Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Superlotada, Veneza começa a cobrar taxa para entrada de turistas

    Valor de 5 euros deverá ser pago de forma on-line antes da chegada; autoridades locais afirmam que medida servirá para desencorajar visitantes

    Turistas em uma gôndola em Veneza
    Turistas em uma gôndola em Veneza 05/09/2021REUTERS/Manuel Silvestri

    Crispian Balmerda Reuters

    em Veneza

    Veneza se tornou a primeira cidade do mundo nesta quinta-feira (25) a introduzir um sistema de pagamento para os turistas em um esforço para diminuir as multidões que lotam os canais durante a alta temporada de férias.

    Qualquer visitante que não fique a noite deve pagar uma taxa de entrada de 5 euros on-line antes de entrar na cidade.

    Embora não haja catracas nos portões da cidade para garantir que as pessoas tenham um passe, os inspetores farão verificações aleatórias e emitirão multas entre 50 e 300 euros para qualquer pessoa que não tenha se registrado.

    “Ninguém nunca fez isso antes”, disse o prefeito de Veneza, Luigi Brugnaro, a repórteres no início deste mês. “Não estamos fechando a cidade … estamos apenas tentando torná-la habitável.”

    Cerca de 20 milhões de pessoas visitaram Veneza no ano passado, disse uma autoridade da cidade, com cerca de metade delas pernoitando em hotéis e alojamentos para férias – um fluxo que supera a população residente atualmente em torno de 49 mil.

    Veneza escapou por pouco de ser colocada na lista de “Patrimônio Mundial em Perigo” da UNESCO no ano passado, em parte porque o órgão da ONU decidiu que a cidade estava abordando preocupações de que seu delicado ecossistema poderia ser sobrecarregado pelo turismo em massa.

    Além de introduzir a taxa de entrada, a cidade também proibiu grandes navios de cruzeiro de navegar na lagoa veneziana e anunciou novos limites no tamanho dos grupos turísticos.

    “O fenômeno do turismo de massa representa um desafio para todas as cidades turísticas da Europa”, disse Simone Venturini, responsável pelo turismo e pela coesão social no conselho da cidade.

    “Mas sendo menor e mais frágil, é ainda mais impactado por esse fenômeno e, portanto, está agindo mais cedo do que outros para tentar encontrar soluções”, disse ela à Reuters.

    A bilheteria deste ano está em fase experimental e Venturini disse que, no futuro, Veneza pode começar a cobrar mais em determinadas épocas do ano para tentar desencorajar as chegadas.