmente alguns anti-envelhecimento.

“Alguns dos ingredientes mais conhecidos por terem efeitos na pele são conhecidos irritantes”, diz Bowe. “Os retinóides, incluindo o retinol de venda livre, são os preferidos dos dermatologistas, mas irritam a pele, principalmente se você usar o produto todas as noites.

“O ácido glicólico é um ingrediente incrível que ajuda a clarear manchas escuras, uniformiza o tom da pele e ajuda a promover a produção de colágeno, mas também pode causar irritação”, acrescentou ela.

Bowe explica que os produtos podem ser usados com “noites de recuperação”

Em uma noite, use soluções anti-envelhecimento como retinóides ou ácido glicólico – com ou sem receita – e depois dê um intervalo de uma ou duas noites, dependendo de quão seca estiver a pele.

“Você não quer comprometer ainda mais a barreira da pele usando ingredientes irritantes todas as noites”, afirma Bowe.

Noites de recuperação são usadas para cuidar da pele, “usando ingredientes como glicerina, óleo de semente de girassol, óleo de jojoba ou esqualano” – que é uma versão hidrogenada do esqualeno, um composto produzido naturalmente por nossas glândulas sebáceas, diz Bowe.

“Você está usando ingredientes nutritivos e hidratantes que vão reparar a barreira da pele, apoiar seu microbioma e restaurar um pH saudável para a pele”, explicou.

Pele sensível de bebê

Como você pode saber se o estresse deixou sua pele excessivamente sensibilizada? Comece lavando o rosto e secando-o.

Se estiver seco e “se você aplicar um produto na pele e sentir ardor, queimação, ou se de repente desenvolver essas pequenas saliências vermelhas por todo o rosto, então sua pele está sensível”, explica Bowe.

A pele sensível deve evitar sulfatos agressivos presentes em produtos de limpeza como SLS, ou lauril-sulfato de sódio.

“Você também não deve esfregar a pele com um esfoliante físico ou uma escova giratória”, diz Bowe. “As pessoas agora percebem que usar uma escova giratória é, na verdade, muito prejudicial para a barreira da pele e torna você muito mais propenso a ter uma pele sensível.”

Muitas mulheres depilam o rosto e isso não é uma boa ideia para quem tem pele sensível ou está usando fragrância, acrescenta.

“É muito importante ressaltar que não é apenas uma fragrância sintética. Uma fragrância natural também pode ser prejudicial”, diz Bowe. “Muitas pessoas presumem que se algo é natural, é inerentemente seguro e não vai causar irritação ou inflamação. Mas, na verdade, alguns dos irritantes mais potentes são naturais.”

Cuidado com os óleos essenciais

Muitas pessoas recorrem a óleos essenciais como lavanda, laranja, capim-limão e camomila para relaxar naturalmente, diminuir o estresse e melhorar o sono. Esses óleos são substâncias vegetais altamente concentradas — por exemplo, são necessários quase 100 quilos de flores de lavanda para produzir 22 gramas de óleo de lavanda, de acordo com o National Institute of Environmental Health Sciences.

Além da indicação para aromaterapia, os fabricantes vendem óleos essenciais para uso na pele e em banhos. No entanto, Bowe explica que se uma pessoa é sensível a estas substâncias ou os óleos são usados indevidamente, eles podem levar à irritação da pele e mais danos à barreira da pele.

Os óleos cítricos, como laranja e limão, contêm furocumarinas, que, quando expostas aos raios ultravioleta do sol, podem causar queimaduras químicas.

Uma menina de 7 anos espremeu suco de limão na pele enquanto brincava sob o sol do Arizona e, em 24 horas, foi hospitalizada com queimaduras de primeiro e segundo graus no rosto, pescoço, tórax, braços, pernas e pés.

Além disso, “os óleos essenciais são uma fonte conhecida de alérgenos”, diz Bowe. “Na verdade, alguns dos alérgenos mais potentes para a pele são encontrados em óleos essenciais, portanto, usá-los aumentará o risco de se desenvolver alergias de pele.”

Cuidado com a ingestão de açúcar

Quando estressados, muitos de nós recorremos ao açúcar e aos carboidratos processados, que “podem danificar o colágeno da pele ao longo do tempo por meio de um processo chamado glicação”, diz Rajani Katta, autora de “Glow: O guia do dermatologista para uma dieta da pele mais jovem com alimentos integrais”

O processo ocorre quando as moléculas de açúcar se ligam às gorduras e proteínas e criam produtos finais de glicação avançada, que podem tornar as proteínas de colágeno e elastina menos flexíveis — e a pele mais propensa a enrugar.

“Alimentos ricos em antioxidantes e propriedades anti-inflamatórias podem ajudar a fornecer uma camada extra de proteção à pele e podem ajudar a promover os sistemas de defesa e reparo da pele”, sugere Katta.

Experimente técnicas de combate ao estresse

Socialize. “Adicione interações sociais – reais, não apenas nas redes sociais”, sugere Bowe. “Sair e dar um passeio com um amigo na natureza, ou algo assim, é uma ótima maneira de ajudar a diminuir o estresse.”

Exercite-se. O exercício aumenta a circulação sanguínea para o cérebro e ajuda na liberação de endorfinas, os hormônios de bem-estar do corpo.

O exercício também empurra o sangue oxigenado para todas as partes do corpo, incluindo a pele, o que pode impulsionar o processo de recuperação da barreira cutânea.

Fique calmo. Experimente ioga, meditação e respiração profunda para acalmar seus níveis de estresse: “Tudo isso demonstrou diminuir a produção de cortisol e os níveis de estresse”, afirma Bowe.

Durma bem. “É chamado de sono de beleza porque o sono regenera a pele à noite”, disse o especialista em sono Raj Dasgupta, professor-assistente de medicina clínica na Escola de Medicina Keck da Universidade do Sul da Califórnia.

“Há um hormônio chamado hormônio do crescimento que é secretado durante os estágios mais profundos do sono que estimula o crescimento de células da pele fresca”, diz Dasgupta.

(Esta matéria foi traduzida. Clique aqui para ler a versão original)

Mais Recentes da CNN