Talibã ainda não definiu como lidará com a rica produção de ópio do Afeganistão

Cultivo da papoula chegou a ser considerado 'anti-islâmico' e foi proibido em 2000; com lucros significativos, a planta detém poderoso capital político e cultural

Kara Foxda CNN

Ouvir notícia

Quando as paisagens em tons de bege do Afeganistão são transformadas com tonalidades de rosa, branco e roxo a cada primavera, os agricultores locais se alegram. A mudança nas cores significa que sua safra comercial de papoulas está pronta para a colheita.

O cultivo de ópio há muito tempo é uma fonte de renda para as comunidades rurais de todo o país – terra sitiada por décadas de guerra. Mas para os Estados Unidos, essas mesmas cenas coloridas simbolizavam o inimigo.

“Quando vejo um campo de papoulas, vejo-o se transformando em dinheiro e depois em IEDs [dispositivos explosivos improvisados], AKs [rifles] e RPGs [granadas propelidas por foguete]”, disse o general Dan McNeill, comandante da OTAN na Força Internacional de Assistência à Segurança (ISAF) no Afeganistão.

Essa narrativa contribuiu para a forma como a guerra contra as drogas dos Estados Unidos foi travada – e perdida.

Em 20 anos, os EUA desperdiçaram quase US$ 9 bilhões em uma política antinarcóticos que – perversamente – ajudou a encher os bolsos do Talibã e, em algumas regiões, aumentou o apoio aos insurgentes.

Agora no poder e com um governo interino em vigor, o Talibã está analisando como administrar a economia de drogas entrincheirada do Afeganistão – a maior safra de renda do país – enquanto a nação inteira oscila em um colapso econômico.

Apenas dois dias após a tomada de Cabul, o porta-voz do Taleban, Zabiullah Mujahid, prometeu “garantias totais ao mundo” de que o Afeganistão sob o domínio do Talibã não seria um narco-estado.

“O Afeganistão não será um lugar de cultivo de narcóticos, então a comunidade internacional deve nos ajudar e devemos ter um meio de vida alternativo” para os plantadores de ópio.
Mas como o Talibã fará isso ainda é incerto.

Ópio representa 11% do PIB do país

O Afeganistão produziu cerca de 85% do ópio do mundo em 2020, de acordo com os últimos números das Nações Unidas.
Em 2018, a ONU estimou que a economia do ópio responde por até 11% do PIB do Afeganistão.

Mas não está claro quanto o Talibã lucrou – e continuará a lucrar – com a economia do ópio, com estimativas em torno desses números variando amplamente.

“Claramente, as drogas são um aspecto muito importante dos lucros do Talibã”, disse Vanda Felbab-Brown, pesquisadora sênior do Brookings Institution, à CNN.

“Mas, assim como com muitos outros grupos insurgentes, muitas vezes há muita mística proporcionada às economias das drogas. O que os insurgentes competentes, mesmo moderadamente competentes e, francamente, os grupos criminosos fazem, é simplesmente taxar qualquer coisa na área, onde eles têm influência suficiente para poder impor a cobrança de impostos informais”, disse Felbab-Brown, observando que isso pode variar de rebanhos de ovelhas até produção de metanfetamina.

Embora seja impossível apontar o quão lucrativa é a economia do ópio para o Talibã, nas últimas duas décadas, as estimativas variaram de dezenas de milhões a poucas centenas de milhões.

Segundo Felbab-Brown, o início da invasão liderada pelos EUA em 2001, as forças da coalizão britânica foram incumbidas de desenvolver uma política de combate aos narcóticos, mas por volta de 2004, os EUA abriram caminho, pressionando por um esforço de erradicação mais agressivo.

Policiais do Afeganistão destroem plantação de papoula em fiscalização em Qalat
Policiais do Afeganistão destroem plantação de papoula em fiscalização na cidade de Qalat / Getty Images

Isso incluiu a fumigação aérea, uma campanha de 2005 a 2008 que enfureceu algumas comunidades afegãs e prejudicou as relações entre Cabul e Washington.

A importância do comércio de ópio no financiamento da insurgência foi “rotineiramente citada como a principal razão” para o aumento dos esforços antinarcóticos dos EUA, de acordo com o relatório de 2018 do Inspetor Geral Especial dos EUA para a Reconstrução do Afeganistão (SIGAR).

Mas os dados para apoiar essa afirmação foram contestados, e a política americana cambaleou nas administrações e departamentos durante a guerra de 20 anos.

Antes de 2004, a estratégia dos EUA sobre drogas era vista como um “esforço descoordenado [que era] ineficaz e precisava de mudanças significativas”, disse o relatório do SIGAR.

“Cada um fazia suas próprias coisas, sem pensar em como isso se encaixava no esforço maior. O Estado estava tentando erradicar, a USAID estava marginalmente tentando ganhar a vida e a DEA estava indo atrás de bandidos”, disse um alto funcionário do Departamento de Defesa no relatório.

