Taiwan diz que não quer fechar portas com China, mas pede igualdade de condições

Relações entre Taipei e Pequim, que reivindica Taiwan democraticamente governada, estão no nível mais baixo em décadas, com China aumentando pressão política e militar para que a ilha aceite sua soberania

Peças de xadres à frente das bandeiras da China e de Taiwan em foto de ilustração
Peças de xadres à frente das bandeiras da China e de Taiwan em foto de ilustração Dado Ruvic/Reuters (25.jan.2022)

Reuters

Ouvir notícia

Taiwan não quer fechar as portas para a China e está disposta a se engajar com boa vontade, mas em igualdade de condições e sem predisposições políticas, disse o primeiro-ministro Su Tseng-chang neste domingo.

As relações entre Taipei e Pequim, que reivindica Taiwan democraticamente governada como seu próprio território, estão no nível mais baixo em décadas, com a China aumentando a pressão política e militar para que a ilha aceite sua soberania.

Mais cedo neste domingo, em um fórum de segurança em Cingapura, o ministro da Defesa da China disse que o governo chinês buscava “reunificação pacífica” com Taiwan, mas reservou “outras opções”.

Falando a repórteres depois que a China proibiu a importação de garoupa de Taiwan por motivos de segurança, uma medida que Taipei chamou de motivação política, Su disse que Taiwan sempre teve boa vontade em relação à China.

“Enquanto houver igualdade, reciprocidade e sem pré-condições políticas, estamos dispostos a nos engajar em boa vontade com a China”, disse ele, reiterando uma posição que a presidente Tsai Ing-wen fez repetidamente em público.

“Quanto ao assédio da China a Taiwan com aeronaves militares, navios de guerra, repressão irracional e ações políticas, o mais irracional é a China”, acrescentou.

“Taiwan não quer fechar a porta para a China. É a China que tem usado vários meios para oprimir e tratar Taiwan de forma irracional.”

A China se recusou a falar com Tsai desde que ela foi eleita pela primeira vez em 2016, vendo-a como uma separatista que se recusou a aceitar que China e Taiwan fazem parte de “uma China”.

Tsai diz que apenas o povo de Taiwan pode decidir seu futuro e, embora queira a paz com a China, se defenderá se for atacado.

O povo de Taiwan, que vive em uma das democracias mais livres e liberais da Ásia, não demonstrou interesse em ser governado pela China autocrática.

A China nunca renunciou ao uso da força para colocar Taiwan sob seu controle.

(Reportagem de Ben Blanchard; Edição de William Mallard)

Mais Recentes da CNN