Em 2004, no entanto, a produção de papoula aumentou, levando alguns funcionários a pedir uma campanha de erradicação mais forte.

Robert Charles, o então secretário-assistente de Estado para narcóticos internacionais e assuntos de aplicação da lei, testemunhou naquela primavera que “não há questões mais urgentes e fundamentais do que a situação das drogas, que se não for controlada, se tornará um câncer que se espalha e destrói tudo. De outra forma, estamos tendo sucesso nas áreas de democracia, estabilidade, antiterrorismo e Estado de Direito.”

“O ópio é uma fonte de – literalmente – bilhões de dólares para grupos extremistas e criminosos em todo o mundo”, disse Charles, acrescentando que cortar o suprimento de ópio do país era “fundamental para estabelecer uma democracia segura e estável, bem como vencer a guerra global contra o terrorismo”.

O orçamento operacional da Agência Antidrogas dos Estados Unidos (DEA) no Afeganistão sob o mandato do presidente George W. Bush mais do que quadruplicou – de US$ 3,7 milhões em 2004 para US$ 16,8 milhões em 2005, chegando então a US$ 40,6 milhões em 2008, segundo dados de um relatório de 2012 do Serviço de Pesquisa do Congresso.

Em 2009, entretanto, o falecido representante especial dos Estados Unidos para o Afeganistão e Paquistão, Richard Holbrooke, classificou o programa de erradicação dos Estados Unidos como “o programa menos eficaz de todos os tempos”.

Naquele mesmo ano, sob o governo Obama, os EUA reduziram as tentativas de erradicação da papoula.

No entanto, eles lutaram para implementar efetivamente uma abordagem de “meios de subsistência alternativos” – um programa que incentivou os governadores em províncias sem papoula e encorajou os agricultores a cultivar outras safras, como o açafrão.

Mas em 2017, os militares dos EUA mais uma vez aceleraram a erradicação, lançando a Operação Iron Tempest, uma missão que usou bombardeiros B-52, caças F-22 e outros aviões de guerra de alta precisão para atacar uma rede de laboratórios de drogas que os EUA alegaram que gerou cerca de US$ 200 milhões anualmente para o Talibã.

A missão não foi bem-sucedida, com especialistas concluindo que eles tinham como alvo, em grande parte, complexos vazios de comerciantes locais – ao custo de inúmeras vítimas civis.

Em última análise, a política dos EUA foi ditada pela ideia: “Destrua a safra e destrua a principal fonte de recursos da insurgência”, de acordo com o relatório do SIGAR.

A base dessa afirmação, no entanto, “foi contestada”, com “problemas metodológicos com os dados em que se baseou”, acrescenta o relatório.

“As drogas sempre tiveram uma ressonância política particularmente forte nos Estados Unidos e muitas vezes foram vistas como uma das economias mais prejudiciais, letais e ilegais”, disse Felbab-Brown. “Se isso é objetivamente verdadeiro é outra questão.”

Enquanto isso, os esforços de erradicação e interdição dos Estados Unidos – muitas vezes atingindo os agricultores pobres – “jogaram” as populações locais nas mãos do Taleban, avalia Felbab-Brown.

Sistema de tributação do Talibã

David Mansfield, que estudou a economia das drogas afegã por mais de 20 anos, diz que uma das questões fundamentais que levaram a “estatísticas errôneas” é a ideia de que o Talibã administra um sistema de tributação baseado em preço ou valor.

A comunidade internacional acredita amplamente que o Talibã leva 10% do valor das drogas. Mas, na prática, Mansfield diz que é incrivelmente difícil de administrar.

“Não vejo uma insurgência rural, onde as pessoas que têm problemas de alfabetização administrando um sistema de tributação baseado no preço ou no imposto sobre valor agregado”, disse ele. Segundo ele, isso não faz sentido economicamente.

Mansfield disse que as margens de lucro de um quilo de heroína variam de US$ 80-120 por quilo (2,2 libras) e cerca de US$ 30 a US$ 50 por quilo de metanfetamina.

Se houver um imposto de 10% sobre o preço final no ponto de exportação – cerca de US$ 1.800 o quilo de heroína em sua forma básica – considerando todos os outros custos, a maioria terá encerrado o mercado, explicou Mansfield.

Porta-voz doTaliban Zabihullah Mujahid / 06/09/2021 REUTERS/Stringer

“Quando as pessoas trocam esses números e dizem 10% do bruto, nunca consideram nenhum dos custos de produção ou se isso é economicamente viável. E não é.”

A última coisa que você deve fazer se quiser obter receitas com commodities é quebrar a cadeia de valor – com isso, a produção não dará lucros e não há mais nada a ser tributado, acrescentou Mansfield. “Portanto, esses números não fazem sentido administrativa ou economicamente.”

Papoulas políticas

Existem poucos ramos da sociedade afegã que a economia das drogas de alguma forma não atinge.

No ano passado, os agricultores afegãos cultivaram papoulas em aproximadamente 224.000 hectares – o terceiro nível mais alto já relatado no país –, espremendo a goma pegajosa de onde são feitas a heroína e outros opiáceos em uma área 37% maior do que em 2019, de acordo com Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC).

O cultivo da papoula foi estimado para fornecer até “590.000 empregos em tempo integral, mais do que o número de pessoas empregadas pelas Forças de Defesa e Segurança Nacional do Afeganistão”, em 2017, de acordo com o relatório do SIGAR.

Embora continue sendo uma parte importante do financiamento do Talibã, Mansfield diz que o grupo islâmico está ganhando muito menos com drogas do que com produtos legais.

Ele aponta para uma pesquisa recente conduzida na província de Nimruz, ao sul, que faz fronteira com o Irã, que descobriu que o Talibã arrecadou cerca de US$ 5,1 milhões na indústria de drogas, em comparação com US$ 40,9 milhões cobrados em combustível e mercadorias em trânsito.

Essas papoulas – e sua produção – também detêm um poderoso capital político e cultural.

Por gerações, os fazendeiros afegãos cultivaram ópio e cannabis – economia que é muito anterior à guerra. Como outras nações montanhosas, que geralmente oferecem climas bons para o cultivo de papoula, o ópio tem sido usado medicinal e culturalmente no Afeganistão, de acordo com Jonathan Goodhand, professor de estudos de conflito e desenvolvimento da SOAS, Universidade de Londres.

Várias invasões do país estimularam o cultivo e a produção de ópio. Isso começou com a ocupação soviética na década de 1980, quando grandes fluxos de assistência financeira e militar para o regime e os mujahideen – da União Soviética e dos Estados Unidos, respectivamente – forneceram o “capital inicial” para que os comandantes acelerassem a produção , processamento e tráfico, de acordo com um artigo de 2008 de Goodhand.

Quando a União Soviética se dissolveu e o Talibã emergiu, assumindo Cabul em 1996, o ópio se tornou uma “mercadoria de fato legal”, disse Goodhand.

Em 2000, Talibã proibiu o cultivo da planta

Mas em 2000, o Talibã mudou de rumo, proibindo a produção de ópio – o que reduziu a produção em 90% e praticamente erradicou a safra em um ano – cortando o fornecimento mundial em 65%, segundo estimativas da ONU.

O então líder talibã, mulá Mohammed Omar, disse que o cultivo do ópio era “anti-islâmico”, alertando em julho de 2000 que qualquer pessoa que plantasse sementes de papoula seria “severamente punida”.

Goodhand e outros especialistas levantam a hipótese de que a mudança provavelmente foi usada como moeda de troca para obter reconhecimento internacional – e financiamento.

Mas o tiro saiu pela culatra, levando o país a uma crise de desemprego e prejudicando o apoio dos fazendeiros de papoula, antes talvez simpáticos ao Talibã, que ficaram endividados. A proibição da produção de papoula foi suspensa em 2001, com o colapso do grupo.

Cofundador e negociador do Taliban, Abdul Ghani Baradar (C), e outros membros do grupo na conferência de paz em Moscou
Cofundador e negociador do Taliban, Abdul Ghani Baradar (C), e outros membros do grupo na conferência de paz em Moscou / Alexander Zemlianichenko – 18.mar.2021/Pool via REUTERS/Arquivos

Após fim da proibição, produção de papoula disparou

Desde então, a produção de papoula disparou, com um recorde histórico estimado registrado em 2017 em cerca de 9.900 toneladas, de acordo com o UNODC, que estimou que seu valor era de cerca de US$ 1,4 bilhão na época, equivalente a cerca de 7% do PIB do país.

É improvável que o Talibã tome medidas drásticas semelhantes às de 2000 novamente, dizem os especialistas, apesar da promessa do grupo.

Embora o anúncio possa sinalizar um retorno ao plano anterior de erradicação – uma tentativa, talvez, de agradar os doadores ocidentais – o Talibã também espera manter os vizinhos Irã e Rússia distantes.

As duas nações, que têm gostado do grupo nos últimos anos, querem eliminar a produção massiva de ópio em suas fronteiras.

O Talibã tem outro fator externo a pesar: o aumento dos opioides sintéticos.

Se as exportações de heroína do Afeganistão despencassem como em 2001, é muito provável que os opioides sintéticos, como o fentanil – principalmente da China e da Índia – inundem rapidamente os mercados da Europa, África e Canadá no lugar do ópio e heroína afegãos.

“A realidade é que eles simplesmente não podem fazer isso, porque a economia está afundando”, disse Felbab-Brown. Uma proibição imposta também pode criar potencial para violência, avaliou.

Felbab-Brown disse que há cerca de 100 mil a 150 mil soldados e policiais das Forças de Segurança Nacional do Afeganistão que agora estão desempregados e para os quais a produção de papoula pode fornecer alguma fonte de estabilidade econômica.

“Tire isso, então você tem 150 mil homens que eram seus inimigos e que não têm nada para comer”, disse ela.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